AVALIAÇÃO DINÂMICA EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DAS … · central da viga (δL / 2) e momento nos...

of 27/27
ISSN 1809-5860 Cadernos de Engenharia de Estruturas, São Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006 AVALIAÇÃO DINÂMICA EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DAS LIGAÇÕES DE BASE DE ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADO Petrus Gorgônio Bulhões da Nóbrega 1 & João Bento de Hanai 2 Resumo Neste trabalho realiza-se um estudo do comportamento das ligações de base de estruturas pré-moldadas de concreto, por meio de ensaios experimentais e computacionais, sejam estáticos ou dinâmicos. Diferentes modelos físicos foram construídos, cada um possuindo uma particularidade estrutural (íntegro, com dano localizado, com dano generalizado e com vínculo pilar-viga semi-rígido). Investigou-se a condição real de vínculo e sua influência na alteração dos parâmetros modais (freqüências naturais, modos de vibração e fatores de amortecimento). Destaca-se a metodologia experimental dinâmica que avalia a rigidez da ligação pilar-fundação diretamente pelos sinais medidos, não apenas pela calibração do modelo numérico. As avaliações computacionais apresentadas neste trabalho empregam modelos de elementos finitos fundamentados na Teoria da Elasticidade e na Mecânica do Dano Contínuo, e os seus resultados são confrontados com os experimentais e com os obtidos por modelos analíticos. Demonstra-se uma boa correlação entre os diversos resultados, comprovando-se a viabilidade da utilização dos testes de vibração, não-destrutivos e precisos, para a determinação da rigidez das ligações, estimativa do dano provocado pela fissuração e alteração de condições estruturais diversas. Palavras-chave: dinâmica; concreto; pré-moldados; ligações semi-rígidas; análise modal. 1 INTRODUÇÃO Do ponto de vista do comportamento estrutural, a presença das ligações é o que diferencia basicamente uma estrutura de concreto pré-moldado de uma estrutura monolítica moldada no local. As ligações podem ser consideradas como regiões de descontinuidade na estrutura pré-moldada onde ocorrem concentrações de tensões, as quais podem, ou não, provocar deslocamentos e mobilizar e redistribuir esforços entre os elementos por elas conectados, com influência no comportamento de toda a estrutura. Por outro lado, é usual, na prática corrente de projeto de estruturas de concreto pré-moldado, considerar as ligações como articulações ou engastes. Na verdade, por elas serem executadas entre elementos pré-moldados, o seu comportamento real é semi-rígido (semi-flexível). A consideração das ligações com esse efeito recebe, na literatura, a denominação de ligações semi-rígidas, e seus 1 Professor Adjunto do Departamento de Arquitetura da UFRN, e-mail [email protected] 2 Professor Titular do Departamento de Enga. de Estruturas da EESC-USP, e-mail [email protected]
  • date post

    13-Feb-2019
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of AVALIAÇÃO DINÂMICA EXPERIMENTAL E NUMÉRICA DAS … · central da viga (δL / 2) e momento nos...

ISSN 1809-5860

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

AVALIAO DINMICA EXPERIMENTAL E NUMRICA DAS LIGAES DE BASE DE

ESTRUTURAS DE CONCRETO PR-MOLDADO Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega1 & Joo Bento de Hanai2

R e s u m o

Neste trabalho realiza-se um estudo do comportamento das ligaes de base de estruturas pr-moldadas de concreto, por meio de ensaios experimentais e computacionais, sejam estticos ou dinmicos. Diferentes modelos fsicos foram construdos, cada um possuindo uma particularidade estrutural (ntegro, com dano localizado, com dano generalizado e com vnculo pilar-viga semi-rgido). Investigou-se a condio real de vnculo e sua influncia na alterao dos parmetros modais (freqncias naturais, modos de vibrao e fatores de amortecimento). Destaca-se a metodologia experimental dinmica que avalia a rigidez da ligao pilar-fundao diretamente pelos sinais medidos, no apenas pela calibrao do modelo numrico. As avaliaes computacionais apresentadas neste trabalho empregam modelos de elementos finitos fundamentados na Teoria da Elasticidade e na Mecnica do Dano Contnuo, e os seus resultados so confrontados com os experimentais e com os obtidos por modelos analticos. Demonstra-se uma boa correlao entre os diversos resultados, comprovando-se a viabilidade da utilizao dos testes de vibrao, no-destrutivos e precisos, para a determinao da rigidez das ligaes, estimativa do dano provocado pela fissurao e alterao de condies estruturais diversas.

Palavras-chave: dinmica; concreto; pr-moldados; ligaes semi-rgidas; anlise modal.

1 INTRODUO

Do ponto de vista do comportamento estrutural, a presena das ligaes o que diferencia basicamente uma estrutura de concreto pr-moldado de uma estrutura monoltica moldada no local. As ligaes podem ser consideradas como regies de descontinuidade na estrutura pr-moldada onde ocorrem concentraes de tenses, as quais podem, ou no, provocar deslocamentos e mobilizar e redistribuir esforos entre os elementos por elas conectados, com influncia no comportamento de toda a estrutura. Por outro lado, usual, na prtica corrente de projeto de estruturas de concreto pr-moldado, considerar as ligaes como articulaes ou engastes. Na verdade, por elas serem executadas entre elementos pr-moldados, o seu comportamento real semi-rgido (semi-flexvel). A considerao das ligaes com esse efeito recebe, na literatura, a denominao de ligaes semi-rgidas, e seus

1 Professor Adjunto do Departamento de Arquitetura da UFRN, e-mail [email protected] 2 Professor Titular do Departamento de Enga. de Estruturas da EESC-USP, e-mail [email protected]

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

48

efeitos influenciam: a redistribuio dos esforos ao longo dos elementos, os deslocamentos laterais da estrutura devido a aes horizontais, a estabilidade global do sistema, e os deslocamentos verticais das vigas. Levando-se em conta o efeito desta semi-rigidez, pode-se obter significante economia relacionada reduo da mo-de-obra e de material necessrios, em comparao com as ligaes rgidas, ou pode-se incorrer na reduo do tamanho dos pilares, frente s ligaes articuladas. A deformabilidade de uma ligao ilustrada na Figura 1 e a sua forma usual de representao o esquema de molas , encontra-se na Figura 2.

