USO DE OPIOIDES PELA VIA EPIDURAL EM CÃES E...

Click here to load reader

  • date post

    23-Apr-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of USO DE OPIOIDES PELA VIA EPIDURAL EM CÃES E...

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIS

    ESCOLA DE VETERINRIA E ZOOTECNIA

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM CINCIA ANIMAL

    Disciplina: SEMINRIOS APLICADOS

    USO DE OPIOIDES PELA VIA EPIDURAL EM CES E GATOS

    Louise Pereira Mortate Orientador: Juan Carlos Duque Moreno

    GOINIA 2013

  • ii

    LOUISE PEREIRA MORTATE USO DE OPIOIDES PELA VIA EPIDURAL EM CES E GATOS

    Seminrio apresentado junto Disciplina de Seminrios Aplicados do Programa de Ps-Graduao em Cincia Animal da Escola de Veterinria e Zootecnia da Universidade Federal de Gois. Nvel: Mestrado

    rea de Concentrao: Patologia, Clnica e Cirurgia Animal

    Orientador: Prof. Dr. Juan Carlos Duque Moreno - UFG

    Comit de Orientao: Profa. Dra. Celina Tie Nishimori Duque - UFG

    Prof. Dr. Luiz Augusto de Souza - UFG

    GOINIA 2013

  • iii

    SUMRIO 1INTRODUO 01 2 REVISO DE LITERATURA 03 2.1 Indicaes do uso dos opioides pela via epidural 03 2.2 Receptores opiodes e classificao dos frmacos opioides 04 2.3 Fisiologia da dor aguda 06 2.3.1 Dor somtica 06

    2.3.2 Dor visceral 09

    2.4 Mecanismo de ao dos opioides 09 2.5 Farmacocintica dos opioides administrados pela via epidural 10 2.6 Tcnica da injeo epidural 11 2.7. Principais opioides utilizados pela via epidural 12 2.7.1 Morfina 12

    2.7.2 Butorfanol 12

    2.7.3 Metadona 13

    2.7.4 Buprenorfina 14

    2.7.5 Tramadol 15

    2.7.6 Fentanil 16

    2.7.7 Sufentanil 17

    2.8 Associao dos opioides a outras classes de frmacos 18 2.8.1 Anestsicos locais 18

    2.8.2 Agonistas de receptores adrenrgicos -2 19

    2.8.3 Dissociativos 20

    2.9 Efeitos adversos 21 2.9.1 Depresso Respiratria 21

    2.9.2 Reteno urinria 23

    2.9.3 Prurido 25

    2.9.4 Vmito 26

    2.9.5 Mioclonia 26

    2.9.6 Disforia 27

    3 Consideraes Finais 28 4 Referencias 30

  • 1 INTRODUO

    A partir da semente da papoula extrado um liquido leitoso, do qual

    obtido o pio. Em 1806, um farmacutico alemo chamado Friedrich Wilhelm

    Adam Sertrner isolou a morfina, que recebeu esse nome em homenagem a

    Morfeu, o deus do sono. Desde ento, os opioides so utilizados na medicina e na

    medicina veterinria para o controle da dor (SCHUMACHER, 2006). Os opioides

    so substncias com propriedades analgsicas utilizados no controle da dor

    aguda e crnica (LUMB & JONES, 2007). O termo opioide usado para todos

    os frmacos naturais, semissintticos ou sintticos com propriedades similares s

    da morfina, incluindo os peptdeos endgenos. Enquanto que o termo opiaceo

    utilizado para designar os derivados do pio, incluindo a morfina, os derivados

    semissintticos e a codena (FANTONI, 2012).

    A anestesia epidural consiste na deposio de frmacos com

    propriedades anestsicas locais no espao epidural, que se localiza entre a dura-

    mter e o canal vertebral (KLAUMANN & OTERO, 2013). A presena intensa de

    receptores opioides na substancia gelatinosa no corno dorsal da medula espinhal

    sugeriu que a administrao de doses pequenas de opioides no espao epidural

    produz analgesia, o que posteriormente foi comprovado (YAKSH & RUDY, 1976).

    A administrao de opioides via epidural induz analgesia mais profunda

    e prolongada, com doses baixas e sedao menos intensa, em comparao com

    a via parenteral. Diferentemente dos anestsicos locais, a administrao epidural

    de opioides para o tratamento da dor bloqueia os impulsos nociceptivos sem

    afetar as atividades motora e autonmicas geradas na medula espinhal,

    fornecendo analgesia sem produzir hipotenso, ou convulses (COUSINS &

    MATHER, 1984; FANTONI, 2012). As indicaes para administrao de opioides

    pela via epidural so o fornecimento de analgesia nos perodos trans e

    perioperatrio, alm do controle da dor aguda e crnica por perodos prolongados,

    pelo uso de cateteres epidurais (FANTONI, 2012).

    Quando a dor no manejada de forma adequada, o paciente pode

    apresentar arritmias cardacas, hipercapnia, aumento do catabolismo proteico,

    atraso na cicatrizao de feridas e prolongamento da hospitalizao (MATHEWS,

    2000); isso demonstra claramente a importncia do controle da dor, na qual os

  • 2

    opioides tem papel primordial. Dentro deste contexto a via epidural um item

    auxiliar, j que promove analgesia sem os efeitos colaterais tpicos da

    administrao dos opioides pela via parenteral, que por muitas vezes, so motivos

    da suspenso dos frmacos analgsicos, comprometendo a recuperao do

    paciente.

