Introdu§£o ao Cabeamento

download Introdu§£o ao Cabeamento

of 21

  • date post

    02-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    7
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Introdu§£o ao Cabeamento

  • Especificaes do Propagation Delay e Delay Skew para o cabo UTP de 4 paresAdendo n 1 da 568-A

    1. Introduo2. Proposta e Alcance3. Aplicabilidade4. Especificaes de cabos de 4 pares 100 4.1. Propagation Delay para cabos de 4 pares4.2. Propagation Delay Skew para cabos de 4 pares

    1. IntroduoA performance de transmisso depende das caractersticas do cabo, hardware de conexo, patch cords e cabeamentoda conexo cruzada, o nmero total de conexes, e o cuidado com o qual foram instaladas e fabricadas. Odesenvolvimento de certas aplicaes high speed chamou a ateno da TIA para a necessidade por requerimentosadicionais de transmisso como o delay skew para sistemas de cabeamento de 4 pares 100. Os parmetrosadicionais descritos aqui so o propagation delay e o delay skew. Propagation delay o tempo necessrio para atransmisso do sinal por um nico par do cabeamento 4 pares 100. Delay skew a diferena no propagation delayentre dois pares quaisquer envoltos no mesmo cabo.Este parmetro exigido por aplicaes que usam mltiplospares para transmisses em paralelo. Este adendo especifica os requerimentos de propagation delay e delay skewpara cabos de 4 pares 100, incluindo mtodos de medio e variabilidade permitida em operaes afetadas porcondies ambientais. Os limites especificados aqui permitem a configurao mxima do canal como definida naTIA-568-A em laboratrio. Embora estas sejam novas especificaes, muitos dos cabos submissos TIA/EIA-568-Aprovavelmente esto de acordo em estas especificaes.ndice

    2. Proposta e AlcanceEste documento especifica o propagation delay para cabos de 4 pares 100 de todas as categorias. O documentotambm especifica o delay skew para cabos de 4 pares de todas as categorias reconhecidas. Relacionado a estas duasespecificaes, este adendo especificar a variabilidade permitida do alcance operacional da temperatura. Mtodosde medio em laboratrio e clculos usados no alcance da freqncia especfica esto includos nestasespecificaes. Requerimentos para teste de campo no so cobertos por esta norma.ndice

    3. AplicabilidadeOs requerimentos de transmisso especificados aqui aplicam-se a cabos de 4 apres 100 especificados na NormaANSI/TIA/EIA-568-A. Este adendo especifica requerimentos adicionais de performance para cabos UTP de 4 pares100 cabos STP. Submeter-se a esta especificao no implica compatibilidate com cabos que tm valores deimpedncia nominal na ordem de 100. ndice

    4. Especificaes de cabos de 4 pares 100Os requerimentos para propagation delay e delay skew apresentados nesta seo assumem que o cabo ocontribuidor predominante de delay skew de um canal.Observao: Propagation delay e propagation delay skew para cabos UTP multipares esto em estudo. ndice

    4.1 Propagation delay para cabos de 4 paresO propagation delay para qualquer par de um cabo de 4 pares 100 submisso Norma TIA-568-A deve determinara freqncia de acordo com a ASTM D 4566. A equao seguinte deve ser usada par calcular o maior propagationdelay permissvel de todas as freqncias entre 1.0 MHz e a maior freqncia de uma determinada categoria. Aequao deve ser usada para conformidar os cabos da categoria 3, 4, e 5; os valores mostrados na tabela so apenaspara informaes. A equao calcula o propagation delay a 570 ns/100 m a 1 MHz.

    delay(ns / 100)

  • 1 570 58,5% 4510 545 61,1% 45100 538 62,0% 45

    ndice

    4.2 Propagation delay skew para cabos de 4 paresA diferena no propagation delay entre o mais rpido e o mais lento par de um cabo no deve exceder 45 ns/100mentre 1 MHz e a maior freqncia de uma determinada categoria quando medida de acordo com a ASTM D 4566 a20C, 40C, e 60C. Existe uma funo adicional que exige que o skew entre a combinao de todos os pares novarie mais que 10ns desde o valor medido a 20C, at a medio a 40C e a 60C. A conformidade deve serdeterminada usando no mnimo 100m de cabo.ndice

    Correes e Acrscimos para a Norma 568-AAdendo n 2

    PropostaEste adendo publicado para modificar certas exigncias da Norma ANSI/TIA/EIA-568A e para providenciar novasexigncias para itens onde novas publicaes tcnicas surgiram devido evoluo da tecnologia. 1. Topologia EstrelaO cabeamento ptico centralizado projetado como uma alternativa conexo cruzada localizada no armrio detelecomunicaes, quando utilizando um cabo ptico de 62.5/125m na horizontal em suporte a equipamentoseletrnicos centralizados. Usurios que desejam desdobrar um sistema de cabeamento centralizado devem consultara Norma TIA/EIA TSB-72 em Diretrizes de Cabeamento ptico Centralizado.2. Conexes Cruzadas e IntrconexesO cabeamento ptico centralizado projetado como uma alternativa conexo cruzada localizada no armrio detelecomunicaes, quando utilizando um cabo ptico de 62.5/125m na horizontal em suporte a equipamentoseletrnicos centralizados. Usurios que desejam desdobrar um sistema de cabeamento centralizado devem consultara Norma TIA/EIA TSB-72 em Diretrizes de Cabeamento ptico Centralizado.3. Projeto da Conexo CruzadaAcrescentar: O hardware de conexo usado por cabeamento UTP de 100 no pode conter pares transpostos (por exemplo,transposio dos pares 2 e 3) ou pares reversos (tambm chamado ponta/anel reversos).Observao: Enquanto algumas aplicaes de rede exigem a pares transmissores e receptores sejam trocados, deveser notado que tais adpataes de aplicaes especficas so realizadas usando adaptadores, cords da rea detrabalho o cords de equipamento que esto alm do alcance da norma.4. Testes de CampoAcrescentar:Teste de campo de rotas de cabeamento UTP em freqncias de at 100 MHz abordado na norma TIA/EIA TSB-67. Parmetros adicionais de transmisso esto em estudos.

