Novo testamento interlinear analítico grego português

download Novo testamento interlinear analítico grego português

If you can't read please download the document

  • date post

    19-Dec-2014
  • Category

    Spiritual

  • view

    10.779
  • download

    800

Embed Size (px)

description

Todo mundo sabe (ou deveria saber) que as nossas traduções das Escrituras são pobres. Esse é o Novo Testamento interlinear Grego/Português - é o texto analítico, então não é a mais perfeita das traduções embora seja melhor do que a maioria das que temos, portanto ainda assim é uma ferramenta muito boa e importante, então vai aí como algo a mais para estudo e auxílio no entendimento dos Escritos - aproveitem muito esse arquivo, ele é muito raro, não se encontra na internet para download e é um tanto caro para adquirir. Obs. final: Caraca, como demorou para upar!! :)

Transcript of Novo testamento interlinear analítico grego português

  • 1. NOVO TESTAMENTO interlinear Gego L-analticotges L-Paulo Sergio Gomes e Odayr Olivettipartir da 2a ediyao de The Greek New Testament according to the Majority Text, d'eZane C. Hodges e Arthur Farstad

2. Paulo Sergio Gomes e Odayr Olivettipartir da 2 8 ediao de The Greek New Testament according to the Majority Text, de 3. Testamento Interlinear Analtico Grego-Portugues Panlo Sergio Gomes e Odayr OlivettiNovo Testaneno Iner/inear Analitico Grego-Portuges - Te.to Majoritrio con Aparao CriticoO 2008, Ediora Cultura Cst!i. Obra composta com base em The Greek Ne)v Testamen Accoding to le Majority Text Second Edilion de Zane C. Hodges eArthur L. Farstad 1985 pela Thomas Nelson Publishers, Nashille, USA. Todos os direitos so reservados. edi~o - 2008 3.000 exemplaresConselbo Editorial Ageu Cilo de MagalMes Jr., Alex Barbosa Vieira, Andre Lus Ra.nos, Claudio Marra (Pre.sidente), Femando Hamilon Cosa, francisco Bapisa de Melo, Francisco Solano Porela Neto, Mauro Femando Meister. Valdeci da Silva Sanos Conselho Consultivo Augustus Nicodemus Lopes, Jo!io Ales dos Sanos, Mauro Femando Meiser, PauJo Anglada, Paulo Bencio ProduAoEditorial Notas Analticav PauJo Sergio Gomes Trad~iio Final do Odayr Olivetti, Paulo Sergio Gomes Resiio e Editorariio Paulo Sergio Gon1esrad~ lnterlinear do eLeituro de Prvts !a859Pereira Gomes, Thals Perera Gornes Capa Lela Design testamento nterlioear analtico Grego-Portgues- texo com aparato critico por Paulo Scrgio Gomes e Odayr Olivetti . _ S Paulo: Cultura Crista, 2008 ajoritario1024 p.: 623 cm Texto Gego e aparato com introdu;:ao: The Orcek New TesUrnen according to he majoria tex, 2a. ed., de Zane C. Hodges e Arthur L. Farstad Q J985, Thornas Nclson, !NC. S 978-85-7622-244-6 1. Exegese Bblica l. Ttulo 225.1 CDDEDITORA CULTURA CRISTA R. iguel Teles Jr., 394 - Canbuci - SP - 15040-040 - Caixa Postal 15.136 Fone (01) 3207-7099 - Fax (01 1) 3279-1255 - www.cep.org.br Superintendene: Haeraldo Fcrrera Vargas Editor: Claudio Antnio Batisa Marra 4. PREFACIO Editora Cultura Crista, en seus 60 anos de existencia, tem se destacado pela qnalidade dos livos e revistas pubHcados, sua fideHdade bfblica e, nao menos mportante, pelo valor pratco deles. razao e estanos convencidos de que nossa missao e reformar a igreja no Brasil por meo da literatura. Desejamos que a igreja brasileira nao siga as tendencas da noda, passageira e mundana que e, mas busque sempre orienta:ao divina nas Escrituras. estudo bfblico, serio e profundo, endspensavel para esse fim. Numa epoca que descarta sentido original do texto, porizando que eu penso que texto significa para tnirn, voltar ao metodo gramatico-hstrico de