ALERO2018 Analista Legislativo - Assistência Social (NS204 ... · Analista Legislativo -...

of 20 /20

Embed Size (px)

Transcript of ALERO2018 Analista Legislativo - Assistência Social (NS204 ... · Analista Legislativo -...

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 3

Lngua Portuguesa

Texto 1.

Observao

Vivemos to apressados que estamos perdendo a habilidade de observar detalhadamente o que nos cerca. Por outro lado, somos to bombardeados por imagens e por estmulos visuais que, para nos proteger do excesso, aprendemos a no perceber o que est em volta, aprendemos a nos proteger. Por isso, a propaganda fica cada vez mais agressiva. Os produtos precisam, a qualquer custo, chamar a ateno do possvel comprador, at que sejamos capazes de ver sem olhar. Ou seja, mesmo sem estarmos interessados, no podemos escapar de perceber uma imagem de propaganda.

Isso nos tem levado autoproteo ou a uma atitude passiva, j que no preciso fazer nenhum esforo, pois a propaganda e as imagens se encarregam de nos invadir.

Entretanto, para apreciar a arte e saber ler imagens, uma primeira habilidade que precisamos renovar, estimular e desenvolver a observao. Ela deve deixar de ser passiva para tornar-se ativa, voluntria: observo o que quero, porque quero, como quero, da forma que quero, quando quero observar.

Se pedirmos a um amigo que descreva algum, ele pode dizer genericamente: alto, magro, de meia-idade: ou ento ser bem especfico: tem aproximadamente 1 metro e oitenta, magro, est vestido com uma cala azul, camisa branca, tnis, jaqueta de

couro marrom, tem cabelos escuros, encaracolados, curtos, olhos

azuis, usa costeletas, tem um sinal escuro do lado direito do rosto

e cerca de 40 anos.

Essa segunda descrio mais detalhada e demonstra mais observao. Naturalmente, se eu estiver procurando tal pessoa, a partir dessa descrio detalhada, posso encontr-la com mais facilidade.

OLIVEIRA, J. e GARCEZ, L. Explicando a Arte. Ed. Nova Fronteira. 2001.

1

Assinale a opo que indica o objetivo principal do texto.

(A) Valorizar a arte em nossa vida cotidiana.

(B) Ensinar como escapar da propaganda enganosa.

(C) Explicar o meio de funcionamento da publicidade.

(D) Destacar a importncia da observao das imagens.

(E) Fazer com que a propaganda seja mais bem considerada.

2

Em todas as opes a seguir foram sublinhadas oraes. Indique aquela que tem seu valor semntico corretamente indicado.

(A) Vivemos to apressados que estamos perdendo a habilidade de observar detalhadamente o que nos cerca. / consequncia.

(B) Por outro lado, somos to bombardeados por imagens e por estmulos visuais que, para nos protegermos do excesso, aprendemos a no perceber muito o que est em volta, ... / explicao.

(C) Por isso a propaganda fica cada vez mais agressiva. / concluso.

(D) Os produtos precisam, a qualquer custo, chamar a ateno do possvel comprador, at que sejamos capazes de ver sem olhar. / proporo.

(E) Ou seja, mesmo sem estarmos interessados, no podemos escapar de perceber uma imagem de propaganda. / causa.

3

Ela deve deixar de ser passiva para tornar-se ativa, voluntria: observo o que quero, porque quero, como quero, da forma que quero, quando quero observar.

O trecho acima fala de vrios aspectos da observao; assinale a opo que apresenta o aspecto cujo valor semntico est explicitado erradamente.

(A) o que quero / o objetivo.

(B) porque quero / a explicao.

(C) como quero / o meio.

(D) da forma que quero / o modo.

(E) quando quero observar / o tempo.

4

Em todos os segmentos a seguir, retirados do texto 1, h um conector sublinhado.

Indique o substituto correto dentre os que so indicados, supondo-se adaptaes das frases.

(A) Por outro lado, somos to bombardeados por imagens ... / Assim.

(B) ...para nos proteger do excesso / apesar de.

(C) Por isso, a propaganda fica cada vez mais agressiva / Visto que.

(D) mesmo sem estarmos interessados / embora.

(E) j que no preciso fazer nenhum esforo / logo.

5

Ela deve deixar de ser passiva para tornar-se ativa; a relao de oposio entre as duas palavras sublinhadas se repete em

(A) cuidadosa / displicente.

(B) demorada / lenta.

(C) superficial / desimportante.

(D) afetiva / sentimental.

(E) produtiva / reprodutiva.

6

Segundo o texto, a propaganda se torna mais agressiva porque

(A) deve intensificar o bombardeio sobre os consumidores.

(B) procura opor-se autoproteo dos clientes.

(C) pretende vender os produtos anunciados.

(D) deseja sobrepor-se aos concorrentes.

(E) tenta chegar ao pblico-alvo ideal.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 4

7

Por outro lado, somos to bombardeados por imagens e por estmulos visuais que, para nos proteger do excesso, aprendemos a no perceber o que est em volta, aprendemos a nos proteger. Por isso, a propaganda fica cada vez mais agressiva. Os produtos precisam, a qualquer custo, chamar a ateno do possvel comprador, at que sejamos capazes de ver sem olhar. Ou seja, mesmo sem estarmos interessados, no podemos escapar de perceber uma imagem de propaganda.

Esse segmento do texto nos mostra um conjunto de caractersticas do texto publicitrio. A caracterstica que no est presente nesse segmento a de que o texto publicitrio deve

(A) dirigir-se ao comprador potencial do produto anunciado.

(B) produzir mensagens subliminares.

(C) convencer os compradores a adquirirem o produto.

(D) criar interesse pelos produtos indicados.

(E) mudar a ideologia social dos clientes.

8

Os produtos precisam, a qualquer custo, chamar a ateno do possvel comprador, at que sejamos capazes de ver sem olhar.

O segmento ver sem olhar mostra

(A) um erro gramatical.

(B) uma incoerncia lgica.