    ESPECIFICAES DE INFRA-ESTRUTURA DO CABEAMENTO ESTRUTURADO(Commercial Building Standards For Telecommunicatios Pathways and Spaces)

    A prioridade desta norma prover as especificaes do projeto e direo para todas asinstalaes do prdio relacionadas aos sistemas de cabeamento de telecomunicaes ecomponentes. Este padro identifica e enderea seis componentes proeminentes dainfraestrutura do prdio: facilidade de entrada, sala(s) de equipamentos, rotas de backbone,armrios de telecomunicaes, rotas horizontais e reas de trabalho.

    1. Facilidade de Entrada (Entrance Facility)2. Sala de Equipamentos (Equipment Room)3. Consideraes Gerais de Projeto (General Design Considerations)

  • 3.1. Referncias ao tamanho (Sizing Issues)3.2. Outras Referncias Sala de Equipamentos (Other Equipment Room Design Issues)4. Rotas Inter-Edifcios (Inter-Building Pathways)5. Rotas Inter-Edifcios de Backbone Subterrneo (Underground Inter-Building Backbone Pathways)6. Rotas Diretamente Enterradas de Backbone Inter-Edifcios(Direct Buried Inter-Building Backbone Pathways)7. Rotas Areas de Backbone Inter-Edifcios(Aerial Inter-Building Backbone Pathways)8. Rotas Inter-Edifcios de Backbone em Tnel(Tunnel Inter-Building Backbone Pathways)9. Rotas Intra-Edifcio (Intra-Building Pathways)10. Rotas de Backbone Verticais (Vertical Backbone Pathways)11. Rotas de Backbone Horizontais (Horizontal Backbone Pathways)11.1. Design Issues (Referncias ao Projeto)12. Armrio de Telecomunicaes (Telecommunications Closet - TC)12.1. Consideraes Gerais de Projeto (General Design Considerations)12.2. Referncias ao Tamanho e Espaamento (Size and Spacing Issues)12.3. Outras Referncias ao Projeto (Other TC Desing Issues)13. Rotas Horizontais (Horizaontal Pathways) 14. Duto Subterrneo (Underfloor Duct)15. Piso de Acesso (Acess Floor)16. Condute (Conduit)17. Bandejas de Cabos e Wireways (Cable Trays and Wireways)18. Rotas de Teto (Ceiling Pathways)19. Rotas de Permetro (Perimeter Raceways)20. No fazem parte da norma21. rea de Trabalho (Work Area)22. reas de Trabalho (Work Areas)23. Sadas de Telecomunicaes (Telecommunications Outlets)

    1. FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility)ANSI/TIA/EIA569-A define uma facilidade de entrada como qualquer local onde os servios detelecomunicaes entram em um prdio e/ou onde h rotas de backbone vinculadas a outrosedifcios no campus onde esto localizados. A facilidade de entrada pode conter dispositivoscom interface de redes pblicas bem como equipamentos de telecomunicaes. As normasrecomendam que o local da facilidade de entrada deve estar em uma rea seca, perto das rotasde backbone vertical.ndice

    2. SALA DE EQUIPAMENTOS (Equipment Room)Uma sala de equipamentos definida como qualquer espao onde localizam-se equipamentosde telecomunicaes comuns aos residentes, ou funcionrios, de um edifcio. No projeto elocalizao da sala de equipamentos, deve ser considerado o aumento do nmero deequipamentos e infiltraes de gua. A acessibilidade tambm deve ser considerada, uma vezque os equipamentos desta sala normalmente so grandes. O tamanho mnimo recomendadopara esta sala de 14 m2(150ft2).ndice

    3. CONSIDERAES GERAIS DE PROJETO (General Design Considerations)Sala de equipamentos: um nico e centralizado espao onde esto alojados os equipamentos detelecomunicaes de um edifcio.

    Equipamentos comuns incluem PABXs, computadores e perifricos como mainframesand video swithces.

  • Somente equipamentos diretamente relacionados ao sistema de telecomunicaes,controle de sistema e sistema de suporte ambiental so alojados na sala deequipamentos.

    Idealmente, a sala de equipamentos deve localizar-se prxima rota do backboneprincipal para permitir conexes mais fceis ao backbone.

    ndice

    3.1. REFERNCIAS AO TAMANHO (Sizing Issues) Uma sala de equipamentos ajustada (tamanho) para atender aos requerimentos conhecidosde tipos especficos e equipamentos.

    O projeto de uma sala de equipamentos deve permitir uma ocupao no uniforme doedifcio.

    A prtica recomendada prover 0,07m2 (0.75ft2) de espao da sala de equipamentospara cada 10 m2 (100ft2 ) de espao utilizvel do piso (reas de trabalho).

    Se a densidade da rea de trabalho aumentar, providenciar mais espao na sala deequipamentos.

    Edifcios multi-