interpreta:ao e urgente. Os livros que lan:amos seguem essa orienta:ao sadia, como se pode constatar de sua leitura e estudo, nas preocupamo-nos tambem em fornecer aos nossos leitores ferramentas que os ajudem nessa tarefa. Nossos ttulos na area de hermeneutica, exegese e estudos bfblicos atestam isso amplarnente. : com essa preocupa:ao que lan:amos esta obra. Novo Testamento Itterlinear Ana/tco Grego-Portugues, de Paulo Sergio Gornes e Odayr Olivetti, traz uma contribu:ao inedita aos estudiosos da Bfblia em Lngua portuguesa. Prmeiramente, pelo uso do Texto Majoritrio (uma versao bem rnas atual e acurada do Textus Receptus), agora, pela primeira e, pub1icado em nosso pas. Texto Majoritrio representa a grande maioria dos 1nanuscritos empregados ao longo dos seclos pela igreja crsta. As varantes escolh.idas para compor texto de Zane Hodges e Arthur Farstad, publicado pela editora homas Nelson e empregado no Novo Testarnento Interlinear Analftico GregoPortugu2s, sao as que aparecem com rnaior freqencia nos varos tipos de manuscritos gregos, cita:es e erses antigas. 1 presente pubHcayao oferece importante auxl io ao interprete no prmero passo para a exegese do Testamento - a determinayao do texto -, visto que as edi:es criticas de Nestle e da UBS nao indicam todas as discrepancias entre essas edi:es e Texto Majoritro. Em segundo lugar, a contbu:iio nedita se deve ao cidadoso trabalho de tradu:iio e revisao. Dele resultaram duas entreinhas e urn texto fnal primoroso. Desse modo, pesqsador acompanhara desde a traduyao paavra por paavra ate a reda:ao final. Uma exegese cuidadosa, porem, nao dispensara a analise apresentada e obtera proveito no uso do aparato crtico. resultado sera um estudo bblico de mais quaHdade e fiel as Escrituras. estudo semantico podera entao ser aprofundado com awdlio de um lexico especiaizado, que tambem a Cultura Crista oferece. apstolo Paulo, em suas cartas aos tessalonicenses, demonstrou grande aprecia:iio e carnho por aquees crentes. Uma das razes foi, segundo Paulo, modo como eles receberarn a Palavra dc Deus: 'gradecemos tambem a Deus, continuamente, porque recebestes a palava de Deus por ns pregada, e a acolhestes nao como palavra de homens, n1as como de fato e. palavra de Deus, a qual tambem esta operando em s, que sos crentes" (lTs 2.13). greja precisa desenvolver hoje a mesa caracterstica e a Editora Cultura Cristii continuara a contribuir para esse fim. Cludio , editor (Com substancal contrib:Ao de Paulo Anglada, do Conseho Consultivo)Na conJe.:ida Pericope da Mulher Adlera. encont:tada em Joao 7.53~8. . e no Livro de Apo"''!t iJC"tk . W;..w. aur PC~k-fA "~ .m.(11.-utradu:aofinal mais prximo possvel do centro do conjunto de palavras que traduz. ordem grega, ae "espalhada" USuprmos letras e/ ou palavras entre parenteses para facilitar a letura da J tradu:ao interlinear.,.---------------sempre uma palavra da final uma verdade.ira ~.,~s. ~ 1" ~ raduyao do termo grego. mas vem debaixo dele para demonstrar a 15.21 :t ~ adapta~ao que se faz necessaria nurna J ! ~~ ~ U -n; versao diomatica. . . ~ t . 15.22 l( -~~3.5fs.0~1J~.~~~ ;>1~.~:Nemit , f).V NQ(o:>letras ou palaras entre colchetes fazem parte da radu;ao literal, mas precsam ser substitudas.-16.7 [(r. :, r. ~~!D -~ :.~-ow" "~f ...-~, 'f ':t'llM 11r~Q.l."~J)"i[ .""