(C) uma expresso popular.

(D) uma citao intertextual.

(E) uma repetio desnecessria.

9

Assinale a opo que apresenta o segmento do texto em que a incluso, a mudana de posio ou a retirada de uma vrgula altera o sentido do texto.

(A) Por outro lado, somos to bombardeados por imagens... / Por outro lado somos to bombardeados por imagens.

(B) Por isso, a propaganda fica cada vez mais agressiva. / Por isso a propaganda fica cada vez mais agressiva.

(C) Por isso, a propaganda fica cada vez mais agressiva. / Por isso a propaganda fica cada vez mais, agressiva.

(D) Vivemos to apressados que estamos perdendo a habilidade de observar ... / Vivemos to apressados, que estamos perdendo a habilidade de observar.

(E) ...a habilidade de observar detalhadamente o que nos cerca. / a habilidade de observar, detalhadamente, o que nos cerca.

10

Entretanto, para apreciar a arte e saber ler imagens, uma primeira habilidade que precisamos renovar, estimular e desenvolver a observao.

Se transformarmos as oraes reduzidas sublinhadas em oraes desenvolvidas, as formas adequadas sero:

(A) para que apreciemos a arte e saibamos ler imagens.

(B) para que aprecissemos a arte e soubssemos ler imagens.

(C) para que tivssemos apreciado a arte e sabermos ler imagens.

(D) para a apreciao da arte e a sabedoria de ler imagens.

(E) Para apreciarmos a arte e sabermos ler imagens.

11

O penltimo pargrafo do texto traz exemplos de textos descritivos. A caracterstica determinante desse modo de organizao textual

(A) o fornecimento de informaes.

(B) a apresentao de diferentes pontos de vista.

(C) o relato de fatos em sucesso cronolgica.

(D) a tentativa de convencimento do leitor.

(E) a indicao de dados de um objetivo.

12

Uma das classes de palavras mais frequentes em descries a dos adjetivos que podem indicar estados, caractersticas, qualidades ou relaes.

Os adjetivos predominantes nos segmentos descritivos so os indicadores de

(A) qualidade.

(B) estado.

(C) trao psicolgico.

(D) caracterstica.

(E) relao.

13

Essa segunda descrio mais detalhada e demonstra mais observao. Naturalmente, se eu estiver procurando tal pessoa, a partir dessa descrio detalhada, posso encontr-la com mais facilidade.

Nesse pargrafo do texto h trs ocorrncias do vocbulo mais. Sobre essas ocorrncias, assinale a afirmativa correta.

(A) Os trs vocbulos pertencem a trs classes diferentes.

(B) Os trs vocbulos pertencem mesma classe gramatical.

(C) As duas ltimas ocorrncias documentam a classe dos pronomes.

(D) As duas primeiras ocorrncias documentam a classe dos advrbios.

(E) A segunda ocorrncia documenta uma classe gramatical diferente das demais.

14

Essa segunda descrio mais detalhada e demonstra mais observao. Naturalmente, se eu estiver procurando tal pessoa, a partir dessa descrio detalhada, posso encontr-la com mais facilidade.

Assinale o termo desse fragmento do texto que no estabelece qualquer ligao coesiva com um termo antecedente.

(A) Essa segunda descrio.

(B) tal pessoa.

(C) dessa descrio detalhada.

(D) la.

(E) mais facilidade.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 5

Raciocnio Lgico

15

Os nmeros x+1, 2x-1 e x+5, nessa ordem, so os trs primeiros termos de uma progresso aritmtica. O quarto termo dessa progresso aritmtica

(A) 11.

(B) 10.

(C) 9.

(D) 8.

(E) 7.

16

Pedro e Paulo possuem, respectivamente, R$ 2.546,00 e R$ 3.748,00. Para que fiquem com exatamente a mesma quantia, Paulo deve dar a Pedro

(A) R$ 3.147,00.

(B) R$ 1.202,00.

(C) R$ 1.198,00.

(D) R$ 894,00.

(E) R$ 601,00.

17

Trs analistas analisam doze processos em dois dias. Com a mesma eficincia, em quantos dias dois analistas analisaro vinte e quatro processos?

(A) Doze.

(B) Dez.

(C) Oito.

(D) Seis.

(E) Quatro.

18

Em um determinado dia, uma ao da bolsa de valores desvalorizou 4%. No dia seguinte, essa mesma ao valorizou 4%. Ao final desses dois dias, em relao ao valor inicial, essa ao

(A) no valorizou nem desvalorizou.

(B) valorizou 0,04%.

(C) desvalorizou 0,04%.

(D) valorizou 0,16%.

(E) desvalorizou 0,16%.

19

A negao lgica da sentena Se como demais, ento passo mal

(A) Se no como demais, ento no passo mal.

(B) Se no como demais, ento passo mal.

(C) Como demais e no passo mal.

(D) No como demais ou passo mal.

(E) No como demais e passo mal.

20

Considere a sentena a seguir.

Se nasci em Rondnia ou Roraima, ento sou brasileiro.

Assinale a opo que apresenta uma sentena logicamente equivalente sentena dada.

(A) Se no nasci em Rondnia nem em Roraima, ento no sou brasileiro.

(B) Se nasci em Rondnia, ento sou brasileiro.

(C) Se no nasci em Roraima, ento no sou brasileiro.

(D) Se no sou brasileiro, ento no nasci em Rondnia nem em Roraima.

(E) Se sou brasileiro e no nasci em Rondnia, ento nasci em Roraima.

21

Em um grupo de 10 deputados, 6 so do Partido A e 4 so do Partido B. Sero sorteados 2 desses 10 deputados, aleatoriamente.

A probabilidade de os 2 deputados sorteados serem do Partido B

(A) 5

1.

(B) 5

2.

(C) 3

2.

(D) 9

2.

(E) 15

2.

22

O presidente e o vice-presidente de uma comisso sero escolhidos entre os 10 deputados do Partido X e os 6 deputados do Partido Y. Os Partidos acordaram que os dois cargos no podero ser ocupados por deputados de um mesmo Partido.

