Investigação da Filosofia Antiga

of 18/18
I૯ઽƬIGΑÇÃѲ ĐΑ ԲIℓѲѲԲIΑ ΑƬIGΑ G૨૯૮Ѳ -ѲʍΑΑ Filosofia antiga é o período compreendido entre o surgimento da filosofia e a queda do Império Romano.
  • date post

    07-Jul-2015
  • Category

    Education

  • view

    134
  • download

    3

Embed Size (px)

description

A filosofia procura enfrentar essa novidade oferecendo os caminhos, respostas e, sobretudo, propondo novas perguntas, num diálogo permanente com a sociedade e a cultura de seu tempo, do qual ela faz parte.

Transcript of Investigação da Filosofia Antiga

  • 1. I IG I IIG G - Filosofia antiga o perodocompreendido entre o surgimentoda filosofia e a queda do ImprioRomano.

2. INTRODUO A filosofia antiga nasceu de umanecessidade em explicar o mundocom explicaes reais, O primeirofilsofo foi Tales de Mileto.Originalmente, todas as reasque hojedenominamos cincias faziamparte da Filosofia. Compreende os quatro grandesperodos da filosofia Greco-Romana indo dos pr-socrticosaos grandes sistemas do perodohelenstico. Como todas as criaes einstituies humanas, a filosofiaest na histria e tem umahistria.Tales de Mileto 3. Est na histria: a filosofia manifesta e exprime osproblemas e as questes que, em cada poca deuma sociedade, os homens colocam para simesmos diante do que novo e ainda no foicompreendido. A filosofia procura enfrentar essa novidadeoferecendo os caminhos, respostas e, sobretudo,propondo novas perguntas, num dilogopermanente com a sociedade e a cultura de seutempo, do qual ela faz parte. 4. OS PERODOS DAFILOSOFIA GREGA Os quatros grandesperodos da filosofia grega,nos quais seu contedomuda e se enriquece, so: Perodo pr-socrtico, dofim do sculo VII a.C ao fimdo sculo V e C, quando afilosofia se ocupafundamentalmente com aorigem do mundo e ascausas das transformaesna natureza. Os principaisfilsofos pr-socrticosforma: 5. Os da Escola Jnica: Talesde Mileto, Anaxmenes deMileto, Anaximandro deMileto e Herclito de feso; Os da Escola Itlica:Pitgoras de Samos, Filolaude Crotona e rquitas deTarento; Os da Escola de Eleata:Parmnides de Eleia eZeno de Eleia; Os da Escola da Pluralidade:Empedocles de AgrigentoLeucipo de Abdera eDemcrito. 6. Algumas caractersticas dacosmologia so: Busca o principio natural,eterno, imperecvel e imortal,gerador de todos os seres. Acosmologia no admite acriao do mundo a partir donada; ela afirma a gerao detodas as coisas por umprincpio natural de ondetudo vem e para onde tudoretorna. Esse princpio umanatureza primordial chamadophysis, sendo ele a causanatural contnua eimperecvel da existncia detodos os seres e de suastransformaes.Cosmologia 7. Tambm uma explicao racional e sistemticasobre a origem, ordem e transformao danatureza, da qual os seres humanos fazem parte,de modo que, ao explic-la, a filosofia tambmexplica a origem e as mudanas dos sereshumanos. Perodo socrtico, do fim do sculo V a.C a todo osculo IV a.C., quando a filosofia investiga asquestes humanas, isto , a poltica e as tcnicas,e busca compreender qual o lugar do homem nomundo. 8. Com o desenvolvimento dascidades, do comrcio, doartesanato e das artes militares,Atenas tornou-se o centro da vidasocial, poltica e cultual da Grcia,e viveu seu perodo de esplendor,conhecido como o Sculo dePricles. poca de maior florescimentoda democracia. A democraciagrega possua, entre outras, duascaractersticas de grandeimportncia para o futuro dafilosofia. Em primeiro lugar, afirmava aigualdade de todos os homensadultos perante as leis e o direitode todos participar diretamente dogoverno da cidade, da polis. 9. Em segundo, e como consequncia, a democracia,sendo direta e no por eleio de representantes,garantia toda a participao no governo, e os quedele participavam tinham o direito de exprimir,discutir e defender em pblico suas opinies sobreas decises que a cidade deveria tomar. Para prosseguir que sua opinio fosse aceita nasassembleias, o cidado precisava saber falar e sercapaz de persuadir os demais. Com isso, umamudana profunda vai ocorrer na educao grega. Antes da instituio da democracia, as cidadeseram dominadas pelas famlias aristocrticas,senhoras das terras e do poder militar. 