Aerodispersóides - Método de trabalho

download Aerodispersóides - Método de trabalho

of 36

  • date post

    08-Nov-2014
  • Category

    Documents

  • view

    28
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Aerodispersóides - Método de trabalho

FRMULAS UTILIZADAS NA FOLHA DE DADOS AMBIENTAISTim(s) = Ti (s) 3 Q% = Qf Qi x 100 Qi 3 V(m ) = Qm x t(min) 1000Onde: Tim (s) = TEMPO INICIAL EM SEGUNDOS Qi (l/min) = VAZO INICIAL EM LITROS POR MINUTO Qf (l/min) = VAZO FINAL EM LITROS POR MINUTO Qm (l/min) = VAZO MDIA EM LITROS POR MINUTO V (m3) = VOLUME DE AR EM METROS CBICOS

Qi (l/min) = V x 60 t Qm = Qf + Qi 2

CARACTERSTICAS DAS BOMBAS DE AMOSTRAGEM BOMBA DE AMOSTRAGEM QUE FORNEA UMA VAZO DE AR DE 1,0 A 3,0 LITROS POR MINUTO, PROVIDA DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE VAZO E FONTE DE ALIMENTAO ELTRICA INDEPENDENTE; PORTTIL, LEVE, AUTNOMA, QUE FUNCIONA COM BATERIA RECARREGVEL E BLINDADA PARA UTILIZAO INCLUSIVE EM AMBIENTES ONDE SE PRESUME QUE EXISTE RISCO DE EXPLOSO; CARACTERSTICAS DE COMPENSAO EM FUNO DO SATURAMENTO DO FILTRO, PROPORCIONANDO 08 HORAS DE UTILIZAO CONTNUA.

ACESSRIOS LURER (PEA DE AO) MANGUEIRAS DE LTEX MANGUEIRAS DE TYGON JACARS CINTOS ANIS (AZUL)

CONJUNTO PARA CALIBRAO CILINDRO DE VIDRO GRADUADO, TRANSPARENTE COM CAPACIDADE DE 500 ml OU 1000 ml SUPORTE PARA FIXAO DO CILINDRO FRASCO RETENTOR DE UMIDADE COM DUAS ABERTURAS PARA CIRCULAO DO AR (TRAP) MANGUEIRAS FLEXVEIS CRONMETRO DE PRECISO MNIMA DE UM DCIMO DE SEGUNDO SOLUO DE GUA E SABO EM RECIPIENTE COM BOCA DE DIMETRO SUPERIOR AO DO CILINDRO

CLCULO DO TEMPO PARA A BOLHA PERCORRER O TUBOT(s) =Exemplo: T (s) = 0,5l x 60 1,7l/min T (s) = 0,5l x 60 1,7l/min 1,7l/min = 0,5l T(s) T (s) = 0,5l / 1,7l/min T(s) = 0,294min x 60s T(s) = 17,6

V (l) Q (l/min)

x 60

T (s) = 0,5 x 60 / 1,7

T (s) = 17,6

Onde: Q = VAZO REQUERIDA (l/min) V = VOLUME DA BURETA QUE A BOLHA PERCORRE (l) T = TEMPO QUE A BOLHA LEVA PARA PERCORRER O VOLUME (segundos)

DISPOSITIVO COLETOR DE PARTCULAS SLICAPORTA FILTRO (CASSETE) TRS PARTES INTERCAMBIVEIS POLIESTIRENO PLUGUE AZUL PEA SUPERIOR ANEL CENTRAL SUPORTE DE PAPELO DE 37mm DE DIMETRO FILTRO-MEMBRANA DE PVC DE 37mm DE DIMETRO E 5 m DE PORO, COM BAIXO TEOR DE CINZAS PEA INFERIOR PLUGUE VERMELHO

DISPOSITIVO SEPARADOR DE TAMANHO DE PARTCULA- MINICICLONE PADRO DE NYLON DE 10mm QUE SEPARE ASPARTCULAS COM AS SEGUINTES CARACTERSTICAS DE SEPARAO:

TAMANHO DA PARTCULA % DE PASSAGEM ATRAVS (DIMETRO AERODINMICO EQUIVALENTE) DO FILTRO DE AR m 3: 1 FIBRAS RESPIRVEIS: SO PARTCULAS COM DIMETRO < 3m , COMPRIMENTO > 5m E RELAO COMPRIMENTO/DIMETRO > 3: 1

PARTICULATES NOT OTHERWISE CLASSIFIED (PNOC) (PARTICULADOS NO CLASSIFICADOS DE OUTRA MANEIRA)INCMODA INERTE

NO SO FIBROGNICAS, CANCERIGENAS, TXICAS NEM ALERGNICAS EXERCEM EFEITOS BIOLGICOS A LONGO PRAZO EM QUANTIDADES EXCESSIVAS PODEM: REDUZIR SERIAMENTE A VISIBILIDADE CAUSAR DEPSITOS DESAGRADVEIS NOS OLHOS, OUVIDOS E PASSAGENS NASAIS CAUSAR LESES NA PELE E MUCOSAS POR AO QUMICA OU MECNICA SOBRECARREGAR OS SISTEMAS DE PROTEO E DEPURAO DO ORGANISMO DANDO LUGAR A ENFERMIDADES INESPECFICAS L.E. = 10 mg/m3 (POEIRA TOTAL) NO CONTENHA ASBESTO < 1% DE SLICA

POEIRA RESPIRVELA FRAO DE PARTCULAS, DO AR INSPIRADO, QUE RETIDA NO TRATO RESPIRATRIO. O LOCAL DE SUA DEPOSIO DEPENDE DE: 1) PROPRIEDADES AERODINMICAS DAS PARTCULAS TAMANHO FORMA (MOBILIDADE DAS PARTCULAS DENSIDADE

2) TAMANHO E FORMA DO CANAL RESPIRATRIO 3) PADRO DE RESPIRAO E QUANTIDADE DE AR RESPIRADO

SLICAO AGENTE PATOGNICO DA SILICOSE A POEIRA DE SLICA LIVRE, OU NO COMBINADA (Sio2) 60% DA CROSTA TERRESTRE E ENCONTRADA : FORMANDO SILICATOS (FELDSPATOS, ARGILAS, CAOLINS, MICAS, ETC CRISTALIZADA: QUARTZO CRISTOBALITA TRIDIMITA AMORFA TERRAS DIATOMCEAS OPOLA TRPOLI, ETC

COMBINADA COM XIDOS METLICOS

FORMA LIVRE QUARTZO AREIAS ROCHAS

EXPOSIO SLICATIPO DE OPERAO CORTE E POLIMENTO DE BLOCOS DE PEDRA CONSTRUO CIVIL GRANITOS CONCRETO QUARTZO DECORATIVO CORTE DE TIJOLOS REFRATRIOS PARA MANUTENO DE FORNOS METAL-MECNICA USO DE AREIA PARA MOLDES DE FUNDIO LIMPEZA DE METAIS COM JATEAMENTO DE AREIA POLIMENTO DE ABRASIVOS E MOAGEM LAVRA POR EXPLOSIVOS MINERAO PERFURAO E RETIRADA DE MINRIO TRANSPORTE E MOAGEM REBARBAO DE PEAS PREPARAO DE MASSA TORNEAO A SECO CERMICA PREPARAO DE FORMAS REFRATRIAS ESMALTAO A REVOLVER CARGA E RETIRADA DE PEAS DO FORNO POLIMENTO A SECO DE PRODUTOS ACABADOS MANUSEIO DE MATRIAS-PRIMAS VIDRO CARGA DE FORNO CORTE DE TIJOLOS REFRATRIOS E DE MANUTENO DE FORNOS CIMENTO PROCESSOS EM GERAL AT A CARGA DOS FORNOS TINTAS MANUSEIO DE MATRIAS-PRIMAS USADAS COM ESTENDEDORES POLIDORES DOMSTICOS PROCESSOS EM GERAL PARA PRODUO DE POLIDORES E SABES ABRASIVOS DOMSTICOS RAMO INDUSTRIAL

