Curvas tempo temperatura transformação-T.T.T. e curvas C.C.T. continuous cooling...

Click here to load reader

download Curvas tempo temperatura transformação-T.T.T. e curvas C.C.T. continuous cooling transformation

of 32

  • date post

    16-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    102
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Curvas tempo temperatura transformação-T.T.T. e curvas C.C.T. continuous cooling...

  • Slide 1
  • Curvas tempo temperatura transformao-T.T.T. e curvas C.C.T. continuous cooling transformation
  • Slide 2
  • Caractersticas gerais dessas curvas Cada curva T.T.T. especfica para determinado ao de composio conhecida. Nas ordenadas temos as temperaturas de aquecimento. As temperaturas mximas de interesse vo at a regio da austenita (Fe -C.F.C.) que em geral a estrutura de partida dos tratamentos trmicos. Nas abscissas correspondem os tempos decorridos para a transformao da austenita em outras estruturas em escala logaritimica. Associa as estruturas formadas no ao em questo em funo da velocidade de resfriamento (considera o efeito cintico, a varivel tempo). Convergem para as estruturas indicadas no diagrama de equilbrio sempre que as taxas de resfriamento forem lentas.
  • Slide 3
  • Curvas T.T.T. construo
  • Slide 4
  • Curva T.T.T. para um ao com 0,77% de carbono
  • Slide 5
  • Curva T.T.T. para um ao eutetoide (0,77% de C), mostrando a transformao isotrmica de austenita para perlita
  • Slide 6
  • Processo de resfriamento lento a partir da austenita para um ao eutetoide: Recozimento (estrutura: perlita)
  • Slide 7
  • Diferena de aspecto entre a perlita grossa e a perita fina
  • Slide 8
  • Novas estruturas nos aos Bainita:Se formam a partir da decomposio isotrmica da austenita instvel entre o cotovelo da curva T.T.T. e a isoterma Mi de inicio de formao de martensita So disperses submicroscpicas de carboneto de ferro e ferrita (Fe ) com aspecto acicular. Ao lado em cima bainita superior Ao lado embaixo bainita inferior.
  • Slide 9
  • Resfriamento isotrmico para um ao eutetide para formao de Bainita: Austmpera
  • Slide 10
  • Aspecto da Bainita aps preparo microgrfico no ao austemperado
  • Slide 11
  • Regio de formao de perlita e de bainita para um ao eutetoide (0,77% C)
  • Slide 12
  • Novas estruturas nos aos Martensita: para subresfriamentos da austenita instvel a temperaturas abaixo de Mi (por volta de 300C) surge o constituinte martensita A transformao ocorre a partir da austenita e independe do fator tempo, no entanto, o resfriamento deve ser rpido o bastante de tal forma que a austenita no se transforme antes em outra estrutura. uma soluo super saturada de carbono no ferro de aspecto acicular e de reticulado tetragonal
  • Slide 13
  • Resfriamento rpido para obteno de martensita em um ao eutetide: Tmpera
  • Slide 14
  • Aspecto da martensita aps preparo microgrfico no ao temperado
  • Slide 15
  • Velocidade insuficiente de tmpera: Estrutura: Martensita e perlita
  • Slide 16
  • Estrutura de um ao eutetide temperado com velocidade insuficiente de tmpera: Perlita (escura) e martensita (acicular)
  • Slide 17
  • Regio de formao de martensita nas curvas T.T.T.
  • Slide 18
  • Diversas curvas de resfriamento e as respectivas estruturas formadas para um ao eutetoide
  • Slide 19
  • Microestruturas obtidas para um ao eutetide para diferentes velocidades de resfriamento
  • Slide 20
  • Curva TTT esquemtica para um ao hipoeutetoide: presena da ferrita primria
  • Slide 21
  • Curvas T.T.T. para aos hipoeutetoides contendo baixo carbono (esquerda) e mdio teor de carbono (direita)
  • Slide 22
  • Curva T.T.T. para um ao hipereutetoide (1,13% de C)
  • Slide 23
  • Curvas T.T.T. para um ao liga contendo molibdnio mostrando os dois cotovelos tpicos dessas ligas
  • Slide 24
  • Fatores que afetam as curvas T.T.T. Quanto maior o teor de carbono e de elementos de liga no ao (com exceo do Co) mais para a direita se deslocam as curvas, facilitando a tmpera. Quanto maior o tamanho de gro da austenita antes do resfriamento mais para a direita se deslocam as curvas facilitando a tmpera.As transformaes iniciam nos contornos de gro.No entanto o aumento do tamanho de gro prejudica as propriedades do ao Quanto mais homognea a austenita (sem partculas de carboneto impurezas etc...) mais para a direita se deslocam as curvas T.T.T. facilitando a tmpera. Em geral quanto mais alta a temperatura de aquecimento e quanto maior o tempo de permanncia mais homognea a austenita
  • Slide 25
  • Curvas C.C.T. para resfriamento contnuo sobrepostas as curvas TTT para resfriamento isotrmico Muitos tratamentos trmicos so feitos com resfriamento contnuo o que gera um pequeno desajuste nas curvas TTT que como vimos so construdas a partir de um resfriamento isotrmico As curvas CCT ficam um pouco abaixo e a direita das TTT sendo construda at o cotovelo apenas.
  • Slide 26
  • Curva de resfriamento contnuo (CCT) em vermelho e isotrmico (TTT)em preto
  • Slide 27
  • Efeito da seo da pea sobre a velocidade de resfriamento
  • Slide 28
  • Curvas de resfriamento de uma pea sobre um diagrama de resfriamento contnuo
  • Slide 29
  • Slide 30
  • Slide 31
  • Slide 32