Mutaأ§أµes causadoras de خ²-talassemia em Ribeirأ£o Preto-SP ... RESUMO COMINAL, J. G....

download Mutaأ§أµes causadoras de خ²-talassemia em Ribeirأ£o Preto-SP ... RESUMO COMINAL, J. G. Mutaأ§أµes causadoras

If you can't read please download the document

  • date post

    08-Nov-2020
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Mutaأ§أµes causadoras de خ²-talassemia em Ribeirأ£o Preto-SP ... RESUMO COMINAL, J. G....

  • UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

    FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE RIBEIRÃO PRETO

    Mutações causadoras de β-talassemia em Ribeirão Preto-SP:

    identificação e correlação com o fenótipo da doença

    Juçara Gastaldi Cominal

    Ribeirão Preto

    2015

  • UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

    FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE RIBEIRÃO PRETO

    Mutações causadoras de β-talassemia em Ribeirão Preto-SP:

    identificação e correlação com o fenótipo da doença

    Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em

    Biociências Aplicadas à Farmácia para obtenção do Título de Mestre em Ciências

    Área de Concentração: Biociências

    Aplicadas à Farmácia.

    Orientada: Juçara Gastaldi Cominal

    Orientadora: Profa. Dra. Ana Maria de

    Souza

    Versão corrigida da Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-

    Graduação Biociências Aplicadas À Farmácia em 20/03/2015. A versão original

    encontra-se disponível na Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão

    Preto/USP.

    Ribeirão Preto

    2015

  • AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE

    TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA

    FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE.

    Cominal, Juçara Gastaldi Mutações causadoras de β-talassemia em Ribeirão Preto-SP: identificação e correlação com o fenótipo da doença. Ribeirão Preto, 2015. 93 p.; il. 30 cm. Dissertação de Mestrado, apresentada à Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto/USP – Área de concentração: Biociências Aplicadas à Farmácia. Orientadora: Ana Maria de Souza. 1.β-talassemia. 2.Hemoglobinopatias 3. Status férrico.

  • .

    FOLHA DE APROVAÇÃO

    Juçara Gastaldi Cominal Mutações causadoras de β-talassemia em Ribeirão Preto-SP: identificação e correlação com o fenótipo da doença

    Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em

    Biociências Aplicadas à Farmácia para obtenção do Título de Mestre em Ciências

    Área de Concentração: Biociências

    Aplicadas à Farmácia.

    Orientadora: Profa. Dra. Ana Maria de

    Souza

    Aprovado em:

    Banca Examinadora

    Prof. Dr. ____________________________________________________________

    Instituição: _____________________________ Assinatura:____________________

    Prof. Dr. ____________________________________________________________

    Instituição: _____________________________ Assinatura:____________________

    Prof. Dr. ____________________________________________________________

    Instituição: _____________________________ Assinatura:____________________

  • .

    Dedicatória

    A minha família e amigos, especialmente Hamilton, Rozana, Pedro e Juliana. Ao meu melhor amigo e marido, Ariel. Ao meu avô Osvaldo e minha amiga Elisa, os maiores guerreiros que conheço, motivo pelo qual escolhi ser uma pesquisadora.

  • .

    Agradecimentos

    A minha orientadora, Profa. Dra. Ana Maria de Souza, pela oportunidade,

    paciência, conhecimento e confiança em me receber como sua aluna.

    À recém Dra. Jacqueline da Silva Guimarães, pela amizade, ajuda e todas as

    horas compartilhadas durantes esses últimos dois anos.

    À Dra. Ana Cristina da Silva-Pinto, pela colaboração fundamental para a

    realização deste trabalho e pela prontidão em compartilhar todo seu extenso

    conhecimento a respeito das β-talassemias.

    Ao Dr. Stefano Rivella, pela colaboração nas análises executadas em seu

    laboratório.

    Aos membros de nosso laboratório, Solange Aparecida Fernandes Bocardo e

    Jennifer Michiko Chauca Yokoya, ao qual tenho um imenso carinho, pelo apoio

    durante minhas atividades.

    À Profa. Dra. Fabíola Attié de Castro, por me apresentar a minha orientadora,

    pela ajuda durante os momentos em que tive dificuldades nas análises moleculares,

    por permitir que eu utilizasse seu laboratório e por toda confiança em mim

    depositada.

