Tutorial Sobre Latex2e

Click here to load reader

  • date post

    12-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    31
  • download

    13

Embed Size (px)

description

Tutorial Sobre Latex

Transcript of Tutorial Sobre Latex2e

  • Tutorial sobre LATEX 2Araujo, Pedro Miranda.

    Versao: 1.6 [email protected]

    A literatura, as artes e outras fon-tes nao cientficas de conhecimentonao podem desconhecer o papel fun-damental do pensamento e do rigormatematico.

    (Bertrand Russell)

    MACAPA-AP

    2015

  • Lista de Imagens

    1.1 Exemplo de imagem refletida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    1.2 Exemplo de imagem rotacionada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

    1.3 Exemplo de espaco horizontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

    1.4 Exemplo de length no ambiente figure . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

    1.5 Exemplos do estilo retrato e paisagem, respectivamente . . . . . . . . . . . . . . . 31

    1.6 Exemplo de imagem usando layout landscape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

    1.7 Exemplo de comentarios dentro do codigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    1.8 Exemplo de imagem com label . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

    1.9 Exemplo de pagina de ttulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

    1.10 Exemplo de Referencias Bibliograficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    1.11 Exemplo de renomeacao de partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    1.12 Exemplo de imagem usando o ambiente figure . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

    1.13 Exemplo dos recursos largura, altura e rotacao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

    1.14 Exemplo de imagem ao lado do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

    1.15 Exemplo de subfiguras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

    1.16 Exemplo de subfiguras nomeadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

    1.17 Exemplo de imagem em eps . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

    1.18 Exemplo de ndice Remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

    1.19 Exemplo de imagem com sub-imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

    1.20 Exemplo de imagem em eps . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

  • Lista de Tabelas

    1.1 Escalas possveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    1.2 Lengths e seus valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

    1.3 Length Commands . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    1.4 Caracteres especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

    1.5 Partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

    1.6 Parametros para a personalizacao de listas de conteudo . . . . . . . . . . . . . . . 41

    1.7 Nveis e partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    1.8 Renomeacao de partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

    1.9 Personalizacao de listas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    2.1 Exemplo de uso do ambiente table . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

    2.2 Exemplo de centralizacao celular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

    2.3 Exemplos de funcoes matematicas pre-definidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

  • Sumario

    Lista de Imagens i

    Lista de Tabelas ii

    1 Primeiras Nocoes 7

    1.1 Preliminares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

    1.2 Iniciando um documento em LATEX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

    1.3 Espacamento entrelinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

    1.4 Recuos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

    1.5 Numeracao de paginas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

    1.6 Colunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

    1.7 Quebra de linha e quebra de pagina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    1.8 Orientacao de texto em linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    1.9 Textos coloridos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    1.9.1 Em relacao ao texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    1.9.2 Em relacao a` caixa de texto e a` pagina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

    1.10 Espacamento das margens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

    1.11 Textos sublinhados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

    1.12 Caixas de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

    1.13 Janelas molduradas e nao molduradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

    1.13.1 Em relacao a janelas nao Molduradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

    1.13.2 Em relacao a janelas Molduradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

    1.14 Textos refletidos e rotacionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    1.14.1 Em relacao a textos refletidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

    1.14.2 Em relacao a textos rotacionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

    1.15 Fontes: estilos, tamanhos e ligaduras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    1.15.1 Em relacao a italico e negrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    1.15.2 Em relacao a` escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    1.15.3 Em relacao a estilos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

    1.15.4 Em relacao a ligaduras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

    1.16 Posicionamento atraves de ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

    1.16.1 Em relacao a` centralizacao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

  • 1.16.2 Em relacao ao posicionamento a` esquerda . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

    1.16.3 Em relacao ao posicionamento a` direita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

    1.17 Trabalhando com Counters . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    1.17.1 Alterando o valor de um counter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    1.17.2 Alterando o estilo de um counter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

    1.18 Espacos horizontais e verticais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

    1.19 Criacao de listas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

    1.19.1 Em relacao ao ambiente itemize . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

    1.19.2 Em relacao ao ambiente enumerate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

    1.19.3 Em relacao ao ambiente description . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

    1.20 Lengths . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

    1.20.1 Tipos de Length . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

    1.20.2 Em relacao a length commands . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    1.20.3 Alterando o valor de um length command . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    1.21 Preenchendo com espacos em branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

    1.22 Hifenizacao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

    1.23 Layout do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

    1.24 Comentarios e Verbatim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    1.24.1 Em relacao a Comentarios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    1.24.2 Em relacao a Verbatim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    1.25 Referencias Cruzadas e Hyperlinks . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

    1.25.1 Em relacao a Referencias Cruzadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

    1.25.2 Em relacao a Hyperlinks . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

    1.26 Caracteres especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

    1.27 Criacao de linhas e pontilhados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

    1.27.1 Em relacao a linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

    1.27.2 Em relacao a Pontilhados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

    1.28 Paginas de ttulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

    1.29 Estilos de impressao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

    1.30 Notas de rodape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

    1.31 Indentacao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

    1.32 Partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

    1.32.1 Em relacao ao sumario . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

    1.32.1.1 Depth e counters adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

    1.32.2 Em relacao a Referencias Bibliograficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    1.32.3 Em relacao a Lista de Figuras e Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

    1.33 Renomeando partes do documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

    1.34 Personalizacao de listas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    1.35 Ambientes quote, quotation e verse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

    1.35.1 Em relacao a quote e quotation . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

  • 1.35.2 Em relacao a verse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

    1.36 Figuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

    1.36.1 Em relacao a` rotacao, a largura e a altura . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

    1.36.2 Em relacao a imagem ao lado do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

    1.36.3 Em relacao a Subfiguras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

    1.36.4 Em relacao a` extensao usada e a compilacao apropriada . . . . . . . . . . . 51

    1.37 Indice remissivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

    1.38 Exerccios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

    2 Textos Matematicos 56

    2.1 Proposicoes, Axiomas, etc . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

    2.2 Comandos definidos pelo usuario . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

    2.3 O modo matematico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

    2.4 Potencias e Indices . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

    2.5 Fracoes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

    2.6 Razes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

    2.7 Modo display . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

    2.8 Somatorios, produtorios, unioes, intersecoes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

    2.9 Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

    2.10 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

    2.11 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

    2.12 Parenteses, colchetes e chaves . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

    2.13 underbrace e overbrace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

    2.14 Vetores e conjugados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

    2.15 Modulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

    2.16 Binomios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

    2.17 O comando Stackrel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

    2.18 Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

    2.19 O ambiente array . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

    2.20 Um ambiente para demonstracoes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

    2.21 Funcoes Matematicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

    2.21.1 Em relacao a definicao de operadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

    2.22 Ambiente equation . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

    2.23 Ambiente displaymath . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

    2.24 Representacao de conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74

    2.25 Ambiente eqnarray . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

    2.26 Exerccios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

    Referencias Bibliograficas lxxix

    Indice Remissivo lxxx

  • Captulo 1

    Primeiras Nocoes

    1.1 Preliminares

    Iniciarei este captulo com o que chamamos de preambulo ou parte preliminar.

    Observe o codigo a seguir.

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \usepackage[top=3cm,left=3cm,right=2cm,bottom=2cm]{geometry}

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    \usepackage{amsmath,amsfonts}

    \usepackage{subfigure}

    \usepackage{lscape}

    \usepackage{wrapfig}

    \usepackage{pgf}

    %\usepackage{mathptmx}

    \usepackage{boxedminipage}

    \usepackage[colorlinks,linkcolor=black]{hyperref}

    \usepackage{graphicx}

    \usepackage{enumitem}

    %\usepackage{color}

    \usepackage[all]{xy}

    \usepackage{dsfont}

    \usepackage{amstext}

    \usepackage[brazil]{babel}

    Como pode ser notado1 a parte preliminar se divide em duas partes. A primeira diz

    respeito a informacoes como o tipo de papel, a fonte e a classe que sera utilizada.

    Entre as classes ou publicacoes possveis temos article (artigo), report (relatorio), book

    (livro), letter (carta), beamer (slides), etc.

    1Preferencia do autor.

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.2. Iniciando um documento em LATEX

    A segunda parte diz respeito aos pacotes que serao usados. O LATEX executa alguns

    comandos sem a necessidade de pacotes, mas em alguns casos eles sao necessarios. Um exemplo

    reside nas margens onde o pacote geometry e uma alternativa e na exposicao de alguns caracteres

    especiais como esse C que fazem uso do pacote dsfont.

    Existe um numero grande de comandos que podem ser usados, limitarei este tutorial aos

    mais simples.

    1.2 Iniciando um documento em LATEX

    Para iniciar um documento, apos a criacao do preambulo, devemos proceder da seguinte

    maneira. Observe:

    Coloque o seu texto aqui

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \begin{document}

    Coloque o seu texto aqui

    \end{document}

    Note que nesse exemplo nao aparece a 2o parte do preambulo. Como foi dito alguns

    comandos nao precisam de pacotes.

    A introducao de acentos (digitacao direta) pode ser feita atraves do pacote imputenc

    conforme o exemplo abaixo.

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    Quando este pacote esta ausente a acentuacao e feita atraves de barras invertidas.

    Observacao 1. O usuario deve conhecer comandos especficos para isso. Algo como av\o, porexemplo. O que equivale a avo, se o inputenc estiver ativo.

    A traducao e feita atraves do pacote babel. O leitor deve atentar aos comandos de secao

    e seus equivalentes, pois seguem o padrao2 do aplicativo e so mudarao mediante um comando.

    Nesse caso, o referido pacote. Veja,

    \usepackage[brazil]{babel}

    2Default: ingles.

    8

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.3. Espacamento entrelinhas

    Apos essas consideracoes veja o exemplo a seguir.

    E (E) o meu primeiro texto

    usando inputenc. Uma ex-

    periencia (experiencia) ino-

    vadora.

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    \usepackage[brazil]{babel}

    \begin{document}

    E (\E) o meu primeiro texto usando

    inputenc. Uma experie^ncia

    (experi\^encia) inovadora.

    \end{document}

    Note a diferenca entre os metodos de entrada das palavras acentuadas.

    1.3 Espacamento entrelinhas

    O espacamento entrelinhas pode ser feito atraves do pacote setspace. Ele deve ser adi-

    cionado no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{setspace}

    Ele possui tres comandos:

    1. \singlespacing - introduz espacamento simples;

    2. \onehalfspacing - introduz espacamento de 1,5;

    3. \doublespacing - introduz espacamento duplo.

    Cada um dos comandos pode anular o efeito do outro, ou seja, se for de interesse a

    mudanca de espacamento em uma parte especfica do texto basta a introducao de um novo

    comando.