O nmero de maneiras diferentes de se escolher o presidente e o vice-presidente dessa comisso,

(A) 16.

(B) 32.

(C) 60.

(D) 64.

(E) 120.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 6

23

Em uma caixa h N bolas, das quais 8% so brancas e as demais so pretas. Retiram-se da caixa certo nmero de bolas pretas, de tal forma que agora as bolas brancas representam 40% das bolas que esto na caixa.

O nmero de bolas pretas que foram retiradas da caixa representa

(A) 80% de N.

(B) 60% de N.

(C) 50% de N.

(D) 40% de N.

(E) 32% de N.

24

Em uma sequncia de nmeros, para quaisquer trs termos consecutivos x, y, z vale a relao z = 3y x.

Se o 18 termo dessa sequncia 2 e o 20 termo 10, ento o 14 termo

(A) 2.

(B) 4.

(C) 10.

(D) 16.

(E) 26.

Legislao Especfica

25

Com relao organizao do Estado, analise as afirmativas a seguir.

I. Regies Metropolitanas podero ser criadas por meio de lei ordinria, que estabelecer a forma pela qual integraro a organizao, o planejamento e a execuo das funes pblicas de interesse comum.

II. Lei disciplinar o procedimento por meio do qual o Estado poder realizar a cesso de uso de bens que lhe pertenam.

III. O Estado manter, na forma fixada por lei complementar, um fundo de melhoria das estncias tursticas, que forem criadas tambm por lei complementar, para desenvolver programas de urbanizao, melhorias e proteo ambiental.

Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) II, apenas.

(C) I e II, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

26

As opes a seguir apresentam funes inseridas dentro da competncia do Estado de Rondnia, exceo de uma. Assinale-a.

(A) Legislar sobre o cumprimento da Constituio Estadual.

(B) Criar, organizar e administrar os servios do Estado.

(C) Elaborar planos regionais de ordenao do territrio.

(D) Instituir e arrecadar tributos de sua competncia.

(E) Estimular e organizar a atividade econmica.

27

O Prefeito do Municpio mega nomeou, como Secretria de Ao Social do Municpio, sua cunhada, Rosa Lima. Nomeou, ainda, para a funo de assessor jurdico da Prefeitura, seu sobrinho, Lionel Batista, advogado, que funcionrio efetivo da Prefeitura.

Sobre essas nomeaes, assinale a afirmativa correta. (A) Ambas as nomeaes devem ser consideradas nulas, em

funo da ocorrncia de nepotismo.

(B) Ambas as nomeaes so lcitas e permanecem hgidas, j que a primeira para cargo poltico, de governo, e a segunda de servidor efetivo, profissionalmente habilitado.

(C) Deve prevalecer apenas a nomeao da cunhada, que no possui grau de parentesco com o Prefeito.

(D) Deve prevalecer apenas a nomeao do sobrinho, j que este possui cargo efetivo e prestou concurso pblico.

(E) Nenhuma das nomeaes deve ser admitida, posto que atentam contra o princpio da moralidade pblica.

28

Com relao ao Plano de Carreira, Cargos e Remunerao (PCCR) dos servidores pblicos do Estado de Rondnia, assinale a afirmativa correta.

(A) O PCCR/RO est vinculado s estratgias administrativas de carter discricionrio propostas pela Assembleia Legislativa do Estado de Rondnia.

(B) O Plano de Carreira, Cargos e Remunerao foi elaborado de forma tcnica, centralizada, sendo apresentado aos servidores para a implementao respectiva.

(C) O PCCR/RO est fundamentado em processo de reestruturao das carreiras, dos cargos e da poltica de remunerao implantados;

(D) O PCCR/RO tem por diretriz estabelecer o desenvolvimento da carreira com base no tempo de servio do servidor.

(E) O PCCR/RO tem foco na gesto horizontal e cardica, em que cada funcionrio exercita a prpria chefia, propondo e cumprindo as prprias metas.

29

As opes a seguir apresentam requisitos bsicos para a investidura em cargo pblico no Estado de Rondnia, exceto uma. Assinale-a.

(A) Estar em pleno gozo de seus direitos polticos.

(B) Estar quites com suas obrigaes eleitorais.

(C) Ter idade mnima de 21 anos.

(D) Estar quites com suas obrigaes militares.

(E) Ter nacionalidade brasileira.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 7

30

Maria de Souza prestou concurso para o cargo pblico de enfermeira junto secretaria de sade do Estado de Rondnia, tendo obtido o 4 lugar no certame. O edital mencionava haver quatro vagas, mas Maria no chegou a ser convocada, tendo expirado o prazo do certame.

Sobre o caso narrado, assinale a afirmativa correta.

(A) H direito de Maria de Souza nomeao, j que foi aprovada dentro do nmero de vagas do edital.

(B) No existe direito adquirido nomeao, por que o Estado tem o poder discricionrio de nomear ou no os aprovados.

(C) O direito de Maria o da observncia da ordem de aprovao no certame, no o de ser nomeada.

(D) Maria tem direito nomeao, tanto que o Estado revalide o resultado do concurso pblico.

(E) O concurso perdeu validade, porque o prazo do edital expirou e Maria no pode mais ser nomeada.

31

Assinale a opo que apresenta um rgo da estrutura organizacional da Assembleia Legislativa do Estado de Rondnia.

(A) Secretaria de Imprensa.

(B) Corregedoria do Tribunal de Contas.

(C) Gabinete da Liderana do Governo.

(D) Procuradoria Geral do Ministrio Pblico.

(E) Superintendncia do Tribunal Eleitoral.

32

Com relao ao sistema de gesto de desempenho do servidor da Assembleia Legislativa do Estado de Rondnia, que esteja no exerccio de cargo de provimento efetivo, analise as afirmativas a seguir.

