Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos

download Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos

If you can't read please download the document

  • date post

    17-Dec-2014
  • Category

    Sports

  • view

    421
  • download

    4

Embed Size (px)

description

Análise objetivou realizar uma revisão na literatura atual sobre o uso do suplemento nutricional Creatina e seus possíveis efeitos no desempenho aeróbico e anaeróbico, força muscular e seus possíveis efeitos adversos relacionados ao consumo a longo prazo.Trabalho apresentado em disciplina de graduação.

Transcript of Creatina, desempenho físico e possíveis efeitos adversos

  • 1. 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educao Fsica, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Disciplina: Respostas Neuroendcrinas relacionadas ao Exerccio Fsico Prof. Dr. Washington Pires EFEITOS ERGOGNICOS DA SUPLEMENTAO DE CREATINA Componentes: Bruno Teobaldo Campos Joo Gabriel Rodrigues Lucas Chiericatti

2. INTRODUO 3. Creatina (cido -metil guanidino actico) Amina natural Encontrada primariamente no ME Sintetizada no fgado, rins e pncreas partir de Glicina + Arginina + Metionina 4. 60-70% livre ; 30-40% fosforilada 95% ME 5% (corao, msc. Lisos, testculos e crebro) 120-140g em homens adultos Diferentes concentraes nas fibras musculares Pode ser obtida tambm na alimentao (carne vermelha e peixes) Produo endgena (1g/dia) + obtida na dieta (1g/dia) turnover degradao espontnea de Cr e PCr 5. Em 2005 a ANVISA proibiu sua venda no Brasil Revogao em abril/2010, com clara recomendao para praticantes de exerccio de alta intensidade. Durante este perodo, em 2009, a SBMEE Acredita que seu uso justificado em vegetarianos e idosos, mas com um fraco grau de recomendao. 6. 1 kg R$ 233 15 tabletes 1,5g /cada R$ 15 60 cpsulas 3g Cr em 4 cpsulas R$ 29,61 Encontrada nas formas de tabletes, cpsulas ou slida em p. 7. fornecimento de energia temporria; manuteno da taxa de sntese de ATP/ADP (CK); fornece H+ ; regula a gliclise. efeitos protetores (Antioxidante) na quimioluminescncia urinria Como suplemento alimentar, distribuda na forma de Creatina monohidratada ( Crm ou CrH2O) Principais funes: 8. Introduo Estudos mostram o efeito da creatina monohidratada (CM) no desempenho anaerbico (curta durao) de curto (5-7 dias) e longo (acima de 30 dias) perodo de suplementao Poucos estudos sobre o efeito da CM em exerccios de avaliaes de campo padronizados de potncia, velocidade lateral, agilidade e mudanas de direo Polietileno glicol (PEG), no txico, ajuda absoro de substncias Futebol americano* 9. 28 dias de suplementao de PEG-creatine (1.25 e 2.5 gd-1) medidas de desempenho anaerbico: salto vertical, salto em distncia, tiro de 40 jardas, 20 m de shuttle run, 3 cone drill, supino reto, banco extensor e composio corporal randomizado, duplo cego, grupo controle (placebo), design paralelo 10. Mtodos Dia 0 > salto vertical, salto em distncia, tiro de 40 jardas, 20 m de shuttle run, 3 cone drill Dia 1 > Supino reto e banco extensor unilateral de ambas as pernas (1 RM e nmero mx. 80 % RM) + pesagem hidrosttica 2 dias antes evitar exerccios* 11. Sujeitos 77 homens: idade = 22.1 2.5 anos; massa corporal = 81.7 8.4 kg; altura= 181.7 5.3 cm Placebo(celulose) n = 23 1,25 g PEG-creatina n = 27 2,50 g PEG-creatina n=27 Ingeriram 4 tabletes + 0.5 L de gua durante 28 dias Dia 0 , Dia 14 e Dia 28 retornaram ao laboratrio 12. Resultados 13. Rev. Bras. Med. Esporte Vol. 16, No 3 Mai/Jun, 2010 