    1.4 Recuos

    O recuo de texto pode ser introduzido com a ajuda de um comando simples. Ele precisa

    ser colocado de preferencia no incio do documento, ou seja, abaixo de \begin{document}. veja:

    \setlength{\parindent}{1,5cm}

    9

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.5. Numeracao de paginas

    O exemplo acima mostra como colocar um recuo de 1,5cm no incio de cada paragrafo.

    O uso de outros valores e possvel. Sendo necessario apenas a mudanca de 1,5cm (veja o exemplo

    acima) pelo valor desejado. Para chamar um recuo basta introduzir no fim de cada paragrafo o co-

    mando \vskiplength3. Esse comando provoca uma mudanca de linha com recuo. O comprimentocitado se refere a` diferenca de espaco entre os paragrafos.

    \vskip0,2cm e um exemplo desse recurso

    1.5 Numeracao de paginas

    Para numerar as paginas do documento aconselho o uso do pacote fancyhdr. Ele pode

    ser introduzido no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{fancyhdr}

    Para ativar esse recurso, deve-se antes de tudo alterar o estilo da pagina na 2o parte do

    preambulo com o comando \pagestyle{fancy}. Esse pacote possui 6 entradas: tres relativas aocabecalho e tres relativas ao rodape.

    Cabecalho:

    1. \rhead{texto} - entrada de texto a` direita;

    2. \chead{texto} - entrada de texto central;

    3. \lhead{texto} - entrada de texto a` esquerda.

    Rodape:

    1. \rfoot{texto} - entrada de texto a` direita;

    2. \cfoot{texto} - entrada de texto central;

    3. \lfoot{texto} - entrada de texto a` esquerda.

    Para iniciar a numeracao de paginas basta colocar o comando \thepage no lugar de textona entrada desejada. Este manual e um exemplo de uso do pacote. As ordens de entrada devem

    ficar de preferencia no corpo do documento, ou seja, logo abaixo de \begin{document}.Outra coisa que deve ser dita e que esse pacote introduz uma linha demarcando o

    cabecalho. A sua retirada requer o comando \renewcommand{\headrulewidth}{0pt} no pream-bulo. Quando colocamos 0pt estamos pedindo para o LATEX eliminar a linha. Agimos de forma

    semelhante em relacao ao rodape \renewcommand{\footrulewidth}{0pt}.3Length significa comprimento. Geralmente, um numero seguido de uma unidade. Visite a secao 1.20 para

    mais detalhes.

    10

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.6. Colunas

    Para espacos vazios a ausencia de comando ou texto nas entradas e o suficiente.

    1.6 Colunas

    O LATEX trabalha muito bem com colunas. Esse recurso pode ser usado atraves do pacote

    multicol. Ele e introduzido no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{multicol}

    A ativacao desse pacote deve ser feita atraves de um ambiente. Observe:

    Abordaremos,

    neste artigo,

    questoes de

    cultura e

    identidade a

    partir das di-

    versas con-

    cepcoes e

    perspecti-

    vas cons-

    trudas na

    linha antro-

    pologica mo-

    derna, levan-

    tando dis-

    cussoes no

    que tange a`

    realidade da

    preservacao

    dos sabe-

    res popula-

    res nas co-

    munidades

    Elesbao e

    Lagoa dos

    Indios do

    estado do

    Amapa. a`

    globalizacao.

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    \usepackage[brazil]{babel}

    \usepackage{multicol}

    \begin{document}

    \begin{multicols}{2}

    Abordaremos, neste artigo, quest~oes

    de cultura e identidade a partir das

    diversas concepc~oes e perspectivas

    construdas na linha antropologica

    moderna, levantando

    discuss~oes no que tange a` realidade

    da preservac~ao dos saberes populares

    nas comunidades Elesb~ao e Lagoa

    dos Indios do estado do Amapa.

    \end{multicols}

    \end{document}

    O numero 2 (dois) se refere ao numero de colunas4 desejado. Em resumo o comando

    pode ser interpretado como

    \begin{multicols}{numero de colunas} texto... \end{multicols}

    4O comando \setlength{\columnseprule}{0,5pt} define linha entrecolunas.

    11

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.7. Quebra de linha e quebra de pagina

    1.7 Quebra de linha e quebra de pagina

    O uso da quebra de linha (mudanca de linha sem recuo) e feito atraves de duas barras

    invertidas \\. O resultado e uma mudanca de linha com espaco padrao5 entre paragrafos. Porem,espacos personalizados podem ser conseguidos com o auxlio de um argumento6 junto ao comando.

    Veja,

    \\[length] , um exemplo disso e o comando \\[0,3cm]

    A quebra de pagina usa o comando \newpage. Caso seja de interesse a criacao de umapagina em branco no documento aconselho o uso do comando de caixa \mbox{ } apos \newpage.A caixa vazia fara com que o LATEX nao ignore a pagina por ausencia de conteudo. Observe o

    procedimento,

    \newpage\mbox{ }\newpage

    1.8 Orientacao de texto em linha

    Para orientar o conteudo das linhas tres comandos sao necessarios:

    1. \centerline{texto...} - para centralizar o texto;

    2. \rightline{texto...} - para orientar o texto a` direita;

    3. \leftline{texto...} - para orientar o texto a` esquerda.

    Observe os exemplos abaixo:

    Texto centralizado

    Texto orientado a` esquerda

    Texto orientado a` direita

    Veja o codigo,

    \centerline{Texto centralizado}\vskip0,1in

    \leftline{Texto orientado a` esquerda}\vskip0,1in

    \rightline{Texto orientado a` direita}

    5Espaco simples.6O leitor deve entender argumento como uma ordem opcional junto aos comandos. Geralmente, introduzida

    com a ajuda de colchetes [ ].

    12

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.9. Textos coloridos

    1.9 Textos coloridos

    Para o destaque com cores diferentes recomendo o pacote pgf. Ele pode ser introduzido

    no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{pgf}

    Entre as cores possveis temos,

    1. red (vermelho);

    2. green (verde);

    3. blue (azul).

    4. yellow (Amarelo).

    5. black (Preto).

    6. white ( branco ).

    7. brown (Marrom)

    8. violet (Violeta)

    9. orange (Laranjado)

    10. magenta (Magenta)

    11. cyan (Ciano)

    12. gray (Cinza)

    13. purple (Roxo)

    14. pink (Rosa)

    15. teal (Cerceta)

    16. lime (Cal)

    17. olive (Azeitona)

    1.9.1 Em relacao ao texto

    O destaque de texto e feito atraves do comando {\color{cor}{texto}}. Veja umexemplo,

    E certo que destaque me pus na fadiga de escrever brasileiramente, nao fiz carica-

    tura nem pandega. Todas as manifestacoes do brasileirismo lingustico que empre-

    guei, empreguei sinceramente, nao pra fazer comicidade nem mostrar burradas de

    incultos. (Mario de Andrade)

    O comando pode ser aplicado a qualquer tamanho de texto. Veja o codigo,

    E certo que {\color{red}{destaque me pus na fadiga de escrever

    brasileiramente}}, n~ao fiz {\color{brown}{caricatura nem

    pa^ndega}}. Todas as {\color{violet}{manifestac~oes do brasileirismo

    lingustico}} que empreguei, empreguei sinceramente,

    {\color{cyan}{n~ao pra fazer comicidade nem mostrar burradas de

    incultos}}. (Mario de Andrade)

    13

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.10. Espacamento das margens

    1.9.2 Em relacao a` caixa de texto e a` pagina

    Para destacar caixas7 de texto o comando \colorbox{cor}{texto} e necessario. Assimcomo o comando \pagecolor{cor} e necessario para a mudanca da cor da pagina.

    Devo ressaltar que o comando relativo a` pagina so tera efeito a partir do ponto onde o

    comando for introduzido. Observe alguns exemplos,

    1o exemplo de caixa e 2o exemplo de caixa

    Os comandos podem ser combinados livremente. Veja o codigo8,

    \colorbox{cyan}{1o exemplo de caixa} \ \ \ \ e \ \ \ \

    \colorbox{black}{\color{white}{2o exemplo de caixa}}

    Note o comando de texto dentro do comando de caixa.

    1.10 Espacamento das margens

    Para o espacamento das margens recomendo o pacote geometry. Ele pode ser introdu-

    zido no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage[top=length, left=length, right=length,bottom=length]{geometry}

    Os argumentos e o pacote sao colocados juntos no preambulo.

    1. top=length margem superior;

    2. left=length margem esquerda;

    3. right=length margem direita;

    4. bottom=length margem inferior.

    Devo alertar que length nesses argumentos significa comprimento. Geralmente, esses

    espacamentos sao dados em centmetros.

    Se o leitor deseja seguir as normas da ABNT que exigem os espacamentos superior=3cm,

    esquerda=3cm, direita=2cm e inferior=2cm. Deve proceder da seguinte forma no preambulo:

    \usepackage[top=3cm, left=3cm, right=2cm, bottom=2cm]{geometry}

    7Comando aplicado em linha, ou seja, em textos com o tamanho menor ou igual a largura do texto.8Barra invertida + espaco no codigo e igual a um espaco em branco no documento. O exemplo mostra o uso

    desse recurso.

    14

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.11. Textos sublinhados

    1.11 Textos sublinhados

    Para sublinhar textos no LATEX recomendo o pacote ulem. Ele pode ser introduzido no

    preambulo da seguinte forma:

    \usepackage[normalem]{ulem}

    Os comandos do pacote ulem sao:

    1. \uline{sublinhado}

    2. \uuline{duplo sublinhado}

    3. \uwave{:::::::::::Sublinhado

    ::::::curvo}

    4. \sout{Riscado}

    5. \xout{///////Muito//////////riscado}

    1.12 Caixas de texto

    Para colocar o texto em uma caixa um comando simples e necessario:

    \fbox{texto}

    Um exemplo de uso desse comando pode ser visto abaixo:

    Eu sou um texto repleto de caixas

    Para repetir o exemplo basta digitar o seguinte:

    {\centerline{\fbox{Eu \fbox{sou \fbox{um texto} repleto de caixas}}}}

    1.13 Janelas molduradas e nao molduradas

    1.13.1 Em relacao a janelas nao Molduradas

    O uso de janelas ou caixas de texto sem moldura e feito atraves do ambiente minipage.

    Esse recurso e usado da seguinte forma:

    \begin{minipage}[alinhamento]{largura}Texto...\end{minipage}

    O alinhamento ao redor da caixa pode ser feito atraves das letras c, t e b que significam

    no centro, no topo e por baixo, respectivamente. Veja um exemplo,

    15

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.13. Janelas molduradas e nao molduradas

    Eu sou um texto em

    uma caixa com lar-

    gura de 4cm.

    Veja o codigo,

    \begin{minipage}[c]{4cm}

    Eu sou um texto em uma caixa com largura de 4cm.