    Aos membros do laboratório da Profa. Fabíola, Luciana Ambrósio, Maria

    Gabriela Berzoti, Maira Casimiro e Sandra Burin, que sempre me acolheram e me

    auxiliaram.

    Aos amigos de pós-graduação da FCFRP-USP, Ana Claudia Siqueira,

    Douglas Amaral, Larissa Alves Cândido, pela união, ajuda e conhecimento

    compartilhado.

    À Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos e sua doutoranda Gisele

    Cristine de Souza Carrocini, pelo compartilhamento de suas experiências com a

    técnica PCR-AE, me auxiliando em muitas dúvidas.

    Ao Dr. Maurício Cristiano Rocha Júnior pelos ensinamentos de biologia

    molecular que muito me ajudaram durante as minhas padronizações.

    À Estela Carneseca e à Mayara Piani, da Proestat, pelas análises estatísticas

    realizadas.

    Aos professores doutores Marcelo Dias Baruffi, Lucia Simon Pereira Crott e

    Regina Celia Candido por disponibilizarem seus laboratórios para utilização de

    equipamentos.

  • .

    Às funcionárias do Serviço de Análises Clínicas da FCFRP-USP, Analuiza

    Souza Costa e Edna Aparecida Barizon, pelas análises de ferritina e proteína C

    reativa.

    Aos funcionários da Pós-Graduação da Faculdade de Ciências Farmacêuticas

    de Ribeirão Preto-USP (FCFRP-USP), em especial ao Henrique Theodoro e a

    Rosana Florêncio, pela ajuda, gentileza e atenção.

    À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES,

    pelo apoio financeiro e incentivo a pesquisa.

    As minhas amigas de infância Joyce Gomides, Juliana Rosini, Mariana

    Santana e Mariellen Costa, pela motivação e apoio durante todos esses anos.

    A toda minha família, por sempre acreditarem em mim, mesmo quando eu

    mesmo não acreditava.

  • .

    Epígrafe

    All truths are easy to understand once they are discovered; the point is to discover them.

    Galileo Galilei

  • i

    .

    RESUMO

    COMINAL, J. G. Mutações causadoras de β-thalassemia em Ribeirão Preto-SP:

    identificação e correlação com o fenótipo da doença. 2014. 93f. Dissertação

    (Mestrado). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

    A β-talassemia, uma hemoglobinopatia, é caracterizada como um distúrbio hereditário monogênico onde a síntese das cadeias globínicas β está alterada. Devido desiquilíbrio na relação entre as cadeias α e β produzidas, observa-se um excesso de cadeias α livres, determinante da fisiopatologia da doença. As manifestações observadas são eritropoese ineficaz, hemólise extramedular, anemia, expansão medular, esplenomegalia, deformidades ósseas e acúmulo de ferro. Clinicamente classifica-se como β-talassemia major (BTM) a forma mais grave da doença, devido à ausência de cadeias β (β0) ou redução acentuada (β+) acarretando em dependência de transfusões sanguíneas periódicas, para sobrevivência. O traço β-talassêmico (BTT) antes vistos como assintomáticos, também apresentam alterações, inclusive acúmulo de ferro e eritropoese ineficaz, mas não são dependentes de transfusão e tampouco passam por acompanhamento médico. Extremamente heterogênea, apresenta diversos fenótipos e mais de 300 alterações moleculares causadoras de β-talassemia já foram descritas em todo mundo. O objetivo deste estudo foi identificar as mutações de β-talassemia em Ribeirão Preto- SP e procurar associar tais alterações à avaliação hematológica e do status férrico, na tentativa de estabelecer uma relação genótipo-fenótipo. Para tanto, 27 BTM, 23 BTT e 28 controles foram recrutados no Ambulatório de Hemoglobinopatias, do HC/FMRP-USP de Ribeirão Preto. Por meio de PCR-Alelo Específico, pesquisamos as quatro mutações mais comuns no Brasil: CD39 (CAG→TAG), IVS1-110 (G→A), IVS1-6 (T→C) e IVS1-1 (G →A). A distribuição foi 64% CD39, 26% IVS1-110 e 4% IVS1-6. A análise de covariância e comparação múltiplas, entre os grupos formados e o controle, revelou alterações hematológicas e no status férrico. Os pacientes BTM com a mutação CD39, em sua forma heterozigota ou homozigota, e het