M

Ligao deformvel

Deformabilidade fora normal

N N N

Deformabilidade ao momento fletor M

M

Ligao indeformvel

Figura 1a - Deformabilidade de uma ligao (adaptado de EL DEBS; 2000).

K = M/

Momento fletor

m

Fora normal

K = N/n

Figura 1b - Representao usual da deformabilidade (adaptado de EL DEBS; 2000).

A obteno da flexibilidade (ou sua inversa, a rigidez) das ligaes est entre as principais dificuldades tcnicas para se obter um clculo mais realista das estruturas pr-moldadas. Basicamente, ela pode ser obtida ou estimada por procedimentos experimentais e analticos; mas o que se percebe, pesquisada a bibliografia disponvel, a existncia de poucos modelos padronizados de clculo de rigidez, frente ao extenso leque de tipos de ligaes disponveis. No contexto das ligaes de estruturas pr-moldadas, os primeiros estudos enfocaram os assuntos da execuo, da transmisso e da resistncia aos esforos. Posteriormente, as pesquisas se estenderam a temas como ductilidade, rigidez e durabilidade. Uma retrospectiva sobre o tema feita por STANTON et al. (1986), JOHAL et al. (1991), COST1 (1999) e COST1 (2000). Projetos de pesquisa internacionais recentes preocuparam-se com o estudo profundo das ligaes, no contexto de toda a estrutura, no apenas sobre o elemento isolado. Cita-se o programa PRESSS (Precast Seismic Structural Systems), financiado pelo PCI (Precast Concrete Institute), como exemplo, onde se realizaram ensaios em prticos planos e espaciais, com a incluso at de lajes, em alguns casos, simulando-se pavimentos de vrias alturas.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

49

Parece importante, todavia, que algumas questes sejam alvo de anlise mais profunda. Dentre elas, destacam-se: a influncia da ligao no comportamento dinmico (na alterao das freqncias naturais, modos de vibrao e amortecimento) e na resposta vibracional da estrutura (seja em relao aos estados limites ltimos ou de servio), e o desempenho da ligao semi-rgida frente a um processo crescente de fissurao (determinada a parcela relacionada estrutura, e a correspondente ligao). Entretanto, os aspectos focados dessas pesquisas continuam a ser a ductilidade, a fadiga e a resistncia. NAKAKI et al. (1999) e PRIESTLEY et al. (1999) indicam que esses aspectos corresponderam aos objetivos no amplo projeto PRESSS, ainda que relacionado a edificaes em reas ssmicas (onde h um comportamento dinmico por excelncia).

2 AVALIAO DA RIGIDEZ DAS LIGAES

Embora a quantificao numrica da rigidez de uma ligao seja imprescindvel para o seu estudo e para a anlise estrutural, no possvel defini-la observando apenas o seu valor absoluto. A semi-rigidez de uma ligao deve ser entendida como um conceito e o seu valor deve ser tambm analisado luz do conhecimento do elemento estrutural a ela conectado. Um exemplo simples ilustra este aspecto. Considerem-se duas vigas de diferentes sees transversais: VIGA 1 = (10 cm x 30 cm) e VIGA 2 = (20 cm x 60 cm); de mesmo material ( E = 30.000 MPa), que vencem o mesmo vo (L = 5 m) e submetidas a ao de uma mesma fora ( F = 30 kN, no meio do vo). A Tabela 1 ilustra as respostas em termos do deslocamento central da viga ( 2/L ) e momento nos apoios ( apoiosM ), quando se considera os vnculos como articulados, engastados ou semi-rgidos (adotando-se, neste ltimo caso, mK = 10.000 kN.m/rad). Tabela 1 - Influncia da ligao semi-rgida em diferentes vigas

VIGA 1 (10 30) VIGA 2 (20 60) TIPO DE VNCULO L/2 Mapoios L/2 Mapoios

11,6 mm zero 0,7 mm zero

2,9 mm 18,8 kN.m 0,2 mm 18,8 kN.m

4,7 mm 14,8 kN.m 0,6 mm 3,5 kN.m

INFLUNCIA DA LIG. SEMI-RG. RGIDA ARTICULADA Pela anlise dos valores apresentados na Tabela 1, observa-se: A mesma ligao semi-rgida influencia as duas vigas de maneira muito diferente. Para a VIGA 1, ela comporta-se como um vnculo aproximadamente rgido; para a VIGA 2, como articulado; A observao anterior pode ser percebida facilmente comparando-se os valores dos deslocamentos e dos momentos nas ligaes para os trs casos simulados; Destaca-se a necessidade de avaliar e caracterizar a rigidez da ligao de forma qualitativa. Evidentemente, isto deve ser feito em funo da rigidez do elemento estrutural conectado.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

50

Existem diferentes sistemas, com limites prprios, para a classificao de uma ligao como articulada, semi-rgida ou rgida. EL DEBS (2000) apresenta um destes parmetros, anlogo ao constante no EUROCODE 3 (2000) (Tabela 2). Tabela 2 - Limites para a classificao das ligaes (EUROCODE 3; 2000)

REGIO LIMITES

articulada LEIKm

5,0

semi-rgida

LEIK

LEI

m85,0

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

51

0,14 0,25 0,40 0,67 0,73 0,89 FERREIRA; EL DEBS; ELLIOTT (2002), mais recentemente, propem um sistema de classificao das ligaes semi-rgidas, dividido em 5 regies (Figura 2). Tabela 4 - Limite para a classificao das ligaes (FERREIRA; EL DEBS; ELLIOTT; 2002)