    Com esta reviso de literatura objetiva-se abordar a farmacocintica e

    farmacodinmica dos principais opioides utilizados pela via epidural em ces e

    gatos nos perodos trans e perioperatrio para o controle da dor aguda, bem

    como seus efeitos desejveis e indesejveis. Nesta reviso no ser abordado o

    uso dos opioides por via epidural no controle da dor crnica, pois a patogenia

    dessa doena e a abordagem teraputica a estes pacientes so diferentes.

  • 3

    2 REVISO DE LITERATURA 2.1 Indicaes do uso dos opioides pela via epidural

    As indicaes para administrao de opioides pela via epidural so o

    fornecimento de analgesia nos perodos trans e ps-operatrio e, atravs da

    colocao de cateter epidural, o alvio de dores agudas e crnicas por perodos

    prolongados (FANTONI, 2012). A dor aguda um sinal relacionado com alguma

    doena, j a dor crnica uma doena propriamente dita, sendo nociva e

    independente do estimulo que a gerou (FANTONI & MASTROCINQUE, 2002).

    H recomendaes para o uso dos opioides pela via epidural no

    perodo perioperatrio de intervenes cirrgicas que podem ocasionar dor

    intensa e prolongada como, por exemplo, cirurgias abdominais, torcicas,

    genitourinrias, ortopdicas, em pacientes com alto risco cirrgico, obesos,

    portadores de insuficincia respiratria e idosos (McMURPHY, 1993)

    O trauma cirrgico ou acidental induz liberao de mediadores

    qumicos inflamatrios que diminuem o limiar das fibras aferentes, levando ao

    aparecimento da sensibilizao perifrica (hiperalgesia) e central (alodinia).

    (VALADO et al., 2002). A hiperalgesia o aumento da resposta a um estmulo

    nocivo e pode ser primria, quando a hiperalgesia se localiza na regio da leso,

    e secundria quando a hiperalgesia se localiza na regio que circunda a leso. O

    termo alodinia definido como a dor que surge como resultado de estimulao

    no nociva sobre a pele normal (FANTONI & MASTROCINQUE, 2002). A reduo

    das alteraes ocasionadas pela sensibilizao central devido aos estmulos

    nociceptivos durante a dor aguda previne o desenvolvimento da dor crnica, cujo

    tratamento mais laborioso e desafiador se comparado dor aguda (OTERO,

    2005).

    Por causa da ao analgsica dos opioides, h diminuio da dose dos

    anestsicos gerais intravenosos e reduo da concentrao alveolar mnima

    (CAM) dos anestsicos inalatrios necessrios para manter a anestesia,

    reduzindo assim os efeitos indesejados dos anestsicos gerais, tais como

    depresso respiratria e hipotenso (CAMPAGNOL et al., 2012). A CAM

    definida como a concentrao de um anestsico inalatrio, em uma atmosfera,

  • 4

    necessria para abolir movimentos em resposta a um estimulo nocivo em metade

    dos pacientes testados (OLIVA, 2002). A associao de tcnicas e frmacos em

    doses baixas com a finalidade de reduzir seus efeitos adversos baseada na

    teoria da anestesia multimodal, desejvel para um procedimento anestsico

    seguro e que garanta qualidade analgsica para o paciente (POSSO &

    ASHMAWI, 2012).

    2.2 Receptores opioides e classificao dos frmacos opioides

    O efeito dos opioides mediado por sua ligao a receptores

    especficos encontrados no sistema nervoso central, mimetizando os efeitos

    decorrentes da ligao dos peptdeos endgenos (FANTONI & GODOI, 2012).

    Existem pelo menos trs tipos de receptores opioides, os receptores mi

    ou mu (), kappa () e delta (). Os receptores so divididos nos subtipos 1, 2

    e 3, sendo distribudos ao longo de toda a medula espinhal e so os principais

    responsveis pela analgesia quando se utiliza frmacos opioides (VALADO et

    al., 2002; FANTONI & GODOI, 2012). Os receptores so divididos em pelo

    menos quatro subtipos: 1a, 1b, 2 e 3 , e se localizam no segmento lombo-sacral

    da medula espinhal (VALADO et al., 2002; FANTONI & GODOI, 2012). Os

    receptores so divididos em dois subtipos, 1 e 2, porem os seus efeitos no

    so totalmente compreendidos (FANTONI & GODOI, 2012). Esses receptores tem

    sua distribuio restrita aos segmentos cervicais (VALADO et al., 2002).

    Foi caracterizado recentemente um quarto tipo de receptor opioide, o

    receptor para nociceptina, que produz um efeito anti-opioide, ou seja, pr-

    nociceptivo, ao contrario dos outros receptores opioides (FANTONI & GODOI,

    2012).

    Os receptores e so responsveis pela inibio dose dependente

    das respostas aos estmulos termocutneos e os receptores esto relacionados

    potente supresso da resposta aos estmulos qumicos viscerais, mas no

    interferem na nocicepo somtica (VALADO et al., 2002).

    Existem diferenas na farmacodinmica dos opioides para os

    receptores no sistema nervoso central (SNC) entre as espcies animais, mas, de

  • 5

    forma geral, a analgesia espinhal mediada pela ativao dos receptores 1, 2,

    e (VALADO et al., 2002).

    Os opioides se classificam em agonistas puros, agonistas parciais,