MTODOS DE COLETA E ANLISE POEIRASSLICAMTODO DE COLETA NORMA DE AVALIAO DA EXPOSO OCUPACIONAL A AERODISPERSIDES (FUNDACENTRO)

ASBESTO

METAIS

POEIRAS NO CLASSIFICADAS DE OUTRA FORMANORMA DE AVALIAO DA EXPOSIO OCUPACIONAL A AERODISPERSIDES (FUNDACENTRO) PVC PORO: 5 m DIMETRO: 37mm

TIPO DE FILTRO

PVC, PORO: 5 m, DIMETRO: 37 mm

TIPO DE AMOSTRAGEM MTODO ANALTICO

RESPIRVEL COLORIMETRIA (NIOSH-7601) INFRA VERMELHO (NIOSH-7602) DIFRAO DE RAIOS X (NIOSH-7500) QUARTZO 0,10mg/3 CRISTOBALITA 0,05mg/m3 TRIDIMITA 0,05 mg/m3 TRPOLI 0,10 mg/m3 8 % Quartzo + 2

MTODO DE AVALIAO NORMA DE AVALIAO AMBIENTAL DE ASBESTO DA EXPOSIO EM LOCAIS DE TRABALHO OCUPACIONAL A (FUNDACENTRO) AERODISPERSIDES (FUNDACENTRO) CONSULTAR STER DE CELULOSE LABORATRIO. QUADRICULADO, DEPENDE DO METAL A PORO: 0,8 OU 1,2 m, SER ANALISADO (EM DIMETRO: 25 mm GERAL: STER DE CELULOSE, PORO: 0,8 m, DIMETRO: 37mm) TOTAL TOTAL EM GERAL ABSORO ATMICA (DEPENDE DO METAL A SER ANALISADO) DEPENDE DO METAL OU COMPOSTO METLICO

TOTAL GRAVIMETRIA (DETERMINAO GRAVIMTRICA DE AERODISPERSIDES/ FUNDACENTRO)

MICROSCOPIA PTICA (NIOSH-7400)

L.E. (ACGIH)

CRISOTILA 2 FIBRAS/cm3 CROCIDOLITA 0,2 FIBRAS/cm3 OUTRAS FORMAS 2 FIBRAS/cm3 2 FIBRAS / cm3

10 mg/m3

L.E. (BRASIL) NR-15 ANEXO 12 VAZO DA BOMBA

1,7 LITROS/min

1,0 LITROS/ min

MANGNES E SEUS COMPOSTOS: 5 mg / m3 FUMOS DE MANGNES: 1 mg m3 1 A 4 LITROS/min

NO PREVISTO

1,5 LITROS/ min

NORMA PARA AVALIAO DA EXPOSIO OCUPACIONAL A AERODISPERSIDES OBJETIVO: ESTABELECER METODOLOGIA DE AVALIAO DA EXPOSIO OCUPACIONAL A AERODISPERSIDES SLIDOS. APLICAO: ESTA NORMA APLICA-SE AVALIAO DE POEIRAS QUE POSSAM CONTER SLICA LIVRE CRISTALIZADA, PARTICULAS INCMODAS E POEIRAS E FUMOS METLICOS, EM AMBIENTES DE TRABALHO, ATRAVS DA COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS INDIVIDUAIS COM EQUIPAMENTOS DE AMOSTRAGEM DO TIPO BDX 44 DA BENDIX, MODELO G DA MSA OU SIMILAR.