REGIO LIMITES Zona I ligao articulada 14,00

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

52

0,0

0,1

0,2

0,3

0,4

0,5

0,6

0,7

0,8

0,9

1,0

1 10 100 1000 10000 100000 1000000 10000000

rigidez da ligao Km (kN.m/rad)

fato

r de

rigid

ez

Figura 3 - Influncia da ligao no fator de rigidez. Percebe-se que no trecho inicial da curva, 1 < mK < 5.000, o comportamento da ligao tende para o articulado e, no final, 200.000 < mK < 10.000.000, para o rgido. H um trecho intermedirio onde destaca-se a forte sensibilidade ao parmetro , devido a mudanas na rigidez da ligao. Esse, efetivamente, pode ser considerado a zona de comportamento semi-rgido. A Figura 4 ilustra o deslocamento resultante no meio do vo, , pela aplicao da fora. A curva apresentada coerente com a Figura 3 compreendendo os trechos de comportamento articulado, semi-rgido e rgido. Verifica-se, assim, a influncia da ligao na resposta esttica da viga.

0,5

0,7

0,9

1,1

1,3

1,5

1,7

1,9

2,1

2,3

1 10 100 1000 10000 100000 1000000 10000000

rigidez da ligao Km (kN.m/rad)

desl

ocam

ento

(c

m)

Figura 4 - Influncia da ligao na flecha da viga anlise esttica. Em relao s propriedades dinmicas, o efeito tambm deve ser investigado. A Figura 5 mostra o resultado para a primeira freqncia da viga, tambm considerada a variao da rigidez da ligao. Admite-se, adicionalmente, que a viga possui massa especfica de 2500 kg/m3 e coeficiente de Poisson igual a 0,2.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

53

28,0

34,0

40,0

46,0

52,0

58,0

64,0

1 10 100 1000 10000 100000 1000000 10000000

rigidez da ligao Km (kN.m/rad)

freq

nci

a f 1

(Hz)

Figura 5 - Influncia da ligao na 1a freqncia natural da viga anlise dinmica. Neste grfico, mais uma vez, destacam-se as diferentes zonas de comportamento da ligao. As Figuras 3, 4 e 5 transparecem equivalncia qualitativa nos resultados.

3 EXPRESSO ANALTICA DA LIGAO ESTUDADA

A ligao escolhida para o presente estudo do tipo por meio de chapa de base, de tamanho superior seo transversal do pilar. A chapa de ao da base solda-se armadura do pilar e os parafusos ancoram-se no elemento de fundao. O PCI (1988) e PCI (2001) apresentam a configurao e o detalhamento tpicos para este tipo de ligao (Figura 6).

Figura 6 - Ligao com chapa de base e armadura do pilar soldada.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

54

Esta ligao possui um modelo analtico que calcula a sua rotao em funo do esforo imposto e de suas caractersticas geomtricas e materiais. PCI (2001), baseado na formulao originalmente proposta por MARTIN (1980), apresenta as expresses que descrevem o comportamento desta ligao. FERREIRA (1993) leva em conta, alm dos trs mecanismos de deformao descritos por MARTIN (1980), o efeito do alongamento da armadura tracionada do pilar. Neste trabalho procede-se a uma readaptao da formulao de PCI (2001), acrescida do mecanismo idealizado por FERREIRA (1993), sendo esta tarefa descrita detalhadamente em NBREGA (2004). A rotao total da base tem seu esquema ilustrado na Figura 7 e a formulao de sua flexibilidade dada pela eq.2.

ex1 x2

hLab

PP

CT

f

h + 2x1

h + x1

ab

bp

x + x21e

ponto de rotao

centro de compresso

Figura 7 - Configuraes indeformada e deformada da ligao.

( )( ) ( ) 22121

321

85,03 dAEL

xhEA

L

xhIExx

rbrb

rb

abab

ab

bpbpb +

++

+

+= (2)

Diversas simulaes foram feitas, destacando-se os resultados principais para a rigidez da ligao mK e do fator de rigidez indicados na Tabela 5 e Figura 8. Segundo as expresses analticas, a ligao pertence Tabela 5 - Avaliao da rigidez da ligao pilar-fundao modelos analticos

CLCULO Km (kN.m/rad) ZONA PRTICO CARACTERSTICAS 1 2.000 0,25 II 1 2 2.000 0,28 II 2, 3 e 4

Lrb = 50% do comprimento de ancoragem

3 3.000 0,33 II 1 4 3.000 0,36 II 2, 3 e 4

No considerando a rotao devido ao alongamento da armadura

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

55

2 EI/L

Fator de Rigidez Zona I

0,0 0,20,1

Zona II

0,3

1,3

0,6

0,3

0,2

0,1

0,0

0,5

0,4

0,9

0,8

0,7

1,2

1,1

1,0

1,5

1,4

0,5 EI/L

0,7

Zona III

0,4 0,5 0,6

Zona IV

0,8

Zona V

0,9 1,0

6 EI/L 25 EI/L

Figura 8 - Avaliao da rigidez da ligao pilar-fundao modelos analticos.

4 PROGRAMA EXPERIMENTAL DESCRIO DOS MODELOS FSICOS

Idealizou-se a confeco de prticos de concreto armado que possussem as seguintes dimenses bsicas:

18 132 18

6618

84

16818

8

150

75

PERSPECTIVA

VISTA

VISTA

SEO TRANSVERSAL(VIGA E PILARES)(VIGA E PILARES)(VIGA E PILARES)

Obs.:Dimenses em cm

Figura 9 - Dimenses dos modelos de prticos de concreto armado. Para se poder avaliar o comportamento da estrutura frente influncia de diversas condicionantes estruturais, foram construdos quatro diferentes prticos (Figura 10).

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

56

Prtico 2 - Dano Localizado

Prtico 3 - Dano Generalizado

Prtico 1 - ntegro

Modelo Bsico

Prtico 4 - Ligaes Semi-rgidas

Figura 10 - Esquemtico dos modelos de prtico. As bases metlicas so de chapa de ao SAE-1020 e nelas bases foram soldadas (solda do tipo MIG) as barras da armadura do pilar ( 6,3 mm). A Figura 11 ilustra o aspecto final.

