Apocalpse - Aula3 - IGREJA 3-3.pdf · AULA 3 18/05/2014 Recapitulação ... • O problema da...

download Apocalpse - Aula3 - IGREJA 3-3.pdf · AULA 3 18/05/2014 Recapitulação ... • O problema da igreja

of 13

  • date post

    11-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Apocalpse - Aula3 - IGREJA 3-3.pdf · AULA 3 18/05/2014 Recapitulação ... • O problema da...

  • APOCALIPSE A Revelao Final Maio e Junho de 2014

    Igreja BaCsta Cidade Universitria Professor: Vlademir Hernandes 1

    APOCALIPSE A Revelao Final

    Professor: Vlademir Hernandes

    vlademir@ibcu.org.br

    AULA 3

    18/05/2014

    Recapitulao

    7 Roteiros do mesmo Drama Csmico "A Histria da Vitria do Cordeiro e de Sua igreja

    militante e sofredora em um mundo que jaz no maligno"

    Roteiro 1: Os 7 Candeeiros de Ouro Cada carta tem 7 partes: Destinatrio,

    Remetente, Aprovao, Reprovao, Exortao, Ameaa, Prmio

    Recapitulao

    feso "A igreja que parecia perfeita mas, porque no amava mais como antes, o Senhor preferia que no existisse"

    Esmirna "A rica igreja dos pobres sofredores que pela causa de Cristo perseveraram at a morte"

    Prgamo Cidade onde estava o trono de Satans Eram fieis, apesar de forte opresso satnica A igreja j tinha um mrtir Toleravam adeptos da doutrina de Balao e dos

    Nicolatas omissos na disciplina

    A Carta

    7.PRMIO (17) "Dar-lhe-ei do man escondido" Em contraste aos banquetes pagos, uma refeio

    exclusiva aos salvos "Pedra branca..." H muita especulao sobre o significado... Esse um daqueles textos que cada comentarista

    tem uma opinio. Algumas delas: Uma analogia com Urim e Tumim pedras usadas para

    conhecer a vontade de Deus (Ex 28:30) Um diamante precioso simbolizando a salvao valiosa

    A Carta

    7.PRMIO (17) "Pedra branca" - mais opinies Pedra - smbolo de durabilidade, estabilidade;

    branca smbolo de pureza, santidade

    Segundo um costume Romano, vencedores de disputas atlticas ganhavam uma pedrinha branca que servia de ingresso aos banquetes festivos

    "um nome novo s conhecido por quem recebe" Que nome esse? Alguns literalistas dizem que no d para saber

    agora, s quando o nome for recebido!

  • APOCALIPSE A Revelao Final Maio e Junho de 2014

    Igreja BaCsta Cidade Universitria Professor: Vlademir Hernandes 2

    A Carta

    7.PRMIO (17) Os prmios s igrejas referem-se sempre ao

    estado eterno Ser ou estar l - desfrute, garantia, comunho, etc.

    Ento, sobre a pedra com um nome misterioso, o que se pode dizer com plena convico: um prmio portanto algo bom exclusivo aos salvos algo valioso para os "vencedores" Envolve um desconhecimento h um paralelo claro como o man Man escondido e nome desconhecido

    A Carta

    7.PRMIO (17) Sobre a pedra : Pedra no NT usada como analogia para a

    edificao da igreja cada membro uma pedra que edifica a igreja (Ef 2:20; 1Pe 2:5)

    Esta edificao eterna em Apocalipse chamada de "Santurio do meu Deus" o prmio de Filadlfia era parecido, soba a forma de uma coluna" (Ap 3:12)

    A Carta

    7.PRMIO (17) Sobre o Nome misterioso: Em AP, o "Nome novo" o nome do Senhor o

    Verbo de Deus (Ap 19:11-13)

    Portanto, tanto em Ap 2:17 quanto em 3:12, o nome escrito "O Verbo de Deus" Smbolo de pertencimento tal como o da Besta (Ap 14:11)

    A Carta

    7.PRMIO (17) Sobre o mistrio: Comparemos 2:17 com 19:12: "... o qual ningum conhece, exceto quem o recebe" "... que ningum conhece, seno ele mesmo" O nome "O VERBO ()DE DEUS" (19:13) Ambos textos o tratam como "desconhecido" Uma caracterstica inerente ao Logos

    O mistrio em relao ao nome ("ningum conhece") significaria que escondido dos que rejeitaram a revelao do "Logos", assim como o man dito "escondido" deles (2:17)

    A Carta

    7.PRMIO (17) Sobre a pedra com um nome misterioso, o que

    se pode dizer com uma boa certeza: O resultado desta anlise dos demais textos : um prmio portanto algo bom exclusivo aos salvos algo valioso " para os vencedores" uma garantia de que faz parte do Santurio Eterno uma

    pedra branca no santurio de Deus um smbolo de pertencimento Cisto oculto aos perdidos (tal como o man)

    Uma Sntese Para a Igreja em Prgamo

    Uma igreja fiel, apesar das fortes opresses satnicas, mas que

    pecava por omisso pois tolerava erros doutrinrios e prticas

    pecaminosas

  • APOCALIPSE A Revelao Final Maio e Junho de 2014

    Igreja BaCsta Cidade Universitria Professor: Vlademir Hernandes 3

    4. Tiatira

    A Cidade de Tiatira

    A Cidade de Tiatira

    Patmos Mileto

    Trade

    Colossos

    Hierpolis

    A Cidade de Tiatira

    A menor das 7 cidades A geografia do local no favorecia sua proteo Para Roma, a principal funo da cidade

    oferecer uma resistncia inicial aos inimigos que atacassem Prgamo, a capital

    Tornou-se uma cidade com comrcio bem desenvolvido, e a poca de Joo era a de maior prosperidade da cidade

    Na cidade havia vrias "associaes" de comerciantes (l, linho, tingimento, curtumes, artesanato de couro, oleiros, etc.)