-"'"" ro-artigo usado como pronome e traduzido litealmente e em seguida, ".. l aps a barra, vem p ronome adequado. rectativo, que em grego introduz cita:io ou discursoclireto pode ser representado tambem pelos dos pontos (:) Obsera;es sobre as notas anal1ticas - sistema de siglas e semelhante ao usado em programas eletrnicos como Bible Works para texto ; contudo, nao n1esmo, pois foi desenvolvido especalrnente para esta obra em po.rtugu~s. Ha sjmplifica:es na analise com.o, por exemplo, tenno generico 'partfcuJ1 34 6>t + 5 p1 7 - r1"estavel texto 6 dlvide-se em L42 (a favor) a 74 (contra) para a omssao de . Pelo esquema derivativo, texto mais curto possui a mais forte reivindca:Ao de originaldade. Porem a divsao em exige que uma decisao definitiva seja adiada. pode ser visto novan1ente como refletindo desdenhoso demonstrativo /oanino, todavia seu acrescimo aqui parece harnonizar-se com as te ndencas redaconais de Ms. Se a palavra e espuria, ha mistura entre Ms e 6/"", que pode ter acontecido em ambas as d i re:es. 7 segue seu nodo 6i 26. costumeiro com texto mais longo de 5 ~ pode refletir uma tentativa de melhoria estillstica na qual breve (v) foi considerado mais vigoroso. Por outro lado seu texto poderia facilmente surgir de um erro por parte de um escriba. (20) 8.11 -() l 1 p 67 14 -() 25 simples onissao por parte de um escriba de pelo arquetipo explica as leituras de 2 e Ms. 7 reteve texto mais longo que sua base j{ exibia. arquetipo , todavia, ocorre urna mudao:a na ordem das palavras. Os dados mostram qe arquetipo ainda possuia a leitura original aqui. por~o nao citada de 1 espalha-se entre as tres leituras, e todas omitem . Era que se poderia esperar caso arquetipo seja mesmo a fonte desse e. r que concorda com 6 exibe coe~o na dire:ao da leitura orginaJ.(21) 8.1 l+ 11 .1 6 + ~s- 41"Um puro lapso do escriba parece ser a razao para a perda de em 5, onde redaor nao possui qualquer preferencia por encurtar texto. ampla circula~o dos textos 5 pode ser esperada como tendo influencia em outras partes, como evdentemente ocorreu com 4 '1 Uma parte de 4 chegou ainda a omtir . 7 naturalmente evita a omissao ao prender-se ao seu texto basco. Das vinte e uma leituras consideradas, deveria parecer que esquema derivativo proposto da conta dos dados nos manuscritos. aplica~o de criterios internos e transcricionais as prprias variantes e protegida contra a indevda subjetividade porque deve ser conduzida dentro das restri:es de um esquema derivativo da hista textual. Quao dificil edescobrir um esquerna derivativo viavel em que a qualidade intrnseca das leituras venha a combinar de forma natural, somente saberao aqueles que tentarem realizar processo! Mas, embora procedmento seja dificl, ele esta longe de ser impossvel. texto resultante de Joao 7.538. L irnpresso nesta edi:ao, contem uma forma estlstica Joanina mais evidente do que a 1, forma representada no Texto Recebido ou nos textos oferecdos pela United Bible Soceties (UBS) e Nestle-Aland. Este resuJtado fala por si mesmo. Dferentemente do aparato basico para a rnaor parte do Testamento, aparato para Joao 7.53-8.1 1 nao e dividido em duas parte. razao bvia para sto e que, de qualquer forma, a maior parte das varia:es consideradas exigiriam um tratamento no pmeiro aparato. Somente em tres lugares os textos TR ou Cr estao contra iJI ou . sgla requer a concordancia de 5 61, grupos que juntos incluem aproximadamente otocentos dos mais de novecentos manuscritos que contem a perfcope. Esta c1aro que uso desta sigla nao subentende a concord1ncia de todos os oitocentos com texto, rnas a concordanca da maora deles. Se 5 se separa deste consenso, mas nao conduz consigo qualquer outra famla, a sigla se torna . Todas as outras combina;es de tesemunhas alem destas acma menconadas, sao tratadas como equivalentes a urna letura "" e sao nc.ludas aparato. Mas ao ines da designa:ao ge11eral