10. Qual o momento que ocidado mais aparece e maisexerce sua cidadania? Quandoopina, discute, delibera e votanas assembleias. Assim, a novaeducao estabelece comopadro ideal a formao do bomorador, isto , aquele que sabefalar em pblico e persuadir osoutros na poltica. Para dar aos jovens essaeducao, substituindo aeducao antiga dos poetas,surgiram, na Grcia, os sofistas,os primeiros filsofos do perodosocrtico. Os sofistas maisimportantes so: Protgoras deAbdera, Grgias de Leontini eIscrates de Atenas. 11. SCRATES CONTRAS OSSOFISTAS Scrates rebelou-se contra ossofistas, dizendo que eles no eramfilsofos, pois no tinham amor pelasabedoria nem respeito pelaverdade, defendendo qualquer ideia,se isso fosse vantajoso. Corrompiamo esprito dos jovens, pois faziam oerro e a mentira valerem tantoquanto a verdade. Como homem de seu tempo,Scrates concordava com os sofistasem um ponto: por um lado, aeducao antiga do guerreiro belo ebom j no atendia s exigncias dasociedade grega e, por outro, osfilsofos cosmologistas defendiamideias to contrrias entre si quetambm no eram uma fonte segurapara o conhecimento verdadeiro. 12. Discordando dos antigos poetas, dosantigos e dos sofistas, o que propunhaScrates? Propunha que, antes de quererconhecer a natureza e antes de quererpersuadir os outros, cada um deveriaprimeiro e antes de tudo, conhecer-se a simesmo. 13. AS IDEIAS DE SCRATES Sabemos que os poderes tm medo dopensamento, pois o poder mais forte seningum pensar, se todos aceitarem ascoisas como elas so, ou melhor, comonos dizem e nos fazem acreditar queso. Para os poderes de Atenas,Scrates tornara-se um perigo, pois faziaa juventude pensar. Por isso, eles oacusarem de desrespeitar os deuses,corromper os jovens a violar as leis.Levado assembleia, Scrates no sedefendeu e foi condenado a tomar umveneno, a cicuta. Porque Scrates no se defendeu?Porque, dia ele, se eu me defender,estarei aceitando as acusaes, e eu noas aceito. Se eu me defender, o que osjuzes vo exigir de mim? Que eu pare defilosofar. Mas eu prefiro a morte ater derenunciar filosofia. 14. O julgamento e a morte de Scrates so narradospor Plato numa obra intitulada Apologia deScrates a defesa de Scrates, feita por seusdiscpulos, contra Atenas. Scrates nunca escreveu. O que sabemos de seupensamento encontra-se nas obras de seus vriosdiscpulos, e Plato foi o mais importante deles.Podemos apresentar algumascaractersticas gerais do perodosocrtico: 15. A filosofia se volta para as questes humanas noplano da ao, dos comportamentos, das ideias,das crenas, dos valores e, portanto, se preocupacom as questes morais. O ponto de partida da filosofia a confiana nopensamento ou no homem como um ser racional,capaz de conhecer-se a si mesmo e, portanto,capaz de reflexo. A reflexo e o trabalho do pensamento so tomadoscomo uma purificao intelectual que permite aoesprito humano conhecer a verdade invisvel,imutvel, universal e necessria. 16. PERODO SISTEMTICO Do final do sculo IV ao finaldo sculo III a.C., quando aFilosofia busca a reunir esistematizar tudo quando foipensado sobre a cosmologiae a antropologia,interessando-se, sobre tudoem mostrar que tudo pode serobjeto do conhecimentofilosfico, desde que as leisdo pensamento e de suasdemonstraes estejamfirmemente estabelecidaspara oferecer os critrios daverdade e da cincia. 17. PERODO HELENSTICO Trata-se do ltimo perodo da filosofiaantiga, quando a polis gregadesaparece como centro poltico edeixa de ser a citao principal dosfilsofos, uma vez que a Grciaencontra-se sob o poder do ImprioRomano. A filosofia helenstica corresponde aum desenvolvimento natural domovimento intelectual que a sucedeue torna-se a enfrentar muitas vezescom temas pr-socrticos; porm,sobretudo ela profundamentemarcada pelo esprito socrtico. Aexperincia com outros povostambm lhe permitiu desempenharcerto papel no desenvolvimento danoo de cosmopolitismo, isto , daideia de homem como cidado domundo. 18. 3 ANO AANTIGA