    A Cidade de Tiatira

    Cada negcio tinha seu deus protetor Dos associados era esperado que participassem

    dos cultos s entidades patronais, comessem das comidas oferecidas e participassem das orgias cultuais

    Para prosperar economicamente, algum deveria se filiar a uma associao e participar dos eventos cultuais da mesma

    A recusa em participar disso tudo implicava em sanes econmicas e sociais muito severas

    A Igreja em Tiatira

  • APOCALIPSE A Revelao Final Maio e Junho de 2014

    Igreja BaCsta Cidade Universitria Professor: Vlademir Hernandes 4

    A Igreja em Tiatira

    Tambm no h em Atos um registro da fundao da igreja.

    Entretanto, em Filipos, Ldia (natural de Tiatira) e toda sua famlia se convertem com a pregao de Paulo. (At 16:12-15)

    possvel que ela e/ou os parentes tiveram alguma participao na fundao da igreja

    Seguramente, outras pessoas de Tiatira tambm se converteram atravs do ministrio de Paulo em feso (At 19:9-10)

    A Carta para a Igreja - Ap 2:18-29

    A Carta

    1.DESTINATRIO (18) "Ao anjo da igreja em Tiatira" 2.REMETENTE (18) "O Filho de Deus que tem os olhos como chama de

    fogo e os ps semelhante a bronze polido" Os olhos de fogo Olhos Ele tudo v Fogo juzo - ningum pode esconder nada

    Os ps como lato puro e reluzente Ele "pisar" os condenados (Ap 14:20; 19:15)

    Descrio ligada ameaa (22,23) "Prostro de cama"; "Matarei"; "Eu sondo mentes e

    coraes"; "Retribuirei segundo suas obras"

    A Carta

    3.APROVAO (19, 24) "Conheo tuas obras" descritas na sequencia "Teu amor" O amor que faltava em feso, eles tinham

    "Tua f" Uma igreja fiel ao Senhor

    "Teu servio" Membros comprometidos com o ministrio

    "Tua perseverana" Pacincia na perseguio

    "ltimas obras mais numerosas que as primeiras" Com o tempo, eles s melhoraram em tudo! feso piorou no amor. Eles melhoraram em tudo!

    A Carta

    3.APROVAO (19, 24) O Senhor tambm reconhece que vrios da

    igreja no se contaminaram com nem com as heresias nem com a imoralidade de "Jezabel"

    A Carta

    4.REPROVAO (20 e 24) Tolerncia a "Jezabel" Nome simblico que associa tal mulher mulher de

    Acabe que levou o rei e a nao idolatria (1Rs 16:30-32)

    O erro da igreja era triplo: Permitir que uma mulher ocupasse uma posio de

    autoridade espiritual reservada a homens (1Tm 2:12) Permitir que ela ensinasse heresias Ignorar os efeitos malficos das heresias - crentes

    estavam sendo levados idolatria e imoralidade Participao ativa das "associaes" e seus cultos Sim, tais pecados so possveis a crentes!

    (1Co 6:15-20 e 1Co 10:14-21)

  • APOCALIPSE A Revelao Final Maio e Junho de 2014

    Igreja BaCsta Cidade Universitria Professor: Vlademir Hernandes 5

    A Carta

    4.REPROVAO (20 e 24) "Jezabel" e seus "filhos" conheciam as coisas

    profundas de Satans A igreja tolerava a mesma perverso gnstica vista

    em Prgamo Naquela heresia, a participao nos cultos e orgias no

    comprometeria o esprito

    Entretanto em Tiatira havia um agravavte: O problema da igreja no vinha de falsos mestres externos,

    mas de uma mulher herege de dentro (At 20:29-30)

    A Carta

    5.EXORTAO (24-25) A 1 exortao igreja est implcita: "Outra

    carga no jogarei sobre vs" A no ser a carga de parar de se omitir e tratar

    adequadamente com "Jezabel" e com seus seguidores

    A 2 exortao igreja para no perder as virtudes j conquistadas (25) obras, amor, f, servio, perseverana e as ltimas

    obras, mais numerosas do que as primeiras (19)

    A Carta

    5.EXORTAO (24-25) A Histria mostra que tragicamente, a igreja

    voltou a desobedecer ao Senhor A igreja assimilou a heresia Montanista Em cerca de 170 dC. Montano e suas "profetizas"

    Priscila e Maximila anunciavam a nova era do "Paracleto" (o Esprito Santo)

    Alegavam que o E.S. teria escolhido este grupinho para suas novas revelaes

    A igreja deu ouvidos a Montano e sua duas "Jezabeis" e desapareceu no fim do 2 sculo

    A Carta

    6.AMEAA (21-23) falsa mestra e seus seguidores Levar crentes ao pecado um pecado muito srio

    tratado com o maior rigor! (Mt 18:6) Mesmo assim, o Senhor deu chance de

    arrependimento! (21) O Senhor traria doenas (22-"prostro de cama")e

    sofrimento (22-"tribulao") tanto a ela quanto aos seus seguidores

    O Senhor traria a morte(23) e a morte de alguns serviria para despertar temor nos

    demais

    A Carta

    6.AMEAA (21-24) igreja 23 "darei a cada um segundo as vossas obras" O Senhor disciplina tanto o pecador quanto os omissos e

    tolerantes ao mesmo

    A Carta

    7.PRMIO (26-28) 26- "guardar at o fim minhas obras" Bom testemunho cristo

    26-27 "autoridade sobre as naes..." Presente- para proclamas s naes (Mt 28:18-20) Futuro -