I. utilizado de forma intermitente e pontual para avaliao da eficincia e eficcia do trabalho executado pelo servidor.

II. Tem por objetivo propiciar a melhoria das relaes e as condies de trabalho.

III. utilizado para acompanhar o desempenho funcional do servidor, sancionando eventuais falhas.

Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) II e III, apenas.

(D) II, apenas.

(E) III, apenas.

Histria e Geografia de Rondnia

33

Os fragmentos a seguir descrevem negociaes diplomticas ocorridas no processo de constituio da fronteira ocidental do Imprio portugus.

I - Assegura o domnio e a soberania territorial da Coroa

Portuguesa sobre as regies americanas compreendidas entre

os rios Amazonas e Oiapoque, fixando os limites entre Frana

e Portugal na regio da Guiana.

II - Adota o princpio da "ocupao efetiva" e garante o controle

luso de rios existentes na capitania de Mato Grosso, no vale

do Guapor, regio que daria acesso, atravs do rio Guapor

e demais rios amaznicos, ao Estado do Gro-Par e

Maranho.

Os fragmentos exemplificam, respectivamente, os Tratados de

(A) Tordesilhas e Utrecht.

(B) El Pardo e Santo Ildefonso.

(C) Madri e El Pardo.

(D) Santo Ildefonso e Tordesilhas.

(E) Utrecht e Madri.

34

No sculo XVIII, a descoberta de minas de ouro no centro-oeste da colnia portuguesa promoveu

(A) a ocupao de zonas centrais da Capitania de Mato Grosso, em torno das misses e fazendas dos jesutas j existentes, que serviram de apoio para o comrcio local.

(B) a imigrao de portugueses e bandeirantes para a Capitania de Mato Grosso e a fundao de duas vilas, a Vila de Cuiab e a Vila Bela da Santssima Trindade.

(C) a integrao dos indgenas sociedade colonial, mediante as oportunidades de trabalho nos garimpos e pelo incremento na comercializao das drogas do serto.

(D) a instalao de casas de fundio, para controlar a circulao de ouro e de prata na regio, e a criao do Forte do Prncipe da Beira, para impedir o contrabando de metais preciosos.

(E) a criao da Capitania de Mato Grosso e Cuiab, em terras desmembradas da Capitania de Minas Gerais, oferecendo sesmarias para os colonos, a fim de favorecer sua ocupao.

35

Entre 1907 e 1915, Cndido Rondon comandou a Comisso de Linhas Telegrficas Estratgicas do Mato Grosso ao Amazonas.

A respeito dessa iniciativa, assinale a afirmativa correta.

(A) Estendeu a linha telegrfica entre Campo Grande e Santo Antnio do Madeira, superando o isolamento da regio.

(B) Contribuiu para a formao de povoados, como Marco Rondon, Cacoal, Colorado do Oeste e Rolim de Moura.

(C) Complementou o telgrafo com rdios de poste, para maior alcance social na transmisso de informaes.

(D) Incluiu o levantamento topogrfico e a demarcao de fronteiras, alm de pesquisas etnogrficas, lingusticas e geolgicas.

(E) Integrou os "sertes do noroeste" ao sistema produtivo nacional, abrindo linhas de escoamento para a borracha.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 8

36

Sobre a criao do Territrio Federal do Guapor, em 1943, assinale a afirmativa correta.

(A) Deu-se por Decreto-lei, para demarcar reas de fronteira consideradas estratgicas para a segurana nacional.

(B) Ocorreu mediante consulta populao por plebiscito, com vistas abertura de novas fronteiras de colonizao.

(C) Processou-se por meio da ao legislativa da Assembleia Estadual, favorecendo a ocupao dos sertes do "Brasil interior".

(D) Deu-se por iniciativa de interventores do Estado Novo, como parte do programa de ocupao de regies limtrofes despovoadas.

(E) Ocorreu por determinao do Exrcito, preocupado com fluxos migratrios e contrabando na fronteira amaznica brasileira.

37

A respeito da colonizao da Amaznia enquanto poltica de Estado no perodo da Ditadura Militar (1964-1985), relacione as iniciativas estatais, listadas a seguir, respectiva descrio de seus objetivos.

1. SUDAM (Superintendncia de Desenvolvimento da Amaznia), em 1966.

2. PIN (Programa de Integrao Nacional), em 1970.

3. PICs (Projetos Integrados de Colonizao), entre 1970-75.

4. POLAMAZNIA (Programa de Polos Agropecurios e Agro minerais da Amaznia), em 1974.

( ) Induzir a alocao de colonos do centro-sul em lotes prximos a estradas vicinais e escolas, alm de fornecer assistncia em sade, educao e orientao tcnica.

( ) Estabelecer incentivos fiscais para atrair investidores privados, nacionais e internacionais que financiassem o desenvolvimento econmico na regio.

( ) Assentar camponeses nordestinos em lotes de 100 ha ao longo das rodovias em construo, a Transamaznica e a Cuiab-Santarm.

( ) implantar polos agrcolas regionais para incentivar a fixao populacional em reas de minerao e de interesse estratgico.

Assinale a opo que apresenta a sequncia correta, segundo a ordem apresentada.

(A) 1, 2, 3 e 4.

(B) 1, 3, 4 e 2.

(C) 2, 4, 1 e 3.

(D) 3, 1, 2, e 4.

(E) 4, 2, 3 e 1.

38

Em 1960, durante o governo de Juscelino Kubitschek, o antigo

trajeto da Comisso Rondon serviu de guia para a construo da

BR-364, ligando Cuiab a Porto Velho e Rio Branco. Os projetos de

colonizao da dcada de 1970 e o asfaltamento da BR-364 na

dcada de 1980 configuram um ponto de inflexo da histria de

Rondnia.

Adaptado de Rondnia: do leito do Madeira s margens da BR-364. Belo Horizonte: Instituto Bioterra, 2013.

As afirmativas a seguir identificam corretamente aspectos da "inflexo histrica" a que o texto se refere, exceo de uma. Assinale-a.

(A) O ocaso da estrutura espacial at ento predominante, com a populao e a economia concentradas ao redor dos municpios de Porto Velho e Guajar-Mirim.