100

20

35 25 180 25 35

= 16furo

espessura da chapa = 10dimenses em mm

projeo do pilar

60 180 60

6 barras 6,3 mm

2 barras 5,0 mm(soldadas na base)

Figura 11 - Esquemtico final da ligao com chapa de base.

5 ENSAIOS ESTTICOS

Os quatro prticos foram ensaiados flexo, pela aplicao de um carregamento crescente em um ponto situado no eixo da viga. Os objetivos dos experimentos consistiam, principalmente, em averiguar a rigidez dos apoios e a rigidez lateral das estruturas. A instrumentao dos prticos foi feita atravs de cinco transdutores de deslocamento (Figura 12). O ensaio era interrompido quando a estrutura produzia alguns estalos, indicando que as soldas entre as barras dos pilares e a chapa metlica de base rompiam-se, e o aumento da fora aplicada tornava-se impossvel (os deslocamentos cresciam sem a equivalncia da fora). A Figura 13 apresenta uma comparao geral entre os deslocamentos dos modelos (considerando o n do eixo da viga transdutor 1).

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

57

Obs.: Dimenses em cm18

39

1836

.5 7575

T-1

T-2

T-3

Pisto

T-4

T-5

Figura 12 - Esquemtico da instrumentao dos ensaios de flexo.

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0

(mm)

For

a (k

N)

P1-int P2-dano_loc P3-dano_gen P4-semi-rg

Figura 13 - Curvas dos deslocamentos dos prticos. Para todas as estruturas tambm foram construdos modelos computacionais visando a simulao desses ensaios de flexo (utilizando-se como base o programa desenvolvido por PAULA; 2001). Os resultados, de cada qual, so expostos em seqncia, indicando a rigidez admitida para os apoios. Inicialmente demonstrada a importncia de se considerar o apoio como ligao semi-rgida. A partir do prtico ntegro, calcularam-se os resultados admitido os apoios rgidos (Figura 14) e articulados (Figura 15). Nestas figuras tambm so includas as respostas lineares (seo homogeneizada).

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 (mm)

F (k

N)

experim.MazarsLinear

Figura 14 - Deslocamento do modelo ntegro considerando os apoios rgidos.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

58

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 (mm)

F (k

N)

experim.MazarsLinear

Figura 15 - Deslocamento do modelo ntegro considerando os apoios articulados. Percebe-se que considerar os apoios como rgidos um erro pois a curva experimental apresenta-se bem mais flexvel. Porm, admitir os apoios como articulados tambm no adequado. Verifica-se que a curva do modelo de Mazars cresce para valores muitos altos (na figura ela foi truncada para F = 20 kN). O correto no um extremo ou outro, mas simular as ligaes de base como semi-rgidas. A Figura 16 mostra que a curva no to satisfatria quando se adota uma rigidez constante mdia ( mK = 700 kN.m/rad). As Figuras 17 e 18 ilustram os resultados para os modelos de Mazars e La Borderie, respectivamente, tendo em vista os apoios com rigidez varivel (linearmente) entre os valores 1.050 e 500 kN.m/rad. A aderncia entre os valores experimentais e computacionais quase total.

PRTICO NTEGRO - Apoios Semi-Rgidos 700 kN.m/rad

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 (mm)

F (k

N)

experim.

Borderie

Figura 16 - Simulao do ensaio de flexo do P1 (La Borderie) rigidez constante.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

59

PRTICO NTEGRO - Apoios Semi-Rgidos 1050-500 kN.m/rad

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 (mm)

F (k

N)

experim.

Mazars

Figura 17 - Simulao do ensaio de flexo do P1 (Mazars).

PRTICO NTEGRO - Apoios Semi-Rgidos 1050-450 kN.m/rad

0,0

5,0

10,0

15,0

20,0

25,0

30,0

0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 (mm)

F (k

N)

experim.

Borderie

Figura 18 - Simulao do ensaio de flexo do P1 (La Borderie). Os ensaios computacionais dos outros prticos indicaram resultados similares. Pode-se concluir, assim, que os modelos de Mazars e La Borderie simulam adequadamente os fenmenos de danificao dos prticos, sendo imprescindvel a considerao da ligao como semi-rgida, diferentemente das idealizaes rgida ou articulada. De forma geral, o valor de rigidez determinado pelos ensaios estticos corresponderam a 1050 kN.m/rad, na fase de menor solicitao, a aproximadamente 450 kN.m/rad, para os valores mais altos de carga. A partir do clculo do valor absoluto da rigidez da ligao, faz-se a sua avaliao em termos do fator de rigidez (Tabela 6 e Figura 19). A ligao pertence Zona II, no incio, passando para a Zona I, com o aumento da solicitao.

Tabela 6 - Avaliao da rigidez da ligao pilar-fundao ensaios estticos Km

(kN.m/rad) ZONA PRTICO1.050 0,15 II 1 1.050 0,17 II 2, 3 e 4 450 0,07 I 1 450 0,08 I 2, 3 e 4

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

60

Fator de Rigidez

2 EI/L

Zona I

0,1

0,00,0

0,4

0,2

0,3

Zona II

0,20,1 0,3

1,1

0,8

0,7

0,5

0,6

1,0

0,9

1,4

1,2

1,3

1,50,5 EI/L

0,7

Zona III

0,4 0,5 0,6

Zona IV Zona V

0,8 0,9 1,0

6 EI/L 25 EI/L

Figura 19 - Avaliao da rigidez da ligao pilar-fundao ensaios estticos.