    \end{minipage}

    1.13.2 Em relacao a janelas Molduradas

    Para janelas molduradas o pacote boxedminipage e uma alternativa. Ele e adicionado

    no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{boxedminipage}

    As mesmas configuracoes do ambiente minipage sao usadas nesse pacote. Principalmente,

    aquelas que se referem a` orientacao dentro da caixa (c, t e b).

    Caso o usuario deseje criar uma caixa com a largura do texto9 deve usar o comando

    \textwidth dentro da entrada largura no ambiente criado. Observe,

    Eu sou um texto em

    uma caixa com lar-

    gura de 4cm.

    Veja o codigo,

    \begin{boxedminipage}[c]{4cm}

    Eu sou um texto em uma caixa com largura de 4cm.

    \end{boxedminipage}

    Um exemplo adicional usando o comando \textwidth.

    Eu sou um texto em uma caixa com a largura do texto.

    Veja o codigo,

    \begin{boxedminipage}[c]{\textwidth}

    Eu sou um texto em uma caixa com largura de 4cm.

    \end{boxedminipage}

    9Diz-se do espaco usado para abrigar o texto em linha.

    16

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.14. Textos refletidos e rotacionados

    1.14 Textos refletidos e rotacionados

    1.14.1 Em relacao a textos refletidos

    Para refletir textos o pacote rotating10 e necessario. Ele e adicionado no preambulo da

    seguinte forma,

    \usepackage{rotating}

    E utiliza o seguinte comando para reflexao.

    \reflectbox{texto...}

    Observe o uso desse recurso,

    Oformasalvas,brancas,formasclaras.Deluares,deneves,deneblinas...

    Veja o codigo

    \reflectbox{O formas alvas, brancas,

    formas claras. De luares, de neves, de neblinas...}

    Um exemplo aplicado no ambiente figure, pacote graphicx (secao 1.36).

    Imagem 1.1: Exemplo de imagem refletida

    Note o comando \fbox{...} em associacao com o ambiente.

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \fbox{\includegraphics[scale=1]{latex2}}

    \fbox{\reflectbox{\includegraphics[scale=1]{latex2}}}\\[0,2cm]

    10Usado para reflexao, rotacao e expansao de caixas.

    17

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.14. Textos refletidos e rotacionados

    \caption{Exemplo de imagem refletida}

    \end{figure}

    1.14.2 Em relacao a textos rotacionados

    A rotacao11 de textos e feita atraves do comando \rotatebox{angulo}{texto...}.Veja um exemplo,

    euso

    u

    um text

    o

    com rotacoes

    Veja o codigo,

    \rotatebox{45}{eu sou} um \rotatebox{90}{texto} com

    \rotatebox{330}{rotac~oes}

    Como pode ser percebido. O texto e tratado como uma caixa (box) e rotacionado segundo

    o angulo escolhido. O mesmo vale para figuras. Observe,

    Imagem 1.2: Exemplo de imagem rotacionada

    Esse resultado e conseguido atraves dos comandos,

    11A rotacao de textos utiliza o pacote rotating.

    18

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.15. Fontes: estilos, tamanhos e ligaduras

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \rotatebox{10}{\fbox{\includegraphics[scale=0.27]{tex}}}\\

    \caption{Exemplo de imagem rotacionada}

    \end{figure}

    O leitor deve visitar a secao que trata da inclusao de figuras no texto para obter mais

    detalhes (ver pag. 46).

    1.15 Fontes12: estilos, tamanhos e ligaduras

    1.15.1 Em relacao a italico e negrito

    A mudanca para italico pode ser feita atraves do comando \textit{texto...}. Assim comoo comando \textbf{texto...} pode ser usado para negrito. Veja:

    Eu sou um exemplo pratico de italico e negrito!

    1.15.2 Em relacao a` escala

    O LATEX possui escalas para as fontes. Observe:

    Comando 10pt 11pt 12pt

    \tiny{...} 5pt 6pt 6pt\scriptsize{...} 7pt 8pt 8pt\footnotesize{...} 8pt 9pt 10pt\small{...} 9pt 10pt 11pt\normalsize{...} 10pt 11pt 12pt\large{...} 12pt 12pt 14pt\Large{...} 14pt 14pt 17pt\LARGE{...} 17pt 17pt 20pt\huge{...} 20pt 20pt 25pt\Huge{...} 25pt 25pt 25pt

    Tabela 1.1: Escalas possveis

    12Conjunto de caracteres tipograficos que inclui, em dada proporcao, letras de caixa-baixa e caixa-alta, algaris-mos, sinais, etc

    19

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.15. Fontes: estilos, tamanhos e ligaduras

    A escala anterior (exemplo) mostra a mudanca no tamanho das fontes e o comando

    equivalente. Se for de interesse o uso de fontes extremamente grandes o comando \resizebox{ !}{altura}{texto...} e uma sada. Observe:

    eu sou um texto com fontes personalizadasVeja os comandos,

    {\footnotesize{eu}} sou

    {\LARGE{um texto}} com fontes

    \resizebox{!}{1cm}{personalizadas}

    Recomenda-se o uso de comandos locais13 para esses recursos.

    1.15.3 Em relacao a estilos14

    De forma semelhante a italico e negrito o LATEX incorpora estilos diferentes para a

    exibicao de texto. Veja:

    Comando Estilo Descricao

    \rm{...} Roman Romano\sl{...} Slanted Inclinado\sf{...} Sans Serif Sans Serif\sc{...} Small Caps Letra de forma\tt{...} Typewriter Maquina de escrever

    1.15.4 Em relacao a ligaduras

    Existem casos em que a combinacao de letras torna-se desagradavel visivelmente. Algo

    do tipo fffff. As letras parecem se ligar dando um efeito ruim ao texto. Isso pode ser resolvido

    com o uso do comando \mbox{ }. Observe:

    Note a mudanca em fffff

    Veja os comandos,

    Note a mudanca em f\mbox{}f\mbox{}f\mbox{}f\mbox{}f

    13Comandos entre chaves{..}.14Maneira de escrever caracterizada pelo emprego de expressoes proprias.

    20

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.16. Posicionamento atraves de ambiente

    1.16 Posicionamento atraves de ambiente

    1.16.1 Em relacao a` centralizacao

    A centralizacao de texto15 pode ser feita atraves do ambiente center.

    \begin{center} texto... \end{center}

    Um exemplo pode ser visto abaixo:

    Eu sou um texto centralizado!

    \begin{center}

    Eu sou um texto centralizado!

    \end{center}

    Note a orientacao da caixa moldurada a seguir:

    Eu sou uma caixa centralizada!

    Veja o codigo,

    \begin{center}

    \begin{boxedminipage}[t!]{6cm}

    Eu sou uma caixa centralizada!

    \end{boxedminipage}

    \end{center}

    1.16.2 Em relacao ao posicionamento a` esquerda

    O posicionamento a` esquerda pode ser feito atraves do ambiente flushleft.

    \begin{flushleft} texto...\end{flushleft}

    Um exemplo pode ser visto abaixo:

    Eu sou um texto orientado a`

    esquerda!

    \begin{flushleft}

    Eu sou um texto orientado a` esquerda!

    \end{flushleft}

    15O mesmo para caixas, figuras e tabelas.

    21

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.16. Posicionamento atraves de ambiente

    Note a imagem a seguir:

    Veja os comandos,

    \begin{flushleft}

    \fbox{\includegraphics[scale=0.3]{latex4}}

    \end{flushleft}

    Visite a secao 1.36 para mais detalhes sobre imagens.

    1.16.3 Em relacao ao posicionamento a` direita

    O posicionamento a` direita pode ser feito atraves do ambiente flushright.

    \begin{flushright} texto...\end{flushright}

    Um exemplo pode ser visto abaixo:

    Eu sou um texto orientado a`

    direita!

    \begin{flushright}

    Eu sou um texto orientado a` direita!

    \end{flushright}

    Note a tabela a seguir:

    22

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.17. Trabalhando com Counters

    Aluno Nota Situacao

    Bianca de Melo Mourao 4,8 RP

    Renata da Costa Castillo 8 AP...

    ......

    Veja os comandos,

    \begin{flushright}

    \begin{tabular}{|c|c|c|}

    \hline

    \textbf{Aluno} & \textbf{Nota} & \textbf{Situac~ao} \\ \hline \hline

    Bianca de Melo Mour~ao & {\color{red}{4,8}} &

    {\color{red}{RP}} \\ \hline

    Renata da Costa Castillo & {\color{blue}{8}} &

    {\color{blue}{AP}} \\ \hline

    $\vdots$ & $\vdots$ & $\vdots$ \\

    \hline

    \end{tabular}

    \end{flushright}

    Visite o Captulo 2, secao 2.18, pagina 65 para mais detalhes sobre tabelas.

    1.17 Trabalhando com Counters

    Counter e o estilo de numeracao usado para numerar captulos, secoes, tabelas, etc. Ge-

    ralmente, um numero natural. Um exemplo disso e o counter chapter16 que imprime a numeracao

    dos captulos em numeros arabicos.

    1.17.1 Alterando o valor de um counter

    Para alterar o valor de um counter o seguinte comando e necessario:

    \setcounter{counter}{novo valor}

    Note o exemplo \setcounter{page}{novo valor}. O counter page (pagina) redefinea numeracao das paginas.

    Em outras palavras, os counters reiniciam a numeracao a partir do novo valor escolhido.

    16Classe report.

    23

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.18. Espacos horizontais e verticais

    1.17.2 Alterando o estilo de um counter

    Normalmente, o estilo de numeracao dos counters e arabico. Caso seja importante a

    mudanca desse estilo alguns passos sao necessarios.

    O primeiro passo diz respeito aos estilos. O LATEX possui os seguintes:

    1. roman (numeros romanos minusculos);

    2. Roman (numeros romanos maiusculos);

    3. alph ( letras minusculas);

    4. Alph (letras Maiusculas).

    O segundo se refere ao parametro \the que deve preceder o nome do counter no comando.Apos essas consideracoes podemos usar uma redefinicao de comando. Veja:

    \renewcommand{\thecounter}{\estilo{counter}}

    Um exemplo disso e a mudanca de estilo dos captulos. Observe:

    \renewcommand{\thechapter}{\Roman{chapter}}

    O usuario tera como resultado a mudanca de numeracao dos captulos para numeros

    romanos maiusculos.

    1.18 Espacos horizontais e verticais

    O LATEX possui comandos para o controle de espacos verticais e horizontais. Veja:

    1. \vspace{comprimento} - espaco vertical;

    2. \hspace{comprimento} - espaco horizontal.

    Note as figuras17 a seguir,

    (a) (b)

    Imagem 1.3: Exemplo de espaco horizontal

    Veja os comandos,

    17Visite a secao 1.36 para mais detalhes.

