Francisco de Assis Oliveira - .Francisco de Assis Oliveira Fortaleza – CE 2005 . UNIVERSIDADE...

download Francisco de Assis Oliveira - .Francisco de Assis Oliveira Fortaleza – CE 2005 . UNIVERSIDADE FEDERAL

If you can't read please download the document

  • date post

    22-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Francisco de Assis Oliveira - .Francisco de Assis Oliveira Fortaleza – CE 2005 . UNIVERSIDADE...

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEAR

    FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PS-GRADUAO EM FARMACOLOGIA

    ESTUDO DAS PROPRIEDADES FARMACOLGICAS DA

    RESINA DE Protium heptaphyllum (Aubl.) March. E DE

    SEUS PRINCIPAIS CONSTITUINTES, MISTURA DE

    - E -AMIRINA

    Francisco de Assis Oliveira

    Fortaleza CE

    2005

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEAR FACULDADE DE MEDICINA

    CURSO DE PS-GRADUAO EM FARMACOLOGIA

    ESTUDO DAS PROPRIEDADES FARMACOLGICAS DA

    RESINA DE Protium heptaphyllum (Aubl.) March. E DE SEUS

    PRINCIPAIS CONSTITUINTES, MISTURA DE

    - E -AMIRINA

    Francisco de Assis Oliveira

    Tese submetida coordenao do curso de Ps-

    Graduao em Farmacologia, do Departamento de

    Fisiologia e Farmacologia da Faculdade de Medicina da

    Universidade Federal do Cear, como requisito parcial

    para a obteno do ttulo de Doutor em Farmacologia.

    Orientador: Prof. Vietla Satyanarayana Rao

    Fortaleza CE

    2005

  • Esta tese foi submetida como parte integrante dos requisitos necessrios a

    obteno do Grau de Doutor em Farmacologia, outorgado pela Universidade Federal

    do Cear e encontra-se a disposio dos interessados na biblioteca da Faculdade de

    Medicina da referida universidade.

    A citao de qualquer trecho desta Tese permitida, desde que seja feita

    de conformidade com as normas da tica.

    _____________________________________

    Francisco de Assis Oliveira Tese aprovada em: 24/06/2005

    ____________________________________ Prof. Dr. Vietla Satyanarayana Rao

    (Orientador)

    ____________________________________ Prof. Dr. Joo Batista Calixto (UFSC)

    ____________________________________ Prof. Dr. Reinaldo Nbrega de Almeida (UFPB)

    ____________________________________ Profa. Dra.Glauce Socorro Barros Viana (UFC)

    ____________________________________ Prof. Dr Carlos Maurcio de Castro Costa (UFC)

  • O47e Oliveira, Francisco de Assis Estudo das propriedades farmacolgicas da resina de

    Protium heptaphyllum (Aubl.) March. e de seus principais constituintes, mistura de -e -amirina. / Francisco de Assis Oliveira / Fortaleza, 2005.

    237 f.: il. Orientador: Prof. Dr. Vietla Satyanarayana Rao.

    Tese (Doutorado). Universidade Federal do Cear. Curso de Ps-graduao em Farmacologia

    1. Bursearaceae. 2. Plantas medicinais. 3. Farmacologia. 4. Triterpenos. 5. Receptor TRPV1.

    CDD 615.32324

  • A Deus fonte de fora e esperana;

    Aos meus pais, Alcides (in memorian) e Elisa;

    Aos meus irmos;

    A Waleska, minha esposa e companheira.

    Dedico

  • Outras formas de descobertas dos efeitos teraputicos das plantas se encontram em inmeras prticas, tais como: o uso de amuletos, a cura por meio de oraes que, muitas vezes, utilizam plantas para o benzimento, em rituais africanos, indgenas e outros. Todas essas manifestaes contriburam, graas ao seu componente emprico, com a seleo e a incorporao de espcies vegetais como plantas medicinais eficazes. Estes exemplos mostram-se suficientes para caracterizar a importncia e a relevncia, no apenas dos magos, bruxos, feiticeiros e alquimistas, mas tambm do conhecimento disseminado por toda a populao, os quais contribuem amplamente para o conhecimento da natureza e servem como subsdio bsico, e de extremo valor, para a seleo de plantas medicinais para estudos detalhados voltados para a obteno de novos medicamentos. (Di Stasi)

  • AGRADECIMENTOS

    Ao Prof. Vietla Satyanarayana Rao, pela orientao, estmulo e dedicao

    durante a realizao deste trabalho. Meu muito obrigado.

    Universidade Federal do Piau pelo afastamento concedido durante o

    perodo da qualificao.

    Profa. Fernanda Regina (UFPI) e Silvria Lira pelo incentivo no incio

    desta jornada.

    Profa. Mariana Helena Chaves (UFPI) pelo fornecimento dos produtos de

    Protium heptaphyllum e apoio durante todo o trabalho.

    Profa Gerly Anne de Castro Brito pela colaborao nos trabalhos de anlise

    histolgica.

    Profa Glauce Socorro Barros Viana pela utilizao do laboratrio.

    Ao Prof. Pedro Jorge Caldas Magalhes pelo fornecimento do vermelho de

    rutnio.

    Aos meus amigos da Ps-graduao Regilane, Roberto, Jeferson, Adriana

    Rolim, Luilma, Karina e Juliana.

    Gostaria de agradecer, de forma especial, aos amigos Regilane Matos (NC) e

    Roberto Csar (Bob) pela imprescindvel e imensurvel ajuda na realizao deste

    trabalho. A vocs dois, meu reconhecimento e o meu muito obrigado.

  • Meu agradecimento aos bolsistas e ex-bolsistas do Laboratrio de Produtos Naturais

    Mariana, Kelcyana, Alana, Lvia, talo, Bruno, Cinthia, Fabrcio, Deive, Jonny, Hermes, Wilcare,

    Rafaela pela ajuda nos experimentos e pelos momentos de alegria.

    Karina Marques e Aline Bastos pela colaborao tcnica, apesar do pouco

    tempo de convivncia no LPN.

    Aos funcionrios do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da UFC, em

    especial a Rose, ris, Chiquinho, Fernando e Edmilson.

    Slvia Maria e ura Farias, pela disponibilidade, amizade no decorrer do

    curso de Ps-Graduao.

    Profa Flvia Almeida Santos pela ajuda no incio dos trabalhos.

    todos os Professores do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da UFC que direta

    ou indiretamente contriburam para a realizao deste trabalho.

    CAPES/PROCAD pelo suporte financeiro.

  • SUMRIO

    Lista de Abreviaturas xiv

    Lista de Figuras xvi

    Lista de Tabelas xix

    RESUMO xxii

    ABSTRACT xxiv

    1. INTRODUO 01

    1.1. Os produtos naturais e sua importncia como fonte de novos

    medicamentos.

    01

    1.2. Biodiversidade 09

    1.3. Resinas naturais 11

    1.4. Terpenos 13

    1.4.1. Monoterpenos 14

    1.4.2. Sesquiterpenos 15

    1.4.3. Diterpenos 15

    1.4.4. Triterpenos 16

    1.4.5. Tetraterpenos e carotenides 17

    1.5. Triterpenos e atividade biolgica 17

    1.5.1. Atividade antiinflamatria e antinociceptiva 18

    1.5.2. Atividade gastroprotetora 25

    1.5.3. Atividade hepatoprotetora 31

    1.5.4. Neurnios sensoriais aferentes, receptores vanilides e seus

    papis na gastroproteo e nocicepo visceral 35

    1.5.5. Outras atividades 42

    1.6. Protium heptaphyllum 44

    1.6.1. Consideraes botnicas 44

  • 1.6.2. Usos populares 45

    1.6.3. Qumica e farmacologia de Protium spp 47

    2. OBJETIVOS 53

    3. MATERIAL 55

    3.1. Material botnico 55

    3.2. Animais experimentais 58

    3.3. Drogas e reagentes 58

    3.4. Aparelhos 60

    4. MTODOS 61

    4.1. QUMICOS 61

    4.2. TOXICIDADE AGUDA 61

    4.2.1. Toxicidade aguda para camundongos 61

    4.2.2. Toxicidade aguda para camaro de salmoura (Artemia sp) 62

    4.3. ATIVIDADE ANTIINFLAMATRIA 63

    4.3.1. Efeito da resina de P. heptaphyllum no edema de pata

    induzido por carragenina 65

    4.3.2. Efeito da resina de P. heptaphyllum no granuloma induzido

    por pellet de algodo 64

    4.3.3. Efeito da resina de P. heptaphyllum no aumento de

    permeabilidade vascular induzido por cido actico 63

    4.4. ATIVIDADE GASTROPROTERORA 71

    4.4.1. Efeito da resina de P. heptaphyllum na lcera gstrica

    induzida por etanol 71

  • 4.4.2. Efeito da resina de P. heptaphyllum na lcera gstrica

    induzida por etanol acidificado 72

    4.4.3. Efeito da resina de P. heptaphyllum sobre a secreo gstrica

    em modelo de ligao do piloro 73

    4.4.4. Efeito da resina de P. heptaphyllum na lcera gstrica

    induzida por indometacina

    4.4.5. Efeito da mistura de - e -amirina na lcera gstrica induzida

    por etanol: papel dos neurnios aferentes primrios sensveis

    capsaicina 73

    4.5. ATIVIDADE ANTIPRURIGINOSA 68

    4.5.1. Efeito da mistura de - e -amirina no prurido induzido por

    dextrana T40 68

    4.5.2. Efeito da mistura de - e -amirina no prurido induzido pelo

    composto 48/80 69

    4.5.3. Efeito do antagonista da naloxona sobre a atividade

    antirpuriginosa da mistura de - e -amirina ou morfina no prurido

    induzido pelo composto 48/80 69

    4.5.4. Efeito da mistura de - e -amirina sobre a degranulao de

    mastcitos ex vivo 70

    4.5.5. Efeito da mistura de - e -amirina no edema de pata induzido

    por dextrana 67

    4.5.6. Efeito da mistura de - e -amirina no edema de pata induzido

    pelo composto 48/80 66

    4.5.7. Efeito da mistura de - e -amirina no edema de pata induzido

    por histamina 65

    4.5.8. Efeito da mistura de - e -amirina no edema de pata induzido

    por serotonina 66

  • 4.6. ATIVIDADE ANTINOCICEPTIVA 74

    4.6.1. Efeito da mistura de - e -amirina na nocicepo induzida

    pela capsaicina 75

    4.6.2. Efeito da mistura de - e -amirinas na nocicepo induzida

    pela administrao intracolnica de capsaicina (nocicepo

    visceral) 76

    4.6.3. Efeito da mistura de - e -amirina sobre a resposta trmica

    induzida por capsaicina 77

    4.7. ATIVIDADE HEPATOPROTETORA 77

    4.7.1. Efeito da mistura de - e -amirina na hepatoxicidade

    induzida pelo acetaminofeno em camundongos 78

    4.7.2. Efeito da mistura de - e -amirinas na hepatoxicidade

    induzida por D-Galactosamina/Lipopolissacardeo em

    camundongos. 79

    4.7.3. Avaliao histopatolgica 80

    4.8. AVALIAO DA MISTURA DE - E -AMIRINA NOS

    TESTES DE ROTA-ROD, CAMPO ABERTO E TEMPO DE

    SONO

    81

    4.8.1. Efeito da mistura de - e -amirina sobre a coordenao

    motora de camundongos 81

    4.8.2. Efeito da mistura de - e -amirinas sobre a atividade

    exploratria 82