(B) O deslocamento do eixo de importncia para a BR-364, transformada em espinha dorsal do Estado, promovendo o desenvolvimento de municpios s suas margens.

(C) O crescimento do setor industrial associado transformao de bens primrios como o ltex, a cassiterita e o estanho, favorecido pelo novo modal rodovirio.

(D) O fomento s atividades agropecurias e o desenvolvimento de uma ocupao mais permanente da regio, facilitando os fluxos migratrios.

(E) A acelerao do processo de desmatamento da regio para a agricultura, a pecuria e os projetos de colonizao, gerando perda considervel da floresta primria.

39

Sobre os tipos de vegetao presentes no Estado de Rondnia e suas reas de ocorrncia, analise as afirmativas a seguir.

I. Floresta ombrfila aberta (floresta de transio), que ocupa a maior parte do territrio, principalmente a regio central, norte, sul e leste.

II. Floresta ombrfila densa (floresta amaznica), que ocupa algumas reas na regio central do territrio e se caracteriza por rvores de grande e mdio porte, bem adensadas.

III. Savana (cerrado/campos), que ocupa a regio central do estado, marcada por rvores baixas, com troncos tortuosos de casca grossa e rugosa, e folhas duras.

Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas

(E) I, II e III.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 9

40

Uma parcela da rede de transportes de Rondnia integra o chamado "Arco Norte", um sistema intermodal estratgico que envolve a Bacia Amaznica brasileira e um trecho da Bacia do Paran-Paraguai (Mato Grosso).

A respeito do Arco Norte, analise as afirmativas a seguir.

I. O sistema intermodal do Arco Norte conecta o vale amaznico s rotas mais estruturadas do Sul e Sudeste, para aprimorar a logstica de exportao para a Europa, Amrica e sia.

II. Pelas rodovias, ferrovias e hidrovias do Arco Norte so escoados principalmente gros, carnes, derivados de madeira e minrios e so desembarcados fertilizantes e outros insumos.

III. O corredor do Madeira conecta Porto Velho a Itacoatiara (AM), beneficiando o escoamento da produo agrcola do norte de Mato Grosso e do sudeste de Rondnia.

Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas

(E) I, II e III.

Conhecimentos Especficos

41

Nas ltimas dcadas, o capitalismo experimentou grandes transformaes. Entretanto, nenhuma dessas transformaes modificou a essncia exploradora da relao capital/trabalho, que se revela mediante

(A) as rebelies de trabalhadores.

(B) o desemprego estrutural.

(C) a intensificao do trabalho.

(D) o crescimento dos sindicatos.

(E) as polticas focalizadas.

42

A avaliao possibilita medir os resultados e rever procedimentos. Ela um elemento bsico

(A) do planejamento.

(B) da burocracia.

(C) da formao profissional.

(D) das polticas sociais.

(E) do projeto.

43

Na ao cotidiana do Assistente Social os sistemas de avaliao e controle devem ser coerentes com

(A) a prtica profissional.

(B) o referencial terico.

(C) os objetivos que se deseja atingir.

(D) as respostas s demandas.

(E) a poltica institucional.

44

Sobre o uso dos indicadores sociais, analise as afirmativas a seguir.

I. Eles podem ser usados para estudos comparativos entre municpios, bairros ou segmentos da populao.

II. Eles podem ser usados paraanlises comparativas a partir de

dados municipais, estaduais, nacionais e internacionais.

III. Eles podem ser usados paraavaliar a capacidade de gesto

do municpio na implementao de polticas pblicas. Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 10

45

No que concerne ao neoliberalismo no Brasil, as emergncias polticas e sociais so vinculadas a uma forma dependente de desenvolvimento que reestrutura o Estado, cujas aes intervencionistas se voltam para o aprofundamento da

(A) governabilidade.

(B) acumulao capitalista.

(C) cidadania.

(D) gerao de renda.

(E) poltica de emprego.

46

A posio crtica em relao insistncia de alguns autores em afirmar a existncia de uma nova questo social se justifica, porque eles

(A) tomam a questo social como objeto exclusivo de uma categoria profissional especfica e a tratam de forma muito genrica.

(B) afirmam a pobreza e a desigualdade como passveis de erradicao a partir da vontade dos homens e das comunidades.

(C) concebem a sociedade salarial como a melhor forma de organizao para responder s necessidades sociais.

(D) compreendem os problemas sociais como oriundos das contradies engendradas pela dade capital/trabalho coletivo.

(E) ignoram as caractersticas que acompanham a sociedade capitalista desde o seu surgimento, no explicando o porqu dessa permanncia.

47

Assinale a opo que apresenta o valor central do projeto tico-poltico do Servio Social.

(A) o ecletismo terico.

(B) o politicismo.

(C) a liberdade.

(D) o marxismo.

(E) a prtica profissional.

48

Assinale a opo que indica o marco histrico da ruptura do quase monoplio do conservadorismo no Servio Social, inscrevendo a primeira condio para a constituio de um novo projeto profissional.

(A) A publicao do novo currculo para a formao profissional.

(B) O debate e a aprovao da reforma universitria.

(C) A participao na regulamentao profissional.

(D) O processo de derrota da ditadura militar.

(E) A volta das eleies diretas.

49

Os projetos profissionais apresentam a auto-imagem de uma

profisso, elegem os valores que a legitimam socialmente,

delimitam e priorizam seus objetivos e funes, formulam os

requisitos (tericos, prticos e institucionais) para o seu exerccio,

prescrevem normas para o comportamento dos profissionais e

estabelecem as bases das suas relaes com os usurios de seus

servios, com as outras profisses e com as organizaes e

instituies sociais privadas e pblicas (inclusive o Estado, a que

cabe o reconhecimento jurdico dos estatutos profissionais).

Para que um projeto profissional se afirme na sociedade, necessrio que ele tenha

(A) um fundamento tico definido.

(B) um slido mercado de trabalho.