    24

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.18. Espacos horizontais e verticais

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \fbox{\subfigure[ ]{\includegraphics[scale=0.14]{tex2}}\hspace{3,6cm}

    \subfigure[ ]{\includegraphics[scale=0.12]{tex3}}}\\[0,2cm]

    \caption{Exemplo de espaco horizontal\label{pedro4}}

    \end{figure}

    Note as caixas a seguir,

    Caixa

    para

    exemplo!

    Caixa para

    exemplo!

    Caixa para exemplo!

    Veja os comandos,

    \begin{boxedminipage}[t!]{2cm}

    Caixa para exemplo!

    \end{boxedminipage}

    \vspace{0,5cm}\\\hspace*{3cm}

    \begin{boxedminipage}[t!]{3cm}

    Caixa para exem\-plo!

    \end{boxedminipage}

    \vspace{1,3cm}\\\hspace*{5cm}

    \begin{boxedminipage}[t!]{4cm}

    Caixa para exemplo!

    \end{boxedminipage}

    Observe a diferenca de espaco horizontal entre (a) e (b) da Imagem 1.3 e a diferenca de

    espaco vertical entre as caixas (boxes) anteriores.

    O smbolo * (asterisco) define espacos forcados, ou seja, quando ambientes ou entradas

    nao permitem a mudanca de length18.

    18Como ja foi dito length significa comprimento

    25

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.19. Criacao de listas

    1.19 Criacao de listas

    Existem tres opcoes basicas para a criacao de listas. Os ambientes: itemize, enumerate

    e description.

    1.19.1 Em relacao ao ambiente itemize

    O ambiente itemize e caracterizado pela listagem atraves de pontos escuros. Para usar

    esse recurso os seguintes comandos sao necessarios:

    \begin{itemize}\item{texto}\item{texto} ...\end{itemize}

    Note o exemplo abaixo,

    Eu sou o primeiro;

    Eu sou o segundo;

    Eu sou o terceiro.

    \begin{itemize}

    \item Eu sou o primeiro;

    \item Eu sou o segundo;

    \item Eu sou o terceiro.

    \end{itemize}

    Caso seja necessario a mudanca do smbolo19 ( ), a introducao de um argumento aposcada entrada (\item ) e necessario. Observe:

    a) Exemplo 1;

    b) Exemplo 2;

    c) Exemplo 3.

    Veja os comandos,

    \begin{itemize}

    \item[a)] Exemplo 1;

    \item[b)] Exemplo 2;

    \item[c)] Exemplo 3.

    \end{itemize}

    O novo smbolo deve ser introduzido atraves de dois (2) colchetes [ ] apos cada entrada.

    19O mesmo para enumerate.

    26

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.19. Criacao de listas

    1.19.2 Em relacao ao ambiente enumerate

    O ambiente enumerate funciona de forma semelhante ao itemize. A diferenca reside na

    forma de listagem.

    1. Eu sou o primeiro.

    2. Eu sou o segundo.

    3. Eu sou o terceiro.

    \begin{enumerate}

    \item Eu sou o primeiro.

    \item Eu sou o segundo.

    \item Eu sou o terceiro.

    \end{enumerate}

    Esse ambiente lista atraves de numeros arabicos.

    1.19.3 Em relacao ao ambiente description

    Analogamente, o ambiente description lista atraves de negrito, ou seja, o usuario precisa

    definir o que deve ser destacado da seguinte forma:

    \begin{description}\item[destaque] texto normal ...\end{description}

    A introducao de destaques funciona de forma analoga a mudanca de smbolos de listagem

    nos dois ambientes anteriores. Veja um exemplo:

    Macapa e uma bela cidade do

    norte do pas;

    Porto Grande fica a poucos

    quilometros de Macapa;

    O verao macapaense e distin-

    tamente quente.

    \begin{description}

    \item[Macapa] e uma bela cidade

    do norte do pas;

    \item[Porto Grande] fica a poucos

    quilometros de Macapa;

    \item[O ver~ao macapaense] e

    distintamente quente.

    \end{description}

    O nao uso de colchetes20 implica na inexistencia de destaque no tem referente.

    20Os colchetes devem suceder a entrada (\item) ou serao ignorados.

    27

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.20. Lengths

    1.20 Lengths

    Lengths sao medidas21 de comprimento usadas pelo LATEX. Um exemplo e o recuo entre

    paragrafos citado na secao 1.4 (ver pag. 9). Observe:

    Unidade Nome Equivale a

    pt Pontos 1/72,27 in

    mm Milmetro 2,845 pt

    pc Pica 12 pt

    cm Centmetro 10 mm

    in Polegada 25,4 mm

    ex Ex A altura da letra x

    em Em A altura da letra M

    Tabela 1.2: Lengths e seus valores

    Geralmente, sao representadas por um numero seguido de uma unidade de compri-

    mento conforme mostra a Tabela 1.2.

    1.20.1 Tipos de Length

    Existem diferentes tipos de length relativos a partes especficas do documento. O recuo

    de texto e um exemplo. O usuario deve pensar sobre a sua importancia, pois lidar com espacos

    e comum em qualquer texto. Veja um exemplo22:

    Imagem 1.4: Exemplo de length no ambiente figure

    21Podem ser positivas, negativas ou nulas.22Visite a secao 1.36 para mais detalhes sobre figuras.

    28

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.20. Lengths

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \fbox{\includegraphics[scale=0.3]{tex4}}\vspace{0,2cm}

    \caption{Exemplo de length no ambiente figure\label{pedro13}}

    \end{figure}

    Note \vspace{0,2cm} na Imagem 1.4. Nesse caso 0,2cm e um exemplo de length.

    1.20.2 Em relacao a length commands

    Length commands sao comandos onde os valores sao lengths. Na secao 1.4 sobre recuos

    foi citado um exemplo de length command. A funcao desse comando diz respeito a alteracao

    do valor padrao dos recuos (\setlength{\parindent}{novo valor}).Veja alguns length commands,

    Length command Descricao

    \parindent Recuo de texto\hoffset Margem horizontal esquerda\voffset Margem vertical superior\textheight Altura do texto\textwidth Largura do texto\abovecaptionskip Espaco entre caption e figura/tabela\baselineskip Espaco entrelinhas

    Tabela 1.3: Length Commands

    1.20.3 Alterando o valor de um length command

    Para alterar o valor de um length command o seguinte comando e necessario:

    \setlength{length command}{novo valor}

    Se for de interesse somar um valor a um length command, ou seja, aumentar atraves de

    adicao o seguinte comando e necessario:

    \addtolength{length command}{valor a ser aderido}

    Observe um exemplo23:

    23Para apenas uma parte do documento recomenda-se o uso de comando local.

    29

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.21. Preenchendo com espacos em branco

    Eu sou um texto com recuo de 1,5cm + 1,5cm aderido atraves do comando

    addtolength.

    Veja os comandos,

    {\addtolength{\parindent}{1,5cm} Eu sou um texto com recuo de 1,5cm + 1,5cm

    aderido atraves do comando \textbf{addtolength}.}

    1.21 Preenchendo com espacos em branco

    Esse recurso pode ser usado de duas formas diferentes:

    1. \hfill para preenchimento horizontal;

    2. \vfill para preenchimento vertical.Observe os exemplos:

    Eu sou um exemplo basico de preenchimento horizontal!

    Veja o codigo,

    Eu sou um exemplo basico de \hfill preenchimento horizontal!

    Analogamente, o comando \vfill preenche a pagina com espacos verticais em branco apartir do ponto referente.

    1.22 Hifenizacao

    Existem casos em que a divisao silabica se mostra ineficiente. Isso pode ser resolvido

    atraves de um comando que serve para ensinar o LATEX a dividir corretamente as palavras. Veja:

    \hyphenation{palavras com divisao silabica feita atraves de hfens}

    Outra forma de dividir as palavras e atraves de \- (barra + hfen) de forma isoladaem qualquer parte do texto. Diferente do comando hyphenation que abrange todo o documento.

    Observe:

    Somos palavras com divisao isolada. Um exemplo basico!

    Veja os comandos,

    So\-mos pa\-la\-vras com di\-vi\-s~ao iso\-lada.

    Um exem\-plo ba\-si\-co!

    Para evitar a divisao silabica automatica recomenda-se o uso do comando \mbox{pala-vra}.

    30

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.23. Layout do documento

    1.23 Layout do documento

    O LATEX tem como padrao o layout retrato. Caso o usuario deseje usar o estilo paisa-

    gem deve faze-lo atraves da 1o parte do preambulo. Veja um exemplo:

    \documentclass[12pt,a4paper, landscape]{report}

    A introducao da palavra landscape24 no preambulo (ver exemplo anterior) provoca a

    mudanca de layout em todas as paginas do documento.

    Para apenas uma parte do documento recomendo o uso do pacote lscape. Esse recurso

    e usado atraves de ambiente. Observe:

    \begin{landscape} texto... \end{landscape}

    Retrato

    Paisagem

    Imagem 1.5: Exemplos do estilo retrato e paisagem, respectivamente

    24Landscape significa paisagem em ingles.

    31

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.23. Layout do documento

    Eu

    sou

    um

    apag

    ina

    de

    exem

    plo

    do

    pac

    ote

    lsca

    pe

    (ver

    seca

    o1.

    23).

    Imagem

    1.6

    :E

    xem

    plo

    de

    imag

    emusa

    ndo

    layo

    ut

    landsc

    ape

    Vej

    aos

    com

    andos

    ,

    \begin{landscape}

    Eu

    souuma

    paginade

    exemplo

    do

    pacote

    lscape

    (ver

    sec~ao

    \ref{pedro14}).\vskip0,1in

    \begin{figure}[h!]

    \centering\fbox{\reflectbox{\includegraphics[scale=0.4]{latex11}}

    \includegraphics[scale=0.4]{latex11}}\caption{Exemplo

    deimagem

    usandolayout

    landscape}

    \end{figure}

    \end{landscape}

    32

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.24. Comentarios e Verbatim

    1.24 Comentarios e Verbatim

    1.24.1 Em relacao a Comentarios

    A introducao de comentarios no codigo fonte pode ser feito atraves do smbolo %. Veja:

    Eu sou um texto sobre o uso de comentarios no codigo fonte.

    Veja os comandos,

    Eu sou um texto sobre o uso de comentarios no codigo

    fonte.%A partir desse ponto o texto e ignorado.

    Imagem 1.7: Exemplo de comentarios dentro do codigo

    O smbolo % perde efeito apos a mudanca de linha.

    1.24.2 Em relacao a Verbatim

    O LATEX possui um ambiente para a contencao do codigo escrito, ou seja, o que e digitado

    e impresso como foi digitado. Esse recurso pode ser usado da seguinte forma:

    \begin{verbatim} codigo... \end{verbatim}

    Veja os comandos da linha anterior,

    \centerline{\fbox{\barra begin\{verbatim\} codigo...

    \barra\{verbatim\}}}

    Esse ambiente e importante para mostrar o codigo usado quando necessario.

    33

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.25. Referencias Cruzadas e Hyperlinks

    1.25 Referencias Cruzadas e Hyperlinks

    1.25.1 Em relacao a Referencias Cruzadas

    O uso de referencias cruzadas pode ser feito atraves dos comandos:

    1. \label{nome da marca} marca um local de referencia;

    2. \ref{nome da marca} cita o counter25 do local marcado;

    3. \pageref{nome da marca} cita o counter da pagina marcada.

    Para marcar imagens e tabelas o usuario deve colocar o comando \label{...} dentro docomando \caption{...}26. Para os demais a introducao dentro do ambiente ou apos o counter e osuficiente.

    Imagem 1.8: Exemplo de imagem com label

    Observe um exemplo do que foi dito anteriormente na imagem 1.8 (ver pag. 34).

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \fbox{\includegraphics[scale=0.52]{latex9}}

    \caption{Exemplo de imagem com label\label{pedro18}}

    \end{figure}\noindent\vskip0in

    25Visite a secao 1.17 para mais detalhes sobre counters.26Significa ttulo em ingles.

    34

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.26. Caracteres especiais

    Observe um exemplo do que foi dito anteriormente

    na imagem \ref{pedro18} (ver pag. \pageref{pedro18}).

    1.25.2 Em relacao a Hyperlinks

    O uso de hyperlinks pode ser feito atraves do pacote hyperref. Ele deve ser adicionado

    no preambulo da seguinte forma:

    \usepackage{hyperref}

    Esse pacote introduz links de acesso rapido aos counters de referencia do documento

    usando o sumario ou referencias cruzadas.

    Apos a compilacao ele adiciona um efeito de moldura vermelha aos links. A retirada

    dessa moldura pode ser feita atraves de ordens opcionais27. Veja:

    \usepackage[colorlinks, linkcolor=black, urlcolor=black]{hyperref}

    Links de URL podem ser adicionados com o comando \href{url}{Apelido}.

    1.26 Caracteres especiais

    Sao os caracteres usados pelos comandos. O $ e um exemplo, pois delimita o modo

    matematico. Veja alguns exemplos de introducao desses caracteres.

    Caractere Comando

    $ \$% \%

    \} \}{ \{ \{ }& \ \# \{ }\ $\setminus $

    Tabela 1.4: Caracteres especiais

    27Ordens nao obrigatorias. Geralmente, guardadas por colchetes [...]

    35

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.27. Criacao de linhas e pontilhados

    1.27 Criacao de linhas e pontilhados

    1.27.1 Em relacao a linhas

    Para a criacao de linhas um comando simples e necessario. Veja:

    \rule{largura}{altura}

    Note o exemplo a seguir:

    CONTROLE DE NOTAS

    Docente: Pedro Miranda Araujo

    Discente: Turma:

    Veja os comandos,

    \begin{flushleft}

    CONTROLE DE NOTAS\\[0,1in]

    Docente: Pedro Miranda Araujo\\[0,1in]

    Discente: \rule{8cm}{0,5pt} Turma: \rule{4cm}{0,5pt}

    \end{flushleft}

    Se for necessario a criacao de uma linha com a largura do texto. O comando \hrulefill euma alternativa. Observe:

    Possui efeito semelhante ao comando \hfill citado na secao 1.21 (ver pag. 30).

    1.27.2 Em relacao a Pontilhados

    A criacao de pontilhados pode ser feita atraves do comando \dotfill. Veja:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    Esse recurso preenche a linha com pontos.

    1.28 Paginas de ttulo

    A criacao de paginas de ttulo pode ser feita atraves do ambiente titlepage. Veja:

    \begin{titlepage} texto... \end{titlepage}

    Observe a imagem a seguir,

    Veja os comandos,

    36

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.28. Paginas de ttulo

    UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPACURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMATICA

    JEAN JACQUES ROUSSEAULEONARDO DA VINCI

    Introducao ao Calculo de edificacoes:

    Nocoes Preliminares

    MACAPA-AP2011

    Imagem 1.9: Exemplo de pagina de ttulo

    37

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.28. Paginas de ttulo

    \documentclass[12pt,a4paper]{report}

    \usepackage[top=3cm,left=3cm,right=2cm,bottom=2cm]{geometry}

    \usepackage[brazil]{babel}

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    \usepackage{graphicx}

    \usepackage{hyperref}

    \usepackage{setspace}

    \begin{document}

    \vspace*{-1,5cm}

    \thispagestyle{empty}

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \includegraphics[width=2.5cm,height=2.1cm]{UNIFAP}\vspace{-0,35cm}

    \end{figure}

    \vspace{-0,2in}

    \begin{center}{\large{UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPA\vskip0,1cm

    CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMATICA}}

    \vskip0,3in

    {JEAN JACQUES ROUSSEAU\\

    LEONARDO DA VINCI\\}

    \vspace{6cm}\noindent\onehalfspacing

    \Huge{\textbf{Introduc~ao ao Calculo de edificac~oes:} Noc~oes Preliminares}

    \vfill\singlespacing

    \normalsize{MACAPA-AP

    \\2011}

    \end{center}

    \vspace{-0,5cm}

    \end{document}

    Alem do ambiente titlepage o LATEX oferece outra alternativa para a criacao de paginas

    de ttulo. Atraves de informacoes que devem ser colocadas no preambulo. Veja:

    1. \title{...} Ttulo do trabalho;

    2. \author{...} Nome do autor;

    3. \date{...} Data de publicacao.

    Apos essas consideracoes o usuario pode chamar a pagina atraves do comando \maketitle.Na classe article um argumento opcional (titlepage) deve ser adicionado a` 1o parte do

    preambulo para que seja gerada uma pagina separada com o ttulo. Observe:

    38

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.29. Estilos de impressao

    \documentclass[12pt,a4paper,titlepage]{article}

    1.29 Estilos de impressao

    A alteracao do estilo de impressao pode ser feita atraves de tres argumentos adicionais

    na 1o parte do preambulo. Veja:

    1. oneside para a impressao em apenas um lado da pagina;

    2. twoside para a impressao nos dois lados da pagina;

    3. openright para manter os captulos no lado direito28.

    Por exemplo, o usuario deve proceder da seguinte forma. Veja:

    \documentclass[12pt,a4paper,twoside,openright]{report}

    1.30 Notas de rodape

    O uso de notas de rodape pode ser feito atraves do comando:

    \footnote{nota de rodape}

    Observe um exemplo:

    O autor Olavo Bilac29 foi considerado o prncipe dos poetas brasileiros.

    Veja os comandos,

    O autor Olavo Bilac\footnote{Morreu em 1918.} foi considerado

    o prncipe dos poetas brasileiros.

    Verifique a nota referente no pe da pagina.

    1.31 Indentacao

    Existem casos em que a introducao de lengths30 se mostra ineficiente devido a in-

    dentacoes. Em outras palavras existem comandos que impoem valores para os paragrafos31.

    Um exemplo e o comando \section{...}.Caso seja de interesse a anulacao desse efeito. O seguinte comando e necessario:

    28Apenas para a classe report.29Morreu em 1918.30Visite a secao 1.20 para mais detalhes sobre Lengths.31Geralmente, apos a entrada do comando.

    39

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.32. Partes do documento

    \noindent

    O paragrafo perdera a indentacao a partir do ponto onde o comando for adicionado.

    1.32 Partes do documento

    O LATEX oferece recursos para a divisao logica do documento. Veja:

    Comando Descricao

    \part{...} Parte\chapter{...} Captulo\section{...} Secao\subsection{...} Subsecao\subsubsection{...} Subsubsecao\paragraph{...} Paragrafo\subparagraph{...} Subparagrafo

    Tabela 1.5: Partes do documento

    Se for necessario o uso sem um counter32 o usuario deve adicionar um asterisco ao

    comando. Veja um exemplo:

    \section{...}

    1.32.1 Em relacao ao sumario

    O Sumario pode ser adicionado com a ajuda do comando \tableofcontents (tabela deconteudos). Geralmente, duas compilacoes sao necessarias para a sua estruturacao.

    A introducao de partes33 nao numeradas pode ser feita com a ajuda do comando:

    \addcontentsline{parametro}{parte}{ttulo da parte}

    Os parametros possveis para o comando sao:

    1.32.1.1 Depth34 e counters adicionais

    O LATEX nao numera subsubsecoes, paragrafos e subparagrafos. Caso exista essa neces-

    sidade o leitor deve proceder atraves dos comandos:

    32Sem numeracao (contador).33Adicione no comando o nome da parte desejada em ingles. Visite a Secao 1.32, pag. 40.34Significa profundidade. Em outras palavras, as unidades que devem ser numeradas.

    40

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.32. Partes do documento

    Parametro A que parte esta relacionado

    toc Para captulos, secoes e similares

    lof Para figuras

    lot Para tabelas

    Tabela 1.6: Parametros para a personalizacao de listas de conteudo

    1. \setcounter{tocdepth}{nvel} - determina a profundidade dos contadores;

    2. \setcounter{secnumdepth}{nvel} - determina ate onde deve ser numerado.

    Este tutorial e um exemplo de uso desse recurso. Veja os nveis possveis:

    Nvel Parte do documento

    0 Captulo

    1 Secao

    2 Subsecao

    3 Subsubsecao

    4 Paragrafo

    5 Subparagrafo

    Tabela 1.7: Nveis e partes do documento

    1.32.2 Em relacao a Referencias Bibliograficas

    A construcao das Referencias pode ser feita atraves do ambiente thebibliography.

    \begin{thebibliography}{no de tens}\bibitem{marca}...\end{thebibliography}

    Cada entrada ocorre atraves do comando \bibitem{marca}{...}. A marca nao e impressae serve como referencia atraves do comando \cite{marca}. Observe:

    Imagem 1.10: Exemplo de Referencias Bibliograficas

    41

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.33. Renomeando partes do documento

    Veja os comandos,

    \begin{thebibliography}{99}

    \bibitem{Almeida}{Almeida, H. P., \emph{Introduc~ao a` Teoria dos

    Codigos}, Editora da UFPB, 1999.}

    \bibitem{silva}{Silva, A. A., \emph{Matematica Elementar},

    notas de aula, 1997.}

    \bibitem{Pedro} Araujo. P.M., \emph{Monitoria LATEX}, notas de aula,

    2010. UNIFAP.

    \end{thebibliography}

    1.32.3 Em relacao a Lista de Figuras e Tabelas

    A criacao da lista de figuras pode ser feita atraves do comando \listoffigures. Analo-gamente, \listoftables para a lista de tabelas.