METODOLOGIA DE AVALIAO AMBIENTAL A AVALIAO AMBIENTAL UM DIAGNSTICO DA SITUAO PRODUZIDA POR UM OU VRIOS AGENTES AMBIENTAIS. PARA O CASO DAS POEIRAS, ESSE DIAGNSTICO BASEADO NA ANLISE E INTERPRETAO DOS DADOS OBTIDOS ATRAVS DA OBSERVAO DO AMBIENTE DE TRABALHO, ENTREVISTAS COM OS TRABALHADORES, DE LEVANTAMENTO DE LITERATURA TCNICO-CIENTFICA, DE MEDIES DAS CONCENTRAES AMBIENTAIS A QUE PODEM ESTAR SUBEMTIDOS OS TRABALHADORE EM SEU AMBIENTE DE TRABALHO E COMPARAES COM OS CRITRIOS LEGAIS VIGENTES. OS DADOS OBTIDOS DURANTE A AVALIAO AMBIENTAL PODEM SER USADOS PARA LOCALIZAR E AVALIAR FONTES GERADORAS DE POEIRAS, PRTICAS DE TRABALHO INADEQUADAS E PARA SUBSIDIAR O PROJETO DE ENGENHARIA DAS MEDIDAS DE CONTROLE DESTINA MELHRIA DAS CONDIES DE TRABALHO. A CONFIABILIDADE DOS RESULTADOS DEPENDE DA ADEQUAO DE TODOS OS PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA AMOSTRAGEM E NA ANLISE, E PARA ISSO SO APLICADOS PROCEDIMENTOS , MTODOS E NORMAS BASEADOS EM RECOMENDAES INTERNACIONALMENTE RECONHECIDAS.

ESTRATGIA DE AMOSTRAGEMASPECTOS GERAIS A ESTRATGIA DE AMOSTRAGEM CONSISTE DE UM PLANEJAMENTO CUIDADOSO QUE TEM POR OBJETIVO COLETAR AMOSTRAS REPRESENTATIVAS DA EXPOSIO REAL E POTENCIAL DO TRABALHADOR AOS CONTAMINANTES PRESENTES EM SEU LOCAL DE TRABALHO. ESSE PLANEJAMENTO ENVOLVE MAIS DECISES DO QUE AMOSTRAR, ONDE AMOSTRAR, QUANTO TEMPO AMOSTRAR, QUANTAS AMOSTRAS TOMAR, QUE TRABALHADORES E OPERAES AVALIAR, ENTRE OUTRAS. SO CONSIDERADORS, TAMBM, QUANTIDADE E TIPO DE EQUIPAMENTOS DE AMOSTRAGEM E SENSIBILIDADE DA METODOLOGIA ANALTICA.

MTODOS DE COLETAASPECTOS GERAIS A COLETA DE AMOSTRAS DE POEIRA TEM POR OBJETIVO A OBTENO DE INFORMAO SOBRE A MAGNITUDE DO RISCO POTENCIAL SADE DO TRABALHADOR RESULTANTE DA INALAO DE PARTCULAS SUSPENSAS NO AR DO AMBIENTE DE TRABALHO OS MTODOS UTILIZADOS PARA A COLETA SO DESENVOLVIDOS PARA FORNECER DADOS SOBRE A CONCENTRAO DO CONTAMINANTE DENTRO DA FAIXA DE TAMANHO DE PARTCULA QUE ATINGE O RGO CRTICO PARA EFEITO DA AO TXICA. PARA PNEUMOCONIOSES PRODUZIDAS POR POEIRAS, COMO O CASO DA SILICOS, AS PARTCULAS DE INTERESSE DIRETO SO AQUELAS RETIDAS NOS ALVOLOS, OU SEJA, AS PARTCULAS MENORES QUE 10 m.

OS MTODOS DE COLETA CONSISTEM EM: ASPIRAR UM DETERMINADO VOLUME DE AR CONTAMINADO COM O AUXLIO DE UMA BOMBA PORTTIL DE VAIXA VAZO, CALIBRADA; SEPARAR AS PARTCULAS DE INTERESSE (FRAO MENOR QUE 10 m) FAZENDO O AR PASSAR ATRAVS DE UM CICLONE; COLETAR AS PARTCULAS SEPARADAS PELO CICLONE, FAZENDO-AS PASSAR ATRAVS DE

O MTODO DE ANLISE GRAVIMTRICA CONSISTE EM: PR-PESAGEM DO FILTRO DE MEMBRANA ANTES DA COLETA; PESAGEM DO FILTRO DE MEMBRANA APS A COLETA; DETERