Sintaxe - COMPLETO

Click here to load reader

  • date post

    30-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    474
  • download

    5

Embed Size (px)

Transcript of Sintaxe - COMPLETO

SintaxeSintaxe (do Grego clssico "disposio", de syn, "juntos", e txis, "ordenao") o estudo das regras que regem a construo de frases nas lnguas naturais. A sintaxe a parte da gramtica que estuda a disposio das palavras na frase e das frases no discurso, incluindo a sua relao lgica, entre as mltiplas combinaes possveis para transmitir um significado completo e compreensvel. inobservncia das regras de sintaxe chama-se solecismo. Na lingustica, a sintaxe o ramo que estuda os processos generativos ou combinatrios das frases das lnguas naturais, tendo em vista especificar a sua estrutura interna e funcionamento. O termo "sintaxe" tambm usado para referir o estudo das regras que regem o comportamento de sistemas matemticos, como a lgica, e as linguagens de programao de computadores. A sintaxe importante pois a unidade falada a orao, no a palavra ou o som. Em termos prticos, o falanta fala e o ouvinte ouve oraes. Salvo o caso quando uma nica palavra portadora de sentido completo [1]. Os primeiros passos da tradio europeia no estudo da sintaxe foram dados pelos antigos gregos, comeando com Aristteles, que foi o primeiro a dividir a frase em sujeitos e predicados. Um segundo contributo fundamental deve-se a Frege que critica a anlise aristotlica, propondo uma diviso da frase em funo e argumento. Deste trabalho fundador, deriva toda a lgica formal contempornea, bem como a sintaxe formal. No sculo XIX a filologia dedicou-se sobretudo investigao nas reas da fonologia e morfologia, no tendo reconhecido o contributo fundamental de Frege, que s em meados do sculo XX foi verdadeiramente apreciado.

Funes SintticasH vrias funes sintticas. Algumas delas podem ser vistas abaixo: Sintaxe de perodo simples:

Sujeito Predicado Verbo de ligao Complemento nominal Verbo intransitivo Verbo transitivo direto Verbo transitivo indireto Verbo transitivo direto e indireto Objeto direto Aposto Objeto indireto Predicativo do sujeito Predicativo do objeto

Sintaxe de perodo composto:

Oraes coordenadas Oraes subordinadas

Basicamente, em qualquer linguagem, as funes bsicas so o sujeito e o predicado.

Sintaxe de perodo simples: Sujeito

Em anlise sinttica, o sujeito um dos termos essenciais da orao, responsvel por realizar ou sofrer uma ao ou estado. Segundo uma tradio iniciada por Aristteles, toda orao pode ser dividida em dois constituintes principais: o sujeito e o predicado. Em portugus, o sujeito rege a terminao verbal em nmero e pessoa e marcado pelo caso reto quando so usados os pronomes pessoais. As regras de regncia do sujeito sobre o verbo so denominadas concordncia verbal. Na frase, Ns vamos ao teatro. vamos uma forma do verbo "ir" da primeira pessoa do plural que concorda com o sujeito ns. Para os verbos que denotam ao, frequentemente o sujeito da voz ativa o constituinte da orao que designa o ser que pratica a ao e o da voz passiva o que sofre suas consequncias. Sob outra tradio, o sujeito (psicolgico) o constituinte do qual se diz alguma coisa. Segundo Bechara, " o termo da orao que indica a pessoa ou a coisa de que afirmamos ou negamos uma ao ou qualidade"

Exemplos

O pssaro voa. - Os pssaros voam. O menino brinca. - Os meninos brincam. Pedro saiu cedo. - Os jovens saram. O livro bom. - Os livros so bons. A menina bonita. - As meninas so bonitas .

Didaticamente, fazemos uma pergunta para o verbo: Quem que? ou Que que? e teremos a resposta; esta resposta ser o sujeito.O sujeito simples tem um ncleo.

"O menino brinca." Quem que brinca? O menino. Logo, o menino o sujeito da frase. "O livro bom." O que que bom? O livro. Logo, o livro o sujeito da frase.

Um jeito de diferenci-lo de objeto o seguinte:

"Joo come ma" "Quem come ma?" - Perceba que o verbo vem primeiro. "Joo" - Sujeito, por causa da ordem. "O que Joo come?" - Perceba o predicado vem depois. "Ma" - Objeto, por causa da ordem.

Lembre-se: Sempre que te pedirem para indicar o sujeito s fazer uma perguntinha bsica: "Quem?" e voc ter o sujeito na resposta. Por exemplo: "A empresa fornecia comida aos trabalhadores", Agora faamos a pergunta - "Quem fornecia comida aos trabalhadores?" - A empresa. Portanto a empresa o sujeito.

Tipos de sujeitoO sujeito pode ser, segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB), classificado em simples, composto, indeterminado, desinencial ou implcito e inexistente. Nesse ltimo caso, temos o que se convencionou chamar de orao sem sujeito.

Sujeito simples o sujeito que tem apenas um ncleo representativo. Aumentar o nmero de caractersticas a ele atribudas no o torna composto. Exemplos de sujeito simples (o sujeito est em itlico): Obs: o verbo concorda com o sujeito, seja ele anteposto ou posposto.

Maria uma garota bonita.

A pequena criana parecia feliz com seu novo brinquedo. Joo astuto. Eu sou uma garota doce. A bola azul. O menino saiu.