6 ENSAIOS DINMICOS

A Figura 20 ilustra o esquema do sistema de gerao do sinal de excitao, aquisio e processamento de dados utilizado nos ensaios dinmicos experimentais, sendo o centro das operaes o analisador espectral. Nesta figura, F refere-se ao sinal da fora aplicada, medida pelo transdutor; A significa o sinal da acelerao, medido pelos acelermetros; e V o sinal da excitao a ser aplicada estrutura. A Figura 21 retrata o sistema e a Figura 22 apresenta uma imagem dos ensaios.

Figura 20 - Esquema do sistema de aquisio e processamento.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

61

Figura 21 - Sistema de aquisio e processamento de dados.

Figura 22 - Ensaio dinmico com excitador. Para o clculo da rigidez da ligao, dois procedimentos distintos so empregados. O primeiro, chamado de Mtodo Indireto, consiste na determinao desta rigidez pela calibrao do modelo computacional, at que os parmetros modais resultem similares aos medidos nos testes experimentais. Isto feito empregando-se o cdigo ADINA, ADINA (2003). O segundo procedimento, designado de Mtodo Direto, baseia-se na leitura dos sinais do acelermetro e transdutor de fora, a partir da hiptese do desacoplamento dos modos no espao modal.

6.1 Ensaios experimentais

Os resultados dos ensaios experimentais, gerados na forma de FRFs (um exemplo exposto na Figura 23), possibilitam a determinao das freqncias naturais dos modelos. Na Tabela 7 indicam-se os valores obtidos para os prticos ntegro e com dano generalizado.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

62

Figura 22 - FRFs do Prtico ntegro medidas no n 3 (A32). Tabela 7 - Freqncias naturais dos prticos ntegro e com dano generalizado

PRTICO 1 (NTEGRO)

PRTICO 3 (DANO

GENERALIZADO) MODO FREQ. (Hz) MODO FREQ. (Hz)

1 16,9 1 10,6 2 49,4 2 37,5 3 82,5 3 66,2 4 133,8 4 112,5 5 210,6 5 180,4 6 248,1 6 227,8 7 263,1 7 250,8 8 291,3 8 300,9 9 342,0 9 331,6 10 384,6 11 434,8 12 456,0

6.2 Mtodo direto

Determinou-se as freqncias naturais e modos de vibrao para todos os modelos, alterando-se as rigidezes das molas rotacionais na base e verificando-se as influncias. Os valores adotados foram:

ZmK 900 kN.m/rad ZmK 3.000 kN.m/rad

XmK 550 kN.m/rad ZmK 700 kN.m/rad PRTICO 1 (NTEGRO) A Tabela 8 indica os resultados experimentais obtidos na fase anterior (Tabela 7a) e os computacionais. Nela h a indicao se o modo no plano xy ou se no plano transversal. Os valores adotados para a rigidez do apoio foram:

ZmK = 2.500 kN.m/rad

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

63

XmK = 550 kN.m/rad Tabela 8 - Freqncias naturais do prtico ntegro

PRTICO 1 (NTEGRO) EXPERIMENTAL COMPUTACIONAL

MODO FREQNCIA (Hz) PLANO FREQNCIA

(Hz) PLANO

1 16,9 Z 21,3 Z 2 49,4 Z 51,3 Z 3 82,5 XY 82,7 XY 4 133,8 Z 130,0 Z 5 210,6 XY 214,5 XY 6 248,1 Z 280,8 Z 7 263,1 Z 291,4 Z 8 291,3 Z 423,6 Z 9 342,0 Z 530,3 Z

10 554,6 XY PRTICO 3 (DANO GENERALIZADO) Para este modelo foram feitos dois conjuntos de ensaios. O primeiro, como o feito para os prticos anteriores, alterando-se as rigidezes das molas rotacionais. O segundo, avaliando-se a minorao da rigidez EI provocada pela fissurao prvia. Basicamente, foram dois tipos de fatores de minorao adotados: 1) Rigidez comum a todos os elementos (vigas e pilares): Neste caso, o mais relevante foi a adoo do valor 007,0 IE , conforme dita a NBR 6118 (2003). 2) Rigidezes diferentes para a viga (elemento mais fissurado) e pilares (elemento menos fissurado): Foram adotados os valores individuais preconizados pela NBR 6118 (2003):

004,0 IE para a viga (quando ss AA ), ou 005,0 IE (quando 'ss AA = ), e

008,0 IE para os pilares; diversas outras variaes. Os resultados apresentados na Tabela 9, mais assemelhados aos valores experimentais, relacionam-se s rigidezes: 0,6 E0 I0 = 19.126 MPa, para a viga 0,8 E0 I0 = 25.501 MPa, para os pilares Para as rigidezes dos apoios:

ZmK = 2.500 kN.m/rad

XmK = 550 kN.m/rad

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

64

Tabela 9 - Freqncias naturais do prtico 3 PRTICO 3 (DANO GENERALIZADO) EXPERIMENTAL COMPUTACIONAL

MODO FREQ. (Hz) PLANO FREQ. (Hz) PLANO 1 10,6 Z 19,7 Z 2 37,5 Z 42,9 Z 3 66,2 XY 70,1 XY 4 112,5 Z 100,0 Z 5 180,4 XY 164,1 XY 6 227,8 Z 217,4 Z 7 250,8 Z 240,6 Z 8 300,9 ? 335,5 Z 9 331,6 ? 397,6 Z

10 384,6 ? 425,5 XY 11 434,8 ? 486,6 Z 12 456,0 ? 524,4 XY

Constata-se que as primeiras freqncias so coerentes com as experimentais, e que aparentemente existem mais modos computacionais que experimentais (algumas freqncias coincidem, mas esto em posies diferentes na ordem listada). Com a considerao das vibraes transversais, e a imposio de apoios semi-rgidos, as freqncias computacionais aproximam-se muito das experimentais, sendo ilustradas na Figura 23 e na Figura 24 os valores de xyf1 e

xyf2 , respectivamente, para cada um dos modelos. Os resultados mais afinados

com os ensaios experimentais correspondem a: ZmK = 2.500 kN.m/rad e XmK = 550 kN.m/rad.

0102030405060708090

Prt.1 Prt.2 Prt.3 Prt.4a Prt.4b Prt.4c

Estrutura

freq

nc

ia f

1xy

Experimental Numrico

Figura 23 - Freqncias xyf1 experimental e numrica para os diferentes modelos.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

65

020406080

100120140160180200220

Prt.1 Prt.2 Prt.3 Prt.4a Prt.4b Prt.4c

Estruturafr

eq

ncia

f2x

yExperimental Numrico

Figura 24 - Freqncias xyf2 experimental e numrica para os diferentes modelos.

6.3 Mtodo direto

EWINS (2000) e MAIA et al. (1997) afirmam que uma das dificuldades da anlise modal experimental a medida da resposta ou da excitao rotacional. Segundo os autores, por muitos anos este problema foi tido como de soluo no-trivial. BREGANT; SANDERSON (2000) observam que a histria das medidas e da excitao de graus de liberdade rotacionais relativamente curta, quando comparadas aos graus de liberdade de translao, basicamente por dois motivos: a) eles no eram considerados importantes e no eram vistos como necessrios na construo do modelo de resposta da estrutura; e b) porque so mais difceis de medir, requerem mais esforo e possuem menos preciso. LOFRANO (2003) discute e aplica diversas tcnicas experimentais para a determinao de FRFs angulares com aplicaes em estruturas do tipo viga; procedimentos baseados em acelermetros piezeltricos, vibrmetros a laser e sensores dedicados. Entre as diversas proposies de soluo dos problemas, envolvendo transdutores ou excitadores especiais, h uma alternativa muito simples e baseada nos sensores e equipamentos convencionais. A tcnica consiste em usar um par de acelermetros uniaxiais colocados a uma pequena distncia um do outro, fixados estrutura, ou fixados a um acessrio auxiliar na forma de T, que solidarizado estrutura. Neste caso, torna-se necessrio um cuidado adicional em relao flexibilidade das barras em balano do acessrio, com vistas a pea comportar-se como um corpo rgido e no influencie, pelo seu prprio movimento, a resposta dos sensores. A Figura ilustra o esquema de construo do conjunto.

S S

x A x P x BP

P

xx A

P

P

P

S S

x B

Figura 25 - Arranjo para medio da resposta rotacional.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

66

Assume-se, por fim, a hiptese de se calcular a translao e a rotao do ponto P da estrutura pelas expresses.

2AB

Pxxx&&&&

&&+

= (3)

sxx AB

P 2&&&&&& = (4)

MAIA et al. (1997) advertem que um dos problemas associados a esta tcnica relaciona-se ao fato de que a diferena de acelerao dada pela eq. (4) pode ser da mesma ordem de grandeza dos erros e rudos inerentes medio dos dados. EWINS (2000) pondera, adicionalmente, que um dos grandes problemas deste procedimento que a amplitude do sinal devido aos movimentos de translao pode se sobrepor aos movimentos rotacionais. Por exemplo, a diferena de acelerao expressa na eq. (4), que corresponde usualmente de 1 a 2% dos valores individuais, podendo ser at inferior sensibilidade transversal dos acelermetros (sensibilidade cruzada), comprometendo a resposta que foi avaliada. Contudo, a despeito desta dificuldade, muitas aplicaes de sucesso tm sido realizadas com esta metodologia. Baseado nas ponderaes anteriores, planejou-se, neste trabalho, uma seqncia de procedimentos para a obteno da rigidez da ligao da forma direta, constituda dos seguintes passos: Fixao de acelermetros no pilar, um em cada lado, segundo as direes x e z , alternadamente (Figura 26). Tambm foram postos os sensores na chapa de base (apenas na direo x ) a fim de constatar a diferena de resposta; Excitao da estrutura com um sinal senoidal, de freqncia determinada; Medio da excitao imposta (fora) e das respostas dos acelermetros (acelerao) no domnio do tempo; Clculo das respostas dos sensores, em termos de deslocamento, no domnio do tempo. A expresso que relaciona a acelerao e o deslocamento de cada

acelermetro dada por 2=

xx&&

, onde a freqncia da excitao imposta (em

rad/s);

Clculo do ngulo de rotao do pilar sx

2

= , onde x o deslocamento relativo

entre os dois acelermetros, e s2 a distncia entre eles; Clculo do momento M na base do pilar, diretamente proporcional amplitude da fora de excitao e do seu ponto de aplicao, e tambm considerando o fator de amplificao dinmica ( D ) funo da freqncia natural, freqncia de excitao e do amortecimento estrutural;

Clculo da rigidez flexo K pela expresso

=MK , onde M o momento aplicado

na base do pilar, e o ngulo de rotao calculado no passo anterior.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

67

Figura 26 - Posicionamento dos acelermetros nas laterais do pilar. O prtico fissurado ser adotado como exemplo de clculo, consideradas a excitao na direo x e as respostas na direo y . A Figura 27 mostra o sinal dos acelermetros, em g , e a Figura 28 apresenta esta resposta convertida em

deslocamento, na unidade de metros, atravs da expresso 2=

xx&&

. Ressalte-se que

o intervalo de tempo apresentado nos grficos corresponde a 0,1 s (1 a 1,1 s) meramente para facilitar a visualizao das curvas, mas o perodo total de amostragem foi superior (cerca de 1,6 s e aps realizada as diversas aquisies para o clculo da mdia). No caso em questo, = 420,97 rad = 2 67 Hz. excf = 67 Hz foi a freqncia configurada para a gerao do sinal senoidal pelo excitador.

Figura 27 - Resposta dos acelermetros (em g).

acelermetro

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

68

Figura 28 - Resposta dos acelermetros (em m). Calcula-se o deslocamento relativo entre os acelermetros pelos picos da curva apresentada na Figura 28 e determina-se a rotao em relao posio original, considerando a distncia s2 entre eles. x = 7,60 10-6 m (tomando-se os valores mdios de pico) s2 = 1,94 10-1 m resulta: = 3,918 10-5 rad A Figura 29 ilustra o sinal medido da fora de excitao. Neste caso, excf = 67 Hz, sendo 1f = 67,5 Hz, determinada pelo ensaio de varredura.

Figura 29 - Excitao senoidal imposta. F = 33,4 N (amplitude mxima da fora aplicada). Calcula-se, em seguida, o momento dinmico na ligao: Pela anlise esttica da estrutura: F = 1 N M = 0,1392 N.m, considerando molas nas ligaes com K = 2.500 kN.m/rad e uma rigidez frao da bruta, em funo da fissurao. Assim, tem-se: M = 4,65 N.m (momento na base do pilar)

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

69

Levando em conta: excf = 67 Hz 1f = 67,5 Hz = 2,30 % (determinado pelo mtodo Multi-Modos de identificao dos parmetros) chega-se a: D = 20,84 (fator de amplificao dinmico) e da: dinM = 96,89 N.m (momento dinmico na base do pilar = MD ) Com D = 20,84 e a Figura 29, obtm-se a curva de dinM na base do pilar (Figura 30).

Figura 30 - Momento dinM na base do pilar. A partir dos valores do momento e da rotao, determina-se: mZK = /dinM

mZK = 510918,3/89,96

mZK = 2.473 kN.m/rad Semelhante ao valor de rigidez encontrado no mtodo indireto, via calibrao do modelo de elementos finitos. Os demais valores de rigidez, para o outro prtico e para a direo Z, alm de suas correlaes em relao ao fator de rigidez , so indicados nas Tabelas 10 e 11. Nas tabelas so adotados tambm diferentes valores para as taxas de amortecimento (), calculadas pelo mtodo do decremento logartmico (DL) e pelo mtodo multi-modos (MM). Lembra-se que as rigidezes encontradas pelo mtodo indireto calibrao do modelo numrico so:

ZmK = 2.500 kN.m/rad

XmK = 550 kN.m/rad

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

70

Tabela 10 - Valores da rigidez KmZ determinados pelo mtodo direto PRTICO

(DIREO) (em %)

(MTODO) KmZ

(kN.m/rad)

2,4 (MM) 1.817 0,23 NTEGRO (XY) 1,75 (DL) 2.492 0,29

2,3 (MM) 2.473 0,32 FISSURADO (XY) 1,48 (DL) 3.609 0,41

Obs. Referncia ZmK = 2.500 kN.m/rad (NTEGRO: = 0,30; FISSURADO: = 0,32)

Tabela 11 - Valores da rigidez KmX determinados pelo mtodo direto PRTICO

(DIREO) (em %)

(MTODO) KmX

(kN.m/rad)

2,1 (MM) 421 0,26 NTEGRO (Z) 1,75 (DL) 505 0,30

1,8 (MM) 272 0,21 FISSURADO (Z) 1,75 (DL) 330 0,24

Obs. Referncia ZmK = 550 kN.m/rad (NTEGRO: = 0,30; FISSURADO: = 0,33)

Os valores da rigidez da ligao, calculados pelo mtodo direto, apresentam-se similares queles determinados pelo mtodo indireto. Esta semelhana torna-se mais evidente quando se analisa o coeficiente de rigidez , o qual d uma medida mais precisa do que o nmero absoluto. A Figura 31 indica o intervalo no qual recai a rigidez ZmK calculada.

Fator de Rigidez Zona IIZona I Zona III Zona IV Zona V

1,2

0,5

0,2

0,00,0

0,1

0,3

0,4

0,1 0,2

0,7

0,6

0,8

1,0

0,9

1,1

1,5

1,3

1,4

0,5 EI/L

0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0

6 EI/L2 EI/L 25 EI/L

Figura 31 - Regio dos valores de ZmK .

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

71

7 CONCLUSES

Os estudos e ensaios realizados indicaram, para a rigidez da ligao de base, os seguintes valores: 1) Modelos analticos

ZmK = 2.000 a 3.000 kN.m/rad ( = 0,25 a 0,36) 2) Ensaios estticos

ZmK = 1.050 (a 500) kN.m/rad ( = 0,17 a 0,08) 3) Ensaios dinmicos (processo indireto calibrao do modelo)

ZmK = 2.500 kN.m/rad ( = 0,32)

XmK = 550 kN.m/rad ( = 0,33) 4) Ensaios dinmicos (processo direto avaliao dos sinais)

ZmK = 1.800 a 3.600 kN.m/rad ( = 0,23 a 0,41)

XmK = 270 a 505 kN.m/rad ( = 0,20 a 0,31) Os resultados dos ensaios dinmicos, sejam pelo processo direto ou indireto, para a rigidez ZmK ou XmK , assemelham-se bastante. Tais diferenas podem se maximizadas ou minimizadas com a alterao dos parmetros utilizados, destacando-se uma forte sensibilidade no processo direto. Todavia, empregando-se o fator de rigidez , percebe-se que todos os clculos e aquisies referenciam uma ligao essencialmente dentro da Zona II (semi-rgida com baixa resistncia flexo; 40,014,0 ). Ou seja: qualitativamente, a ligao possui a mesma caracterstica, independentemente do seu valor absoluto ter apresentado significativas diferenas entre os diversos modelos e ensaios. Os modelos constitutivos de Mazars e La Borderie mostram-se adequados para a simulao de estruturas de concreto, submetidas a cargas estticas e dinmicas. To importante quanto a teoria empregada nos modelos, a definio correta dos vnculos. Importa que os trabalhos futuros sobre as ligaes semi-rgidas, ou os estudos sobre o estado de fissurao de elementos e/ou estruturas, contemplem os ensaios dinmicos e a melhor definio do comportamento do material (especialmente se for o concreto). Relativamente s pesquisas j encerradas, pode-se empregar estas ferramentas, caso tenha-se a inteno de revisit-las. Os ensaios numricos, quando utilizados para a validao de resultados experimentais, no devem prescindir do estudo das condies de contorno e da correta caracterizao do material com ensaios controlados. necessrio, assim, que os estudiosos desta linha de pesquisa enveredem tambm pela experimentao fsica.