Bruno Gualano; Fernanda Michelone Acquesta; Carlos Ugrinowitsch; Valmor Tricoli; Jlio Cerca Serro; Antonio Herbert Lancha Junior; 14. EFEITOS DA SUPLEMENTAO DE CREATINA NA PRODUO DE FORA MUSCULAR Possveis mecanismos mesmo na ausncia de T.F.: contedo intramuscular de fosforilcreatina; velocidade de regenerao de fosforilcreatina durante o exerccio; Melhora na atividade da via glicoltica pelo tamponamento de ons H+; Tempo de relaxamento no processo de contrao-relaxamento da musculatura esqueltica melhora da atividade da bomba sarcoendoplasmtica de clcio; Concentrao de glicognio muscular. 15. Arciero et al, 2001 Grupo suplementado com Creatina Grupo suplementado com creatina que realizou Treinamento de Fora Durante 4 semanas Aumento na Fora dinmica mxima no supino(8%) e no Leg Press (16%) Aumento na Fora dinmica mxima no supino(18%) e no Leg Press (42%) Arciero et al. sugerem que cerca 40% do aumento de fora no grupo treinado e suplementado se deva aos efeitos agudos da suplementao de creatina, sendo o restante devido a mecanismos mediados pelo treinamento. 16. EFEITOS DA SUPLEMENTAO DE CREATINA NA HIPERTROFIA Em meta-anlise conduzida por Branch (2003), dos 67 estudos que mensuraram a massa corporal, 43 reportaram aumentos na massa corporal total e/ou massa magra decorrentes da suplementao de creatina. Volek et al (1999) evidenciaram que sujeitos que receberam suplementao de creatina durante treinamento de fora de 12 semanas apresentaram maiores aumentos na rea de seco transversa de fibras do tipo I, IIa e IIx em relao ao grupo controle, apenas treinado. 17. EFEITOS DA CREATINA SOBRE A RETENO HDRICA E O BALANO PROTEICO: Willoughby e Rosene (2001), Olsen et al (2006), Volek (1999). Especulado que mudanas nos contedos intracelulares de gua podem influenciar a traduo de protenas contrteis. Berneis et al,1999 Os autores submeteram homens saudveis s trs condies definidas como de hipo-osmolaridade, hiperosmolaridade e iso-osmolaridade extracelular e observaram que, no primeiro caso, houve maior aumento na sntese protica do que nas outras situaes. 18. Parise et al (2001) e Louis et al (2003) Suplementaram creatina durante cinco dias. No observaram modificaes na sntese e catabolismo de protenas. Esses dados sugerem que a creatina per se, por um curto perodo, no altera significativamente o balano protico, mesmo quando combinada a uma nica sesso de exerccios de fora. 19. EFEITOS DA CREATINA SOBRE A EXPRESSO GNICA Willoughby e Rosene (2001), Olsen et al (2006), Deldicque et al. (2007), Deldicque et al. (2008), 20. Safdar et al, 2008 reportaram que: A suplementao de creatina por 10 dias capaz de elevar a expresso de genes envolvidos na: Regulao Osmtica; Sntese e degradao de glicognio; Remodelagem do citoesqueleto; Proliferao de clulas satlites; Reparo e Replicao de DNA; Controle de Transcrio de RNA; Morte Celular. 21. Deldicque et al, 2005 realizaram um estudo que: Investigou os efeitos da Creatina na expresso gnica de IGF-1 e 4E-BP1. OS indivduos foram suplementados com creatina e submetidos a bipsias musculares no repouso, 3 e 24 horas aps sesso de Treinamento de M.Inferior IGF-1 e a Fosforilao do 4e-BP1 Estado Anablico da clula muscular. 