Sujeito composto aquele que apresenta mais de um ncleo representativo, escrito na orao.

Luana e Carla fizeram compras no sbado. Felipe e o amigo Bruno sairam para almoar.

O sujeito tambm pode vir depois do verbo:

Saram Bruno e Felipe. Saiu Bruno e Felipe.

Note que, no segundo caso, o verbo "saiu" concorda com o sujeito "Bruno", mais prximo a ele. Isso permitido apenas quando o sujeito composto est posposto ao verbo; chama-se concordncia atrativa.

Sujeito subentendido; desinencial, implcito, oculto ou elpticoSujeito desinencial aquele que no vem expresso na orao, mas pode ser facilmente identificado pela desinncia do verbo.

Fechei a porta. Quem fechou a porta? Perguntaste mesmo isso a professora? Obs: No confundir Vocativo (expresso de chamamento) com sujeito. Exemplo: Querido aluno, leia sempre! (sujeito oculto: "voc"- Leia "voc" sempre) Querido candidato, fico feliz com seu sucesso! (sujeito oculto "eu" - "eu" fico feliz com seu sucesso)

Apesar do sujeito no estar expresso, pode ser identificado na orao: Fechei a porta Eu. E na frase Perguntaste mesmo isso ao professor?, o identificado Tu. Entretanto, cuidado para no criar confuso com a segunda frase, que pode passar a ideia de elipse do sujeito ou sua indeterminao; pois o sujeito simples est explcito e o pronome interrogativo Quem. Obs.: As classificaes do sujeito, em Lngua Portuguesa, so apenas trs: simples, composto e indeterminado. Dar o nome de Sujeito desinencial, elptico ou implcito no equivale a classificar o sujeito, mas somente determinar a forma como o sujeito simples se apresenta dentro da estrutura sinttica. No mais, a classificao Sujeito Oculto foi abolida, por questes tcnico-formais e linguistico-gramaticais, passando a denominar-se Sujeito Simples Desinencial, uma vez que se pode determin-lo atravs dos morfemas lexicais terminativos das formas verbais, situao na qual, para indicar que o sujeito se encontra elptico usa a forma pronominal reta equivalente pessoa verbal entre parnteses. Assim, na estrutura sinttica: "Choramos todos os dias", para indicar o sujeito simples subentendido na forma verbal, coloca-se entre parnteses da seguinte forma: (Ns)= sujeito simples desinencial.

Sujeito indeterminadoSujeito indeterminado o que no se nomeia ou por no se querer ou por no se saber faz-lo. Podemos dizer que o sujeito indeterminado quando o verbo no se refere a uma pessoa determinada, ou por se desconhecer quem executa a ao ou por no haver interesse no seu conhecimento. Aparecer a ao, mas no h como dizer quem a pratica ou praticou. H trs maneiras de identificar um sujeito indeterminado: a. O verbo se encontra na 3 pessoa do plural.

Dizem que eles no vo bem. Esto chamando o rapaz. Falam de tudo e de todos. Falaram por a. Disseram que ele morreu.

b. Com um Verbo Transitivo Indireto, somente na terceira pessoa do singular, mais a partcula se.

Precisa-se de livros. (Quem precisa, precisa de alguma coisa verbo transitivo indireto) Necessita-se de amigos. (Quem necessita, necessita de alguma coisa verbo transitivo indireto)

A palavra se um ndice de indeterminao do sujeito, pois no se pode dizer quem precisa ou quem necessita. Cuidado! Caso voc encontre frases com Verbo Transitivo Direto:

Compram-se carros. (Quem compra, compra alguma coisa verbo transitivo direto) Vende-se casa. (Quem vende, vende alguma coisa verbo transitivo direto)

No se caracteriza sujeito indeterminado, pois nos casos de VTD, a partcula "se" exerce a funo de partcula apassivadora e a frase se encontra na voz passiva sinttica. Transpondo as frases para a voz passiva analtica, teremos:

Carros so comprados (sujeito: "Carros"); Casa vendida (sujeito: "Casa").

c. Com um Verbo Intransitivo, somente na terceira pessoa do singular, mais a palavra se, ndice de indeterminao do sujeito.

Vive-se feliz, aqui. Aqui se dorme muito bem.

Oraes sem sujeito, sujeito inexistenteObservao: Dar o nome de Orao sem sujeito' (OSS) no se constitui, formalmente, da classificao do sujeito, mas da orao enquanto estrutura lingustica desprovida de sujeito. H verbos que no tm sujeito, ou este nulo. A lngua desconhece a existncia de sujeito de tais verbos. Uma orao sem sujeito quando o verbo est na terceira pessoa do singular, sobretudo os seguintes: 1. Com os verbos que indicam fenmenos da natureza, tais como anoitecer, trovejar, nevar, escurecer, chover, relampejar, ventar

Trovejou muito. Neva no sul do pas. Anoitece tarde no vero. Chove muito no Amazonas.

Ventou bastante ontem em Vila Velha no Espirito Santo.

2. Com o verbo haver, significando existir ou acontecer.

Ainda h amigos. Haver aulas amanh. H bons livros na livraria. H gente ali. H homens no mar. Houve um grave incidente no meu apartamento.

3. Com os verbos fazer, haver e estar indicando tempo.

Est quente esta noite. Faz dez anos qu