    1.33 Renomeando partes do documento

    Para renomear partes do documento uma redefinicao de comando e necessaria. Veja:

    \renewcommand{\entradaname}{Novo nome}

    Observe uma tabela com as principais entradas35.

    Parte do documento Entradas

    Captulo chapter

    Sumario contents

    Lista de Figuras listfigure

    Lista de Tabelas listtable

    Referencias bibliograficas bib ou ref

    Indice Remissivo index

    Apendice appendix

    Figuras figure

    Tabelas table

    Tabela 1.8: Renomeacao de partes do documento

    O exemplo a seguir serve para alterar o nome da parte Referencias de Referencias para

    Referencias Bibliograficas na classe article.

    35As entradas, no caso, correspondem a`s partes do documento.

    42

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.34. Personalizacao de listas

    \renewcommand{\refname}{Referencias Bibliograficas}

    As imagens deste tutorial sao um exemplo de uso desse recurso36.

    Imagem 1.11: Observe a mudanca citada pela nota de rodape 36

    1.34 Personalizacao de listas

    Existe um pacote para a personalizacao das listas (ver secao 1.19). Algo como o ajuste

    dos espacamentos e a alteracao automatica dos counters. Evitando com isso o uso de colchetes [

    ] a cada entrada de tem. Ele se chama enumitem.

    Veja os argumentos37 mais importantes:

    Argumento Descricao

    label=\estilo* Para definir o estilo dos countersleftmargin=length Espacamento da margem esquerda

    rightmargin=length Espacamento da margem direita

    itemsep=length Espacamento vertical

    align=posicionamento Orientacao dos counters

    Tabela 1.9: Personalizacao de listas

    Os estilos possveis sao citados na subsecao 1.17.238. Os lengths devem ter a parte

    decimal separada por ponto e nunca vrgula. A orientacao diz respeito a esquerda (left) e a

    direta (rigth). Observe:

    36Ocorreu uma alteracao de nome de Figura para Imagem.37Devem ser adicionados como ordens opcionais, ou seja, atraves de colchetes [ ].38Secao 1.17, pag. 23, que fala sobre o uso de counters.

    43

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.35. Ambientes quote, quotation e verse

    i. Primeiro tem;

    ii. Segundo tem;

    iii. Terceiro tem;

    Note a mudanca na orientacao dos counters,

    i. Primeiro tem;

    ii. Segundo tem;

    iii. Terceiro tem;

    Veja os comandos,

    \begin{enumerate}[label=\roman*.,leftmargin=1.5cm,itemsep=0.5cm]

    \item Primeiro tem;

    \item Segundo tem;

    \item Terceiro tem;

    \end{enumerate}\noindent\vskip0in

    Note a mudanca na orientac~ao dos counters,\vskip0in

    \begin{enumerate}[label=\roman*.,leftmargin=1.5cm,itemsep=0.5cm,align=left]

    \item Primeiro tem;

    \item Segundo tem;

    \item Terceiro tem;

    \end{enumerate}

    1.35 Ambientes quote, quotation e verse

    1.35.1 Em relacao a quote e quotation

    Usados em citacoes. O primeiro em citacoes curtas39 e o segundo em citacoes longas40.

    Observe:

    A vida na fazenda se tornava dificil. Sinha Vitoria benzia-se tremendo, manejava o

    rosario, mexia os beicos rezando rezas desesperadas...

    (Graciliano Ramos - Vidas Secas)

    39Geralmente, todo o texto digitado e tratado como um paragrafo.40Um novo paragrafo e caracterizado por um recuo de texto. Apenas no quotation isso e possvel.

    44

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.35. Ambientes quote, quotation e verse

    (Bertoleza) devia ser esmagada devia ser suprimida (...). Ela era o torpe balcao

    da primitiva bodega; era o aladroado vintenzinho de manteiga em papel pardo; era o

    peixe trazido da praia e vendido a` noite ao lado do fogareiro a` porta da taberna....

    (Aluizio Azevedo - O Cortico)

    Veja os comandos

    \vskip0in\begin{quote}

    A vida na fazenda se tornava dificil. Sinha Vitoria benzia-se

    tremendo, manejava o rosario, mexia os beicos rezando

    rezas desesperadas...\vskip0,1in

    \hfill (Graciliano Ramos - Vidas Secas)

    \end{quote}\noindent\vskip0in

    \begin{quotation}

    (Bertoleza) devia ser esmagada devia ser suprimida (...). Ela era o

    torpe balc~ao da primitiva bodega; era o aladroado vintenzinho

    de manteiga em papel pardo; era o peixe trazido da praia

    e vendido a` noite ao lado do fogareiro a` porta da taberna...

    .\vskip0,1in\hfill (Aluizio Azevedo - O Cortico)

    \end{quotation}

    1.35.2 Em relacao a verse

    Ambiente usado em textos poeticos. Observe:

    Poetica

    Estou farto do lirismo comedido

    Do lirismo bem comportado

    Do lirismo funcionario publico com livro de pronto expediente, protoloco e mani-

    festacoes de apreco ao sr. diretor.

    Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionario o cunho vernaculo de

    um vocabulo

    Abaixo os puristas...

    (Manuel Bandeira)

    O recuo indica a continuacao do verso.

    Veja os comandos,

    45

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    \begin{verse}

    \emph{\textbf{\uline{Poetica}}}\\ \vskip0,1in

    Estou farto do lirismo comedido\\

    Do lirismo bem comportado\\

    Do lirismo funcionario publico com livro de

    pronto expediente, protoloco e manifestac~oes de apreco ao sr. diretor.\\

    Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no

    dicionario o cunho vernaculo de um vocabulo\\

    Abaixo os puristas...\\ \vskip0,1in

    (Manuel Bandeira)

    \end{verse}

    1.36 Figuras

    O uso de figuras pode ser feito atraves do pacote graphicx. Esse recurso funciona atraves

    de ambiente. Observe:

    Imagem 1.12: Exemplo de imagem usando o ambiente figure

    46

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering \fbox{\includegraphics[scale=0.8]{latex15.jpg}}

    \caption{Exemplo de imagem usando o ambiente figure}

    \end{figure}

    Como pode ser notado o ambiente usa comandos e argumentos. Veja a importancia de

    cada um deles:

    1. [h!] - esse argumento prioriza a inclusao da figura no local onde aparece no texto;

    2. \centering - serve para manter a figura centralizada;

    3. \includegraphics[scale=0.8]{latex15.jpg} - Comando para a inclusao da figura.Contem o nome da figura, juntamente com a sua extensao e a escala em que deve ser

    apresentada;

    4. \caption{Exemplo de imagem usando o ambiente figure} - ttulo da figura.

    O tem (1) pode ser alterado segundo a vontade do leitor, ou seja, existem mais tres

    opcoes: t (top) deve aparecer no topo da pagina, b (bottom) deve aparecer no fundo e p deve

    aparecer em uma pagina separada.

    1.36.1 Em relacao a` rotacao, a largura e a altura

    Esses recursos podem ser usados da seguinte forma. Observe:

    Imagem 1.13: Exemplo dos recursos largura, altura e rotacao

    47

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering \includegraphics[width=12cm, height=8.4cm, angle=2]{latex16}

    \caption{Exemplo dos recursos largura, altura e rotac~ao}

    \end{figure}

    width e height transformam a imagem em uma especie de borracha. Esticando conforme

    a vontade do usuario. O argumento angle (angulo) rotaciona a imagem.

    1.36.2 Em relacao a imagem ao lado do texto

    Para colocar imagens ao lado do texto o pacote wrapfig e uma alternativa. Esse recurso

    funciona atraves de ambiente. Veja:

    Imagem 1.14: Exemplo de imagem ao lado do texto

    O Jogo Super Mario para Nin-

    tendo 64 foi um enorme sucesso

    na epoca de lancamento. Dei-

    xando saudades ate hoje nos

    gamemaniacos de todo mundo.

    Grande parte desse sucesso e de-

    vido a interacao que o jogo pro-

    porciona aos jogadores. Essa

    imagem e um exemplo de uso do

    pacote wrapfig.

    Veja os comandos,

    \begin{wrapfigure}[14]{l}{11cm}

    \centering

    \fbox{\includegraphics[scale=0.5]{latex17}}

    \caption{Exemplo de imagem ao lado de texto}

    \end{wrapfigure}\vskip0in\noindent

    O Jogo Super Mario para Nintendo 64 foi um

    enorme sucesso na epoca de lan\-ca\-men\-to.

    Deixando sau\-da\-des ate hoje nos gamemaniacos

    de todo mundo. Grande parte desse sucesso e

    devido a interac~ao que o jogo proporciona

    aos jogadores. Essa imagem e um exemplo

    de uso do pacote wrapfig.

    48

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    O pacote possui dois parametros opcionais e dois obrigatorios. Observe:

    1. nlines (opcional) Numero de linhas ao lado da figura;

    2. placement (obrigatorio) Posicionamento. r, l, i e o. Respectivamente, a` direita, a`

    esquerda, dentro e fora da pagina;

    3. overhang (opcional) Distancia da figura em relacao a` margem;

    4. width (obrigatorio) Distancia em relacao a` margem.

    O nicio do ambiente pode ser assim definido:

    \begin{wrapfigure}[nlines]{placement}[overhang]{width}

    1.36.3 Em relacao a Subfiguras

    O uso de subfiguras pode ser feito atraves do pacote subfigure.

    (a) Subttulo (b) Subttulo

    Imagem 1.15: Figura com subfiguras

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering\fbox{

    \subfigure[Subttulo]{\includegraphics[width=7.85cm,height=5cm]{latex28}}

    \subfigure[Subttulo]{\includegraphics[width=7.85cm,height=5cm]{latex29}}}

    \caption[Exemplo de subfiguras]{Figura com subfiguras}

    \end{figure}

    Os colchetes atribuem um ttulo a subfigura. Observe mais um exemplo:

    49

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    (a) Mafalda e a poltica

    (b) Mafalda e a escola

    Imagem 1.16: Exemplo de subfiguras nomeadas

    Veja os comandos,

    50

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.36. Figuras

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    \fbox{\subfigure[Mafalda e a poltica]

    {\includegraphics[scale=0.8]{latex23}}}\\[0,4cm]

    \fbox{\subfigure[Mafalda e a escola]

    {\includegraphics[scale=0.45]{latex22}}}\\[0,2cm]

    \caption{Exemplo de subfiguras nomeadas}

    \end{figure}

    1.36.4 Em relacao a` extensao usada e a compilacao apropriada

    O pacote figure41 funciona bem com as extensoes .jpg, .png e .pdf42. Se o leitor deseja

    usar figuras .eps43 deve introduzir um comando adicional ao pacote:

    \usepackage[dvips]{graphicx}

    Isso fara com que elas sejam reconhecidas. A compilacao deve ocorrer preferencialmente

    em latexdvi e nunca em pdflatex.