8 AGRADECIMENTOS

Aos colegas Engs. Leopoldo Oliveira, Marcelo Ferreira e Francisco Adriano de Arajo, e Prof. Associado Paulo Srgio Varoto, que muito ajudaram em diferentes etapas das anlises experimentais e computacionais. A UFRN e CAPES, pelo sustento financeiro, sem o qual esta pesquisa no poderia ter sido realizada, e a FAPESP pela outorga de recursos do projeto de pesquisa aprovado.

Petrus Gorgnio Bulhes da Nbrega & Joo Bento de Hanai

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

72

9 REFERNCIAS

ADINA System On Line Manuals - Release 8.0.2. ADINA R&D Inc., 2003.

BJORHOVDE, R.; COLSON, A.; BROZZETTI, J. Classification system for beam-to-column connections. Journal of Structural Engineering, v. 116, n. 11, p.3059-3077, 1990.

BREGANT, L.; SANDERSON, M. Rotational degree of freedom: a historical overview on techniques and methods. In: INTERNATIONAL SEMINAR ON MODAL ANALYSIS, ISMA, 25, Leuven, Blgica, 2000. Proceedings 1 CD-ROM.

EL DEBS, M. K. Concreto pr-moldado: fundamentos e aplicaes. So Carlos: EESC-USP, 2000.

EUROCODE 3. prEN 1993-1-8. Design of steel structures. Part 1-8 Design of joints. European Commitee for Standardization, CEN, Brussels. 2000.

EUROPEAN COOPERATION IN THE FIELD OF SCIENTIFIC AND TECHNICAL RESEARCH, (COST 1). Control of the semi-rigid behaviour of civil engineering structural connections. In: INTERNATIONAL CONFERENCE. Sep., 1998. Proceedings Lige, European Union Publication, 1999.

EUROPEAN COOPERATION IN THE FIELD OF SCIENTIFIC AND TECHNICAL RESEARCH, (COST 1). Control of the semi-rigid behaviour of civil engineering structural connections. Final Report Nov., 1999. Brussels: European Union Publication, 2000. p. 13-29.

EWINS, D. J. Modal testing: theory, practice and application. 2. ed. RSP: 2000.

FERREIRA, M. A. (1993). Estudo de deformabilidades de ligaes para anlise linear em prticos planos de elementos pr-moldados de concreto. So Carlos. Dissertao (Mestrado) - Escola de Engenharia de So Carlos - Universidade de So Paulo.

FERREIRA, M. A.; EL DEBS, M. K.; ELLIOTT, K. S. Modelo terico para projeto de ligaes semi-rgidas em estruturas de concreto pr-moldado. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, 44., Belo Horizonte, 2002. Anais 1 CD-ROM.

JOHAL, L. S.; JENNY, D. P.; FATTAH SAIKH, A. Impact of past research and future research needs of the precast and prestressed concrete industry. PCI Journal, p.52-59, Nov./Dec., 1991.

LOFRANO M. (2003). Tcnicas para estimativa de FRFs angulares em anlise modal experimental com aplicaes a estruturas do tipo viga. So Carlos. Dissertao (Mestrado) - Escola de Engenharia de So Carlos - Universidade de So Paulo.

MAIA, N. M. M.; SILVA, J. M. M. Theoretical and experimental modal analysis. RSP - John Wiley, 1997.

MARTIN, L. D. Background and discussion on PCI design handbook second edition. PCI Journal, p. 24-41, Jan./Feb., 1980.

Avaliao dinmica experimental e numrica das ligaes de base de estruturas de concreto...

Cadernos de Engenharia de Estruturas, So Carlos, v. 8, n. 35, p. 47-73, 2006

73

NAKAKI, S. D.; STANTON, J. F.; SRITHARAN, S. An Overview of the PRESSS Five-Story Precast Test Building. PCI Journal, v. 44, n. 2, p.26-39, Mar./Apr., 1999.

NETHERCOT, D. A.; LI, T. Q.; AHMED, B. Unified classification system for beam-to-column connections. Journal Construct. Steel Research, v. 45, n. 1, p. 39-65, 1998.

NEVILLE, A. Propriedades do concreto. 2 ed. So Paulo: Pini, 1997.

NBREGA, P. G. B. (1994). Auto-sincronizao de motores no-ideais apoiados em estruturas elsticas. So Carlos. Dissertao (Mestrado) - Escola de Engenharia de So Carlos - Universidade de So Paulo.

NBREGA, P. G. B. (2004). Anlise dinmica de estruturas de concreto: estudo experimental e numrico das condies de contorno de estruturas pr-moldadas. So Carlos. Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de So Carlos - Universidade de So Paulo.

PAULA, C. F. (2001). Contribuio ao estudo das respostas numricas no-lineares esttica e dinmica de estruturas reticuladas planas. So Carlos. Tese (Doutorado) - Escola de Engenharia de So Carlos - Universidade de So Paulo.

PCI PRECAST / PRESTRESSED CONCRETE INSTITUTE. PCI design handbook. 5. ed. 2001. 1 CD-ROM.

PCI PRESTRESSED CONCRETE INSTITUTE. Design and typical details of connections for precast and prestressed concrete. 2. ed. Chicago: PCI, 1988.

PRIESTLEY, M. J. N. et al. Preliminary results and conclusions from the PRESS five-story precast concrete test building. PCI Journal, v. 44, n. 6, p.42-67, Nov./Dec., 1999,

STANTON, J. F.; ANDERSON, R. G.; DOLAN, C.; McCLEARY, D. E. Moment resistant connections and simple connections. PCI SPECIAL RESEARCH PROJECT N 1/ 4, PRECAST /PRESTRESSED CONCRETE INSTITUTE. Chicago: 1986. 436 p.