22. Willoughby e Rosene (2001) e Hespel et al (2001) demonstraram que a suplementao com Creatina: Expresso de Fatores Miognicos regulatrios(MRF4 e miogenina) Responsveis pela proliferao e diferenciao de clulas satlites 23. Leandro Ricardo Altimari; Julio Tirapegui; Alexandre Hideki Okano; Emerson Franchini; Monica Yuri Takito; Ademar Avelar; Juliana Melo Altimari; Edilson Serpeloni Cyrino; Rev. Bras. Med. Esporte Vol. 16, No 3 Mai/Jun, 2010 24. OBJETIVO DO ESTUDO Investigar o impacto de oito semanas de suplementao de Creatina sobre o desempenho anaerbio de adultos jovens treinados, submetidos a controle dos nveis de aptido fsica antes e durante o perodo de suplementao, bem como de hbitos alimentares. 25. MTODOS 26 alunos universitrios do sexo masculino; Indivduos que no estavam envolvidos em programas de treinamento estruturado e no tinham feito suplementao de creatina; Classificados como insuficientes ativos pelo IPAQ; Assinaram o TCLE. 26. 19 semanas de treinamento, 3 vezes por semana, Programa de acordo com a ACSM. Com objetivo de igualar o nvel de condicionamento dos sujeitos Indivduos dividido aleatoriamente em grupo suplementado e grupo placebo Programas de Treinamento com pesos com 4 sesses semanais Com objetivo de manter o nvel de condicionamen to dos sujeitos Antropometria, Registro alimentar, Teste de Wingate avaliao avaliao Antropometria, Registro alimentar, Teste de Wingate DESIGN Suplementao de creatina em cpsula, nos primeiros cinco dias 20 g/d e nos 51 dias subseqentes foram 3 g/d associado 250 ml de bebida carbo- hidratada 27. AVALIAO ANAERBICA: TESTE DE WINGATE Foram avaliados os seguintes parmetros: Potncia pico relativa(PPR) Potncia Mdia relativa (PMR) ndice de Fadiga (IF) [La] [CR] 28. RESULTADOS No houve efeito significante da suplementao nos indicadores de desempenho anaerbico. 29. RESULTADOS No foi verificada alterao significante na [La], entre os momentos pr e ps-suplementao, em ambos os grupos estudados (P > 0,05). Com relao a [CR], verificou-se interao significante entre grupo e tempo (P < 0,03), embora o aumento aps a suplementao no GCr, no tenha sido estatisticamente confirmado (P > 0,05). 30. DISCUSSO E CONCLUSO O presente estudo no encontrou melhora no desempenho anaerbico de adultos jovens aps suplementao; Em compensao, alguns estudos verificaram melhorias significantes nos indicadores de desempenho anaerbio PPR, PMR, TTR e IF no primeiro sprint de mltiplas sries no TW (duas e trs sries), aps a ingesto de doses variadas de Cr (20 a 35 g/d) ingeridas entre perodos de quatro a 14 dias. Essas diferenas parecem acontecer devido a falta de controle prvio da aptido fsica, dos hbitos alimentares e da manuteno durante a suplementao. 31. DISCUSSO e CONCLUSO Ainda, mesmo o presente estudo no tendo encontrado diferena no teste de nica srie, pode ser que a suplementao seja eficiente em esforo de mltiplas sries de alta intensidade A [La] no Teste de Wingate no alterou aps a suplementao , o que no suporta a teoria de que esta suplementao aumenta o tamponamento do H+ e atrasa a instalao da fadiga Quanto a [Cr] esta evidenciou efeito significante entre grupo e tempo, mostrando que os sujeitos tiveram sua reserva intramuscular de Cr aumentada. 32. Estudos de caso: Creatina - agente nefrotxico Estudos longitudinais indicam o oposto Diante desta incerteza, cada pas tem tomado suas prprias posies 33. Em humanos, os estudos no demonstram efeitos deletrios funo renal Estudos pouco controlados (p. ex: falta de aleatorizao amostral e GC, baixo poder estatstico e ausncia de marcadores precisos da funo renal) Em ratos, so empregados bons marcadores de funo renal com bom controle das variveis Resultados contraditrios 34. Edmunds et. al, 2001 Taes et. al., 2003 Em modelos animais 7 dias: 2g/Kg 35 dias: 0,48g/kg Peso renal Scores csticos Inulina (TFG) Cl (uria) Cr