    As conversoes dvipdf e dvips sao feitas posteriormente. Observe:

    Imagem 1.17: Exemplo de imagem em eps

    Veja os comandos,

    \begin{figure}[h!]

    \centering

    41Sem argumentos opcionais.42Compilacao em pdflatex.43O usuario deve declarar a extensao no comando.

    51

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.37. Indice remissivo

    \fbox{\includegraphics[scale=0.4]{latex24.eps}}

    \caption{Exemplo de imagem em eps}

    \end{figure}

    1.37 Indice remissivo

    O pacote makeidx e usado para a criacao de ndices remissivos. Ele e ativado ainda no

    preambulo atraves do comando \makeindex.Cada entrada e feita com o comando \index{...}44 e o ponto de criacao com o comando

    \printindex.O leitor deve criar um arquivo de extensao .ind45 a cada mudanca46. Veja:

    Imagem 1.18: O Indice Remissivo deste Manual

    Veja um exemplo de preambulo,

    \documentclass[12pt,a4paper]{report}

    \usepackage[top=3cm,left=3cm,right=2cm,bottom=2cm]{geometry}

    \usepackage[brazil]{babel}

    \usepackage[latin1]{inputenc}

    \usepackage{makeidx}

    \makeindex

    44Subentradas sao adicionadas atraves de exclamacao no comando \index{entrada!subentrada}.45Deve ser criado a partir do arquivo .idx gerado pela compilacao normal.46Os editores oferem essa opcao. O leitor deve procurar em Tex a opcao make index.

    52

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.38. Exerccios Complementares

    1.38 Exerccios Complementares

    Questao 1. O uso de imagens47 em um documento e utilizado para chamar a atencao do leitor.

    Sabendo disso identifique os argumentos usados para definir a altura e a largura de uma imagem

    em pdf. Assim como a compilacao apropriada para esse processo. Esta correta a opcao:

    a) Os argumentos para a largura e a altura sao width=length e heigth=length, respec-

    tivamente. A compilacao apropriada tanto faz. Pode ser qualquer uma.

    b) Os argumentos para a altura e a largura sao leftmargin=length e width, respectiva-

    mente. A compilacao e pdflatex.

    c) E so usar scale=length para altura e width para a largura. A compilacao pode ser

    pdflatex.

    d) use width=length para a largura e height=length para a altura. Compilacao em

    pdflatex.

    e) usando height=length para largura e scale=length para esticar a imagem na vertical

    resolve. Use a compilacao pslatex.

    Questao 2. Observe as imagens a seguir:

    (a) Pain (b) Naruto

    Imagem 1.19: Exemplo de imagem com sub-imagens

    A nomeacao de cada imagem dentro de um conjunto e importante em textos cientficos,

    pois identifica e serve de referencia dentro do documento. Sabendo disso e observando a Imagem

    1.19 assinale a alternativa correta.

    a) A imagem 1.19 usou somente o pacote graphicx. A nomeacao das sub-imagens ocorreu

    atraves do uso de chaves {...}.

    b) A imagem 1.19 nao ficou centralizada, pois nao foi usado o comando \center em asso-ciacao com o ambiente figura.

    47Leve em consideracao o pacote graphicx e atente a renomeacao (Figura = imagem) presente no texto.

    53

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.38. Exerccios Complementares

    c) O posicionamento foi feito atraves do argumento h! (here48). O ttulo principal usou o

    comando \capition{...}. A compilacao ocorreu em pdflatex.

    d) Um pacote chamado subfigure foi usado em associacao com o ambiente graphicx. O

    resultado obtido foi uma imagem com duas sub-imagens.

    e) Nenhuma das alternativas anteriores esta correta.

    Questao 3. Observe a Imagem 1.20,

    Imagem 1.20: Exemplo de imagem em eps

    Sobre o uso de figuras em eps e correto afirmar.

    a) nao necessitam de argumentos opcionais junto ao pacote no preambulo.

    b) A extensao deve ser declarada e a compilacao correta e em pdflatex.

    c) Deve-se antes de tudo colocar o argumento [dvips] no preambulo junto com o pacote

    graphicx.

    d) As compilacoes dvilatex e pslatex funcionam corretamente sem argumentos junto ao

    pacote graphicx.

    e) Nenhuma das alternativas anteriores esta correta.

    Questao 4. E importante personalizar uma lista, pois em alguns casos, por exemplo, o uso

    de fracoes ou de outro recurso pode dificultar a leitura devido a padroes49. Sabendo disso e

    utilizando o pacote enumitem em associacao com o ambiente enumerate assinale a resposta

    correta.48Aqui em ingles.49Por exemplo, as medidas de recuo e distancia vertical sao pre-definidas pelo aplicativo.

    54

  • Captulo 1. Primeiras Nocoes 1.38. Exerccios Complementares

    a) O pacote enumitem possui o argumento leftmargim=length que define o recuo es-

    querdo dos tens no ambiente enumerate. As casas decimais (length) devem usar ponto

    e nunca vrgula.

    b) O argumento itensep=length define espacamento vertical entre os tens do ambiente

    enumerate.

    c) Os estilos usados pelo argumento label devem ser precedidos por \ e sucedidos por *(asterisco). Em outras palavras, \estilo*.

    d) Os argumentos do pacote enumitem devem ser adicionados com o auxilio de chaves

    {...}. Em outras palavras, quando ativo se torna obrigatorio toda vez que for usado oambiente enumerate.

    e) Nenhuma das alternativas anteriores esta correta.

    55

  • Captulo 2

    Textos Matematicos

    2.1 Proposicoes, Axiomas, etc

    A criacao de proposicoes, axiomas, teoremas, etc, pode ser feita atraves do comando

    newtheorem. Ele e ativado da seguinte forma:

    \newtheorem{novo ambiente}{ttulo do ambiente}[criterio de numeracao]

    Um exemplo de uso desse recurso e visto abaixo:

    Teorema 2.1. A soma dos qua-

    drados dos catetos e igual ao qua-

    drado da hipotenusa.

    \documentclass[12pt,a4paper]{report}

    \begin{document}

    \newtheorem{teor}{Teorema}[chapter]

    \begin{teor}

    A soma dos quadrados dos catetos

    e igual ao quadrado da hipotenusa.

    \end{teor}

    \end{document}

    O LATEX coloca o texto por padrao em italico, se o usuario deseja mudar para um texto

    normal deve proceder atraves do pacote amsthm. Ele pode ser inserido na 2o parte do preambulo

    da seguinte forma:

    \usepackage{amsthm}

    O comando associado ao pacote amsthm deve ser colocado de preferencia acima do

    comando relativo ao newtheorem.

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.2. Comandos definidos pelo usuario

    \theoremstyle{definition} = estilo dos ambientes criados

    Reformulando o exemplo anterior:

    \documentclass[12pt,a4paper]{report}

    \usepackage{amsthm}

    \begin{document}

    \theoremstyle{definition}

    \newtheorem{teor}{Teorema}[chapter]

    \begin{teor}[Pitagoras]

    A soma dos quadrados dos catetos

    e igual ao quadrado da hipotenusa.

    \end{teor}

    \end{document}

    O criterio de numeracao diz respeito a` forma como o ambiente sera numerado. O usuario

    pode seguir os counters das partes do documento ou nao, pois e uma ordem opcional. A eli-

    minacao desse recurso implica na numeracao padrao. O argumento em \begin{teor}[Pitagoras](ver exemplo) adiciona informacoes extras ao ambiente.

    2.2 Comandos definidos pelo usuario

    Um dos recursos mais interessantes do LATEX diz respeito a criacao de macros, ou seja,

    de novos comandos. Se for de interesse a criacao de comandos ou a renomeacao de alguns ja

    existentes podemos usar o recurso \newcommand (novo comando).

    \newcommand{novo comando}[numero de informacoes]{definicao}

    Um exemplo pode ser visto abaixo:

    Nada sei dessa vida

    fico sem saber

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \newcommand{\negrito}[1]{{\bf #1}}

    \newcommand{\italico}[1]{{\it #1}}

    \newcommand{\fracao}[2]{{$\frac{#1}{#2}$}}

    \begin{document}

    \negrito{Nada sei dessa vida} \\

    \italico{fico sem saber}\\

    \end{document}

    57

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.3. O modo matematico

    O parametro # se refere ao local onde as informacoes serao inseridas e a numeracao diz

    respeito a` quantidade de informacoes que serao usadas. O numero do parametro deve constar ao

    lado de #.

    Os comandos nao podem ser sobrepostos, ou seja, um parametro nao pode ser usado

    simultaneamente por dois comandos.

    2.3 O modo matematico

    O modo matematico pode ser ativado com a ajuda de dois cifroes. Observe:

    $ - - - - \hspace{0,6cm} \Rightarrow \hspace{0,6cm} \Rightarrow $

    Veja o resultado,

    Caso o usuario deseje a centralizacao deve usar 4 cifroes (ou dois colchetes \[ ... \]).Observe:

    $$ - - - - \hspace{0,6cm} \Rightarrow \hspace{0,6cm} \Rightarrow $$

    \[ - - - - \hspace{0,6cm} \Rightarrow \hspace{0,6cm} \Rightarrow \]

    Veja o resultado,

    2.4 Potencias e Indices

    O uso de ndices e potencias pode ser feito atraves das fontes e .

    $$2^{56} \hspace{0,6cm} 3^{5^6} \hspace{0,6cm} 9^7$$

    $$2_{56} \hspace{0,6cm} 3_{5_6} \hspace{0,6cm} 9_7$$

    Veja o resultado,

    256 356

    97

    256 356 97

    A delimitacao atraves de chaves e necessaria se o expoente ou ndice possuir mais de um

    digito.

    58

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.5. Fracoes

    2.5 Fracoes

    O uso de fracoes pode ser feito atraves do pacote amsmath onde a principal carac-

    terstica reside na padronizacao1 das fontes. Observe:

    x2

    y 10x2

    y10

    \documentclass[12pt,a4paper]{article}

    \usepackage{amsmath}

    \begin{document}

    $\dfrac{x^2}{y-10}$\vskip0,2in

    $\frac{x^2}{y-10}$

    \end{document}

    O LATEX pode criar fracoes sem a ajuda de pacotes, porem com fontes reduzidas atraves

    do comando \frac{numerador}{denominador}.

    2.6 Razes

    O uso de razes pode ser feito atraves do comando \sqrt[raiz n-esima]{radicando}.Observe:

    6

    23 2

    8

    10 $\sqrt[6]{23} \sqrt[2]{8} \sqrt{10}$

    A criacao de razes nao necessita de pacotes. A ausencia da raiz n-esima no comando

    implica na criacao automatica de razes quadradas.

    2.7 Modo display

    O usuario pode padronizar as fontes atraves do comando \displaystyle{texto...}. Por serum recurso matematico esse comando exige o uso de cifroes. Observe:

    \centerline{$\displaystyle{\frac{5}{7} \frac{89}{23}}$}

    Veja o resultado,5

    7

    89

    23

    1Fontes com mesma escala.

    59

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.8. Somatorios, produtorios, unioes, intersecoes

    2.8 Somatorios, produtorios, unioes, intersecoes

    Somatorios, produtorios, unioes e intersecoes podem ser introduzidos atraves dos coman-

    dos:

    1. \sum {limite inferior}{limite superior} para somatorios;

    2. \prod {limite inferior}{limite superior} para produtorios;

    3. \bigcup {limite inferior}{limite superior} para unioes;

    4. \bigcap {limite inferior}{limite superior} para intersecoes.

    Observe os exemplos abaixo:

    1=1

    ni=1

    n=0

    nk=m

    $$\sum^{\infty}_{1=1}

    \prod^{n}_{i=1} \bigcap^{\infty}_{n=0}

    \bigcap^{n}_{k=m}$$

    Outros resultados podem ser conseguidos no caso de unioes e intersecoes com a retirada

    do argumento big. \bigcap fica \cap, por exemplo.

    2.9 Limites

    O uso de limites pode ser feito atraves do comando:

    \lim {variavel \to valor} texto...

    Veja dois exemplos:

    lima

    a2 + 2

    a 3

    limx6

    x2x + x

    x5

    $$\lim_{a \to \infty}

    \dfrac{a^2 + 2}{a - 3}$$

    $$\lim_{x \to 6}

    \dfrac{x^{2-x} + x}{x -\sqrt{5}}$$

    60

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.10. Derivadas

    2.10 Derivadas

    O uso de derivadas pode ser feito atraves dos comandos a seguir. Observe:

    dy

    dx

    d5y

    dx5$\dfrac{dy}{dx} \dfrac{d^5y}{dx^5}$

    Atraves de apostrofos:

    y(4) y + 1 $y^{(4)} - y + 1$

    Derivadas parciais exigem o comando \partial:

    z

    x(m,n) =

    limh0

    z(m+ h, n) z(m,n)h

    $$\dfrac{\partial z}

    {\partial x}(m, n) =

    \lim_{h \to 0} \frac{z(m + h, n) -

    z(m, n)}{h}$$

    2.11 Integrais

    O uso de integrais pode ser feito atraves do comando:

    \int {limite inferior}{limite superior} texto...

    Veja os exemplos,

    ba

    f(x)dx = F (b) F (a)

    Z =

    5xx3 + 5dx

    $$\int_a^b f(x) dx =

    F(b) - F(a)$$

    $$Z=\int_{-\infty}^{\infty}

    \sqrt[5]{x^{x-3} + 5} dx$$

    O controle e feito atraves dos comandos:

    61

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.12. Parenteses, colchetes e chaves

    1. \int{expressao} para integrais simples;

    2. \iint{expressao} para integrais duplas;

    3. \iiint{expressao} para integrais triplas;

    4. \iiiint{expressao} para integrais quadruplas;

    5. \oint{expressao} para integrais circulares;

    6. \idotsint{expressao} para integral n-esima.

    D

    x2 1

    D

    x2 1

    D

    x2 1

    D

    x2 1 x2 1

    $$\oint_D x^2 -1

    \iint_D x^2 -1 \iiint_D x^2 -1$$

    $$\iiiint_D x^2 -1

    \idotsint x^2 - 1$$

    Alguns desses recursos exigem o pacote amsmath.

    2.12 Parenteses, colchetes e chaves

    Para ajustar parenteses, colchetes e chaves a`s expressoes2 os seguintes comandos sao

    necessarios:

    1. \left( expressao \right) para ajustar parenteses;

    2. \left[ expressao \right] para ajustar colchetes;

    3. \left\{ expressao \right\} para ajustar chaves.

    Veja os exemplos:

    [x2 2x2x

    ] (x2 2x2x

    ) $\displaystyle{\left[\dfrac{x^2- 2}{x^{2-x}}\right] \hspace{0,6cm} \left(\dfrac{x^2

    - 2}{x^{2-x}

    }\right)}$ \vskip0,1in

    2Expressoes matematicas.

    62

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.13. underbrace e overbrace

    2.13 underbrace e overbrace

    Para introduzir textos com chaves acima ou abaixo de expressoes os seguintes comandos

    sao necessarios:

    1. \underbrace{expressao 1} {expressao 2} para subescricoes;

    2. \overbrace{expressao 1}{expressao 2} para sobrescricoes.

    Veja os exemplos,

    Z = e8xFormula pesquisada

    Z =

    Formula pesquisadae8x

    $$Z=\underbrace{e^{8-x}

    }_{\text{Formula pesquisada}}$$

    $$Z=\overbrace{e^{8-x}

    }^{\text{Formula pesquisada}}$$

    A introducao de textos nao matematicos deve ser feita atraves do comando \text{texto...}. Isso fara com que o LATEX interprete o texto como nao matematico.

    2.14 Vetores e conjugados

    Para usar vetores e conjugados os seguintes comandos3 sao necessarios:

    1. \vec{texto matematico} para vetores (1 digito);

    2. \bar{texto matematico} para conjugados (1digito).

    A adicao de barras maiores (conjugado) exige o comando:

    \overline{expressao}

    Analogamente, para vetores,

    \overrightarrow{expressao}

    Veja os exemplos,

    3Observe que \vec{j} (1 dgito) e \overrightarrow{AB} (dois dgitos) sao exemplos desse recurso.

    63

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.15. Modulos

    ~i+~j + ~kAB +

    BC =

    CD

    6 2 = 5 56 + 10 = 26

    $$\vec{i} + \vec{j} + \vec{k}

    \hspace{0,6cm} \overrightarrow{AB} +

    \overrightarrow{BC}

    =\overrightarrow{CD}$$

    $$\bar{6} - \bar{2} =

    \bar{5}\hspace{0,6cm} \overline{56} +

    \overline{10}=\overline{26}$$

    2.15 Modulos

    Para usar modulos os seguintes comandos sao necessarios:

    1. {expressao}\bmod{expressao} para modulos sem parenteses;

    2. {expressao}\pmod{expressao} para modulos com parenteses.

    Veja os exemplos,

    3100 13 (mod 34)

    3100 13 mod 34

    $$3^{100}\equiv 13

    \pmod{34}$$

    $$3^{100}\equiv 13

    \bmod{34}$$

    O smbolo de equivalencia exige o comando \equiv ().

    2.16 Binomios

    Para introduzir binomios os seguintes comandos4 sao necessarios:

    1. {expressao}\choose {expressao} para binomios com parenteses;

    2. {expressao}\atop {expressao} para binomios sem parenteses.

    Veja os exemplos,

    4Esse recurso e limitado a duas expressoes. Outros resultados podem ser conseguidos atraves do ambientearray (veja a Secao 2.19, pag. 68, para mais detalhes).

    64

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.17. O comando Stackrel

    (789

    x2 1)

    789

    x2 1

    $${789}\choose{x^2 -1}}$$

    $${789}\atop{x^2 - 1}$$

    2.17 O comando Stackrel

    Este comando permite que os smbolos sejam empilhados. Ele e usado da seguinte forma:

    {expressao}\stackrel {smbolo 1}{smbolo 2} texto a ser empilhado

    Veja o exemplo,

    x2 10 + x def= Y2x

    $$x^2 -10 + x

    \stackrel{def}{=}

    Y^{\sqrt{2x}}$$

    2.18 Tabelas

    Tabelas podem ser usadas atraves do ambiente tabular. Observe:

    5 9

    4 2

    8 6

    \begin{tabular}{|c|l|}

    \hline

    5 & 9 \\ \hline

    4 & 2 \\ \hline

    8 & 6 \\ \hline

    \end{tabular}

    O posicionamento e definido pelos argumentos c, l, r. Significam ao centro, a` esquerda

    e a` direita, respectivamente. As barras (| |) adicionam linhas verticais a` tabela.As linhas horizontais sao adicionadas pelo comando \hline.

    65

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.18. Tabelas

    A divisao horizontal e feita pelo comando \cline{col?-col?}5. Veja um exemplo:

    5 9 5

    4 2 6

    8 6 2

    \begin{tabular}{|c|l|r|}

    \hline

    5 & 9 & 5\\ \cline{2-3}

    4 & 2 & 6\\ \cline{2-3}\hline

    8 & 6 & 2\\ \hline

    \end{tabular}

    Para mesclagem o comando multicolumn e uma opcao.

    \multicolumn{numero de colunas}{orientacao da celula}{Ttulo da celula}

    Veja um exemplo:

    \begin{tabular}{|c|c|c|c|c|}\hline

    5 & 9 & \multicolumn{3}{|c|}{Teste}\\

    \cline{2-5}

    & 2 & 6 & 5 & 9\\ \cline{2-5}\hline

    8 & 6 & 2 & 6 & 12 \\ \cline{2-5}

    & 10 & 1 & 3 & 13\\ \hline

    \end{tabular}

    Veja o resultado,

    5 9 Teste

    2 6 5 9

    8 6 2 6 12

    10 1 3 13

    Para introduzir a tabela em uma lista de referencia o uso do ambiente table e necessario.

    \begin{table}[posicionamento] a tabela ... \caption{Ttulo}\end{table}

    Observe o exemplo anterior reformulado,

    Veja os comandos,

    5As interrogacoes se referem aos limites.

    66

  • Captulo 2. Textos Matematicos 2.18. Tabelas

    5 9 Teste

    2 6 5 9

    8 6 2 6 12

    10 1 3 13

    Tabela 2.1: Exemplo de uso do ambiente table

    \begin{table}[h!]

    \centering \Large{\begin{tabular}{|c|c|c|c|c|}\hline

    5 & 9 & \multicolumn{3}{|c|}{Teste}\\ \cline{2-5}

    & 2 & 6 & 5 & 9\\ \cline{2-5}\hline

    8 & 6 & 2 & 6 & 12 \\ \cline{2-5}

    & 10 & 1 & 3 & 13\\ \hline

    \end{tabular}}

    \caption{Exemplo de uso do ambiente table}

    \end{table}

    A centralizacao celular (ver Tabela 2.1) pode ser feita atraves de um novo comando6.

    Veja,

    \newcommand{\up}[1]{\raisebox{1.5ex}[0pt]{#1}}

    Ele deve ficar de preferencia no preambulo e up e apenas um apelido7. A alteracao desse

    nome fica a cargo do leitor.

    Observe o exemplo anterior reformulado,

    9 Teste5

    2 6 5 9

    6 2 6 128

    10 1 3 13

    Tabela 2.2: Exemplo de centralizacao celular

    Veja os comandos,