(C) um perfil profissional consolidado.

(D) um eficiente sistema de controle de seus usurios.

(E) um corpo profissional fortemente organizado em sua base.

50

Assinale a opo que apresenta o conceito de pesquisa.

(A) Processo sistemtico de aes, visando investigar/interpretar, desvelar um objeto, que pode ser um processo social, histrico, um acervo terico ou documental.

(B) Ao que busca captar o processo contraditrio dos objetos e visa refigurao, no nvel do pensamento, do seu movimento.

(C) Processo de teorizao do Servio Social, conduzido pela identificao entre a razo formal-abstrata e a elaborao terica.

(D) Processo de sistematizao sobre o material emprico, a fim de identificar e problematizar as condies do exerccio profissional.

(E) Ao para expressar a realidade tal como ela aparece empiricamente, levando sua reproduo tal como ela se expressa na sua aparncia.

51

No mbito das competncias polticas do Servio Social, a pesquisa permite

(A) atender s demandas sociais imediatas a partir de uma slida base holstica.

(B) compreender o significado social e poltico das demandas e respostas profissionais.

(C) apreender a sociedade como um espao homogneo, com interesses sociais e econmicos comuns.

(D) descuidar do estabelecimento de estratgias sociopolticas e profissionais.

(E) recorrer ao vis empirista e epistemologista para determinar a ao profissional.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 11

52

O projeto privatista da sade vem requisitando do assistente social, entre outras demandas, a atuao psicossocial por meio de

(A) elegibilidades.

(B) prticas individuais.

(C) planto social.

(D) atendimentos grupais.

(E) aconselhamento.

53

Sobre os impactos da nova configurao da poltica de sade no trabalho do Assistente Social, avalie os itens a seguir.

I. Atua na construo do trabalho multiprofissional. II. Interfere nas influncias tericas. III. Modifica o sindicalismo da profisso. Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) II, apenas.

(C) III, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

54

A contrarreforma do Estado atingiu a sade por meio das proposies de restrio do financiamento pblico e da dicotomia entre aes curativas e preventivas. A ruptura da concepo de integralidade se deu por meio da criao de dois subsistemas. Assinale a opo que os apresenta.

(A) O subsistema de atendimento primrio e o subsistema de atendimento quaternrio.

(B) O subsistema filantrpico e o subsistema das Parcerias Pblico-Privadas.

(C) O subsistema assistencial e o subsistema empresarial.

(D) O subsistema de entrada e controle e o subsistema de referncia ambulatorial e especializada.

(E) O subsistema preventivo e o subsistema curativo.

55

A concepo de Seguridade Social representa um dos maiores avanos da Constituio Federal de 1988, no que se refere proteo social e ao atendimento das histricas reivindicaes da classe trabalhadora.

Neste sentido, ela representa

(A) a antecipao das polticas de cunho neoliberal, a partir da instituio do trip de polticas sociais, que seriam flexibilizadas em seguida.

(B) a promessa de afirmao e extenso de direitos sociais em nosso pas, em consonncia com as transformaes sociopolticas que se processaram.

(C) o rompimento completo com a ditadura militar brasileira, a partir das lutas pela democracia e instaurao do Estado de Bem-Estar Social.

(D) o movimento natural do desenvolvimentismo para assegurar o progresso em padres compatveis de competio com pases do primeiro mundo.

(E) o reconhecimento da centralidade ontolgica do trabalho e sua vinculao com os condicionantes sociais da desigualdade existentes no pas.

56

No trabalho com famlias, os processos de planejamento e gesto vinculam

(A) aes profissionais desenvolvidas diretamente com as famlias e sua lgica reside em atend-las como sujeitos.

(B) metodologias que privilegiem e incrementem a discusso da relao famlia e proteo social na esfera pblica.

(C) aes que possuam carter coletivo de assessoria e mobilizao junto s famlias e aos movimentos sociais organizados.

(D) prticas efetivas de intersetorialidade para reverter o processo de responsabilizao da famlia pelo cuidado.

(E) polticas que rompam com a ideologia da famlia como responsvel da proteo social, buscando a ampliao dos direitos sociais.

57

Pensar a famlia no campo da proteo social implica reconhec-

la na sua dimenso simblica, na sua multiplicidade, na sua

organizao, na medida em que subsidia a compreenso sobre o

lugar que lhe atribudo na configurao da proteo social de

uma sociedade, em determinado momento histrico. Portanto,

para pensar em trabalho com famlias importante reconhecer

quais as tendncias predominantes na incorporao da famlia no

campo da poltica social como seu sujeito destinatrio.

Neste sentido, atualmente existem duas grandes tendncias nesse campo. Assinale a opo que as indica.

(A) A nuclear e a extensa.

(B) A do empoderamento e a da pauperizao.

(C) A familista e a protetiva.

(D) A moralista e a culpabilizadora.

(E) A vulnerabilizadora e a emancipadora.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 12

58

Na tradio advinda da Teoria Crtica, a compreenso dos processos familiares deve levar em considerao a interpretao de suas demandas, que so a expresso

(A) das desigualdades.

(B) das necessidades.

(C) do neoliberalismo.

(D) da ausncia do Estado.

(E) do desemprego.

59

No que concerne ao material tcnico, sigiloso ou no, em caso de demisso ou exonerao, o Assistente Social dever

(A) lacr-lo e remet-lo ao CRESS da Regio.

(B) inciner-lo em seu ltimo dia de trabalho.

(C) guard-lo em seu poder.

(D) repass-lo ao Assistente Social que o substituir.

(E) deix-lo com a chefia imediata, Assistente Social ou no.

60

Quando intimado perante a autoridade competente a prestar depoimento como testemunha, o Assistente Social dever comparecer e declarar que

(A) est obrigado a guardar sigilo profissional, sendo vedado depor na condio de testemunha.

(B) no poder depor caso o motivo da intimao tenha ocorrido fora de seu lugar de trabalho.

(C) seu testemunho restringir-se- ao estritamente necessrio, desde que no exponha o que lhe foi dito em atendimento.

(D) atribuio privativa contribuir com a justia naquilo que for objeto de interveno profissional.

(E) dever, primeiro, inteirar-se do que dever testemunhar e, em seguida, pedir permisso ao CRESS para este ato.

61

Leia o fragmento a seguir.

Prestar assessoria e apoio aos movimentos sociais em matria

relacionada s polticas sociais, no exerccio e na defesa dos

direitos civis, polticos e sociais da coletividade.

O fragmento mostra

(A) uma atribuio privativa do assistente social.

(B) uma prerrogativa de trabalhadores sociais.

(C) uma solicitao de cada instituio social.

(D) uma tarefa de equipes multiprofissionais.

(E) uma competncia do assistente social.

62

As Seccionais de Servio Social esto subordinadas, financeira e administrativamente,

(A) aos profissionais inscritos nos Conselhos.

(B) s instituies de sua rea de atuao.

(C) ao CRESS de sua jurisdio.

(D) s Unidades de Ensino privadas.

(E) ao CFESS.

63

A mediao surge como instrumento alternativo de resoluo dos conflitos no mbito familiar, como um espao de escuta para o exerccio da autonomia individual, com participao direta dos envolvidos no processo de ruptura conjugal, com a realizao de acordos e ajustes mais adequados s necessidades e aos desejos dos mediados.

Neste sentido, uma das caractersticas da mediao a

(A) presena de um profissional, quando se verifica o descumprimento de clusulas de separao e divrcio.

(B) arbitragem, de acordo com o problema apresentado pelas partes.

(C) soluo que imposta pela sentena, quando no aceita pelas partes, ou pelo menos por uma delas.

(D) interferncia de um terceiro em uma negociao ou em um conflito.

(E) obrigatoriedade de um procedimento, do qual decorre a responsabilizao dos envolvidos no cumprimento do que foi ajustado.

64

A manuteno do desenrolar do processo encargo do mediador. Nesse sentido, o mediador deve

(A) mostrar autoridade.

(B) atuar dialeticamente.

(C) agir com neutralidade.

(D) atuar holisticamente.

(E) apresentar sugestes.

65

Sobre o Programa de Erradicao do Trabalho Infantil um programa de carter intersetorial, integrante da Poltica Nacional de Assistncia Social, avalie os itens a seguir.

I. Prev transferncias de renda. II. Admite trabalho social com famlias. III. Compreende servios socioeducativos para crianas e

adolescentes em situao de trabalho. Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 13

66

O Sistema Nacional de Polticas Pblicas sobre Drogas (Sisnad) possui atividades de ateno e de reinsero social do usurio e do dependente de drogas e respectivos familiares.

Assinale a opo que indica princpios e diretrizes que essas atividades devem observar.

(A) Disponibilizao gratuita de estabelecimento de sade, preferencialmente ambulatorial, para tratamento especializado.

(B) Prestao de servios comunidade que se ocupem, preferencialmente, da preveno do consumo ou da recuperao de usurios e dependentes de drogas.

(C) Definio de projeto teraputico individualizado, orientado para a incluso social e para a reduo de riscos e de danos sociais e sade.

(D) Incentivos a medidas educativas de comparecimento a programa ou curso educativo.

(E) Tratamento especial s parcelas mais vulnerveis da populao, considerando suas necessidades especficas.

67

Assinale a opo que apresenta as caractersticas de funcionamento do CAPS AD III.

(A) Ser um servio aberto, que funcione segundo a lgica municipal e que fornea ateno contnua durante as 24 horas do dia, de segunda sexta-feira.

(B) Ofertar cuidados individuais, independentemente da vinculao do usurio aos servios daquele CAPS AD III.

(C) Trabalhar de portas abertas, com plantes dirios de acolhimento, garantindo acesso para clientela referenciada e responsabilizao efetiva pelos casos.

(D) Ser lugar de referncia de cuidado e proteo para usurios e familiares em situaes de crise e maior gravidade (recadas, abstinncia, ameaas de morte etc.).

(E) Possuir uma equipe mnima para atender at o mximo de 60 (sessenta) usurios por turno.

68

A fim de levar o poder pblico s reas de maior vulnerabilidade social e promover o atendimento mais prximo do cidado, foi criada uma nova modalidade de CAPS (IV AD), para funcionar 24 horas.

Assinale a opo que indica o local onde ele deve funcionar.

(A) Regies de cracolndias.

(B) CREAS.

(C) Consultrios de rua.

(D) Comunidades onde o trfico de drogas intenso.

(E) Hospitais psiquitricos e delegacias.

69

Sobre as entidades de longa permanncia, segundo o Estatuto do Idoso, assinale a afirmativa correta.

(A) Servem como postos de encaminhamento da pessoa idosa para servios de abrigamento especializado.

(B) Possuem como particularidade o fato de terem um carter filantrpico.

(C) So obrigadas a firmar contrato de prestao de servios com a pessoa idosa abrigada.

(D) Devem contatar a famlia da pessoa idosa a fim de restabelecer vnculos.

(E) Podem atender somente a pessoa idosa incapaz de prover sua prpria subsistncia.

70

No caso de verificao de danos com relao aos usurios abrigados, a fiscalizao das entidades de atendimento pessoa idosa, determina

(A) o afastamento provisrio dos dirigentes.

(B) a instalao de inqurito por negligncia.

(C) a percia para determinar o tipo de dano sofrido.

(D) a priso dos dirigentes.

(E) o abrigamento dos usurios em outro servio.

71

A gestante ou me que manifeste interesse em entregar seu filho para adoo, antes ou logo aps o nascimento, ser encaminhada

(A) ao Conselho Tutelar.

(B) ao Ministrio Pblico.

(C) Vara da Infncia e da Famlia.

(D) ao Sistema Municipal de Adoo.

(E) Justia da Infncia e da Juventude.

72

De acordo com a legislao brasileira sobre adoo, aps trs recusas injustificadas, pelo habilitado, adoo de crianas ou adolescentes indicados dentro do perfil escolhido, a medida tomada ser

(A) vedao da renovao da habilitao.

(B) reavaliao da habilitao concedida.

(C) multa e prestao de servios comunitrios.

(D) excluso do adotando dos cadastros de adoo.

(E) Interdio de seis meses para solicitar nova habilitao.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 14

73

Sobre os Aspectos Civis do Sequestro Internacional de Crianas, de acordo com a Conveno de Haia, quando uma criana tiver sido ilicitamente transferida ou retida e tenha decorrido um perodo de menos de 1 ano entre a data da transferncia ou da reteno indevidas e a data do incio do processo perante a autoridade judicial ou administrativa do Estado Contratante onde a criana se encontrar, a autoridade respectiva deve

(A) requerer cpia autenticada de qualquer deciso ou acordo considerado relevante.

(B) assegurar a entrega voluntria da criana ou facilitar uma soluo amigvel.

(C) obter informao sobre a identidade do requerente, da criana e da pessoa a quem se atribui a transferncia ou a reteno da criana.

(D) ordenar o retorno imediato da criana.

(E) localizar a criana transferida ou retida ilicitamente.

74

Leia o trecho a seguir.

O servio oferece acolhimento provisrio por meio de medida

protetiva de abrigo para crianas e adolescentes afastados do

convvio familiar, em razo de abandono ou porque as famlias ou

os responsveis encontram-se temporariamente impossibilitados

de cumprir sua funo de cuidado e proteo.

Assinale a opo que indica a denominao desse servio.

(A) casa-lar.

(B) abrigo institucional.

(C) famlia acolhedora.

(D) repblica.

(E) albergue.

75

Sobre as crianas e os adolescentes que devem ser includas, prioritariamente, nos Programas de Apadrinhamento Afetivo, assinale a afirmativa correta.

(A) As que tenham remotas perspectivas de retorno ao convvio familiar ou adoo.

(B) As que sejam adotados por famlia que ainda est se estruturando para receber a criana ou o adolescente de volta.

(C) As que estejam em conflito com a lei e que necessitem de medidas socioeducativas.

(D) As que, depois de ouvidas, chegaram concluso de que esta a melhor opo.

(E) As que estejam sendo vtimas de abuso sexual ou maus tratos por familiares.

76

A implementao de uma sistemtica de acompanhamento da situao familiar, iniciada imediatamente aps o acolhimento, fundamental, pois, com o passar do tempo, tanto as possibilidades de reintegrao familiar, quanto de adoo podem tornar-se mais difceis.

Sobre as tcnicas que podem ser utilizadas no acompanhamento das famlias, analise os itens a seguir.

I. Estudo de caso. II. Grupo multifamiliar. III. Padronizao dos processos interventivos. Est correto o que se afirma em

(A) I, apenas.

(B) II, apenas.

(C) I e II, apenas.

(D) I e III, apenas.

(E) I, II e III.

77

O afastamento do convvio familiar da criana e do adolescente, de acordo com o ECA, uma excepcionalidade. Nos casos de violncia praticada por familiar ou responsvel com o qual a criana ou adolescente resida, a autoridade judiciria poder determinar

(A) o abrigamento da criana ou adolescente em lar substituto.

(B) a remoo da criana ou adolescente e sua famlia para um hotel popular.

(C) a priso do(a) agressor(a) mediante denncia.

(D) o afastamento do(a) agressor(a) da moradia comum.

(E) A proibio do(a) agressor(a) de chegar perto da criana ou adolescente.

78

Quando o acolhimento da criana ou adolescente for necessrio, fundamental ofertar um ambiente e cuidados facilitadores do seu desenvolvimento. Em consonncia com as diretrizes nacionais e internacionais de cuidados a crianas e adolescentes em servios de acolhimento, uma das estratgias efetivadas o Estudo Diagnstico Prvio.

Assinale a opo que apresenta o objetivo do Estudo Diagnstico Prvio.

(A) Avaliar o grau de risco ao qual a criana ou adolescente estar exposto se no for afastada do ambiente familiar.

(B) Mapear os vnculos significativos na famlia e a anlise da rede social de apoio da criana ou adolescente.

(C) Proceder escuta qualificada dos integrantes da famlia, inclusive a criana e o adolescente.

(D) Subsidiar a deciso acerca do afastamento da criana ou adolescente do convvio familiar.

(E) Estabelecer a percepo da criana ou adolescente em relao possibilidade de afastamento do convvio familiar.

Assemblia Legislativa de Rondnia FGV Projetos

Analista Legislativo - Assistncia Social 1 Tipo 1 Cor BRANCA Pgina 15

79

Leia o fragmento a seguir.

(...) a prtica social mais duradoura em relao moradia das famlias trabalhadoras pobres urbanas, desde a instituio do

trabalho livre no Brasil at os dias de hoje, (...) como componente

e expresso material da expropriao dos meios de vida, como a

terra, da explorao da fora de trabalho e da espoliao

urbana.

O fragmento refere-se

(A) invaso.

(B) usucapio.

(C) remoo.

(D) autoconstruo.

(E) ao mutiro.

80

Em 2012, o Caderno de Orientao Tcnico Social (COTS), que regulamenta o trabalho social realizado em intervenes de proviso habitacional e urbanizao de assentamentos precrios foi reformulado. Essa reformulao culminou com a publicao do Manual de Instrues do Trabalho Social nos Programas e Aes do Ministrio das Cidades.

Neste escopo, segundo o CFESS (2016), o trabalho social regulamentado como aquele que realizado

(A) em intervenes de proviso habitacional e urbanizao de assentamentos precrios.

(B) para convencer determinada populao a ser removida para conjuntos habitacionais.

(C) no cadastramento de famlias que residem ou se localizam em reas de risco.

(D) na educao em grupo para os novos moradores dos programas habitacionais do governo.

(E) na procura de indivduos que desejam esclarecimentos sobre seus direitos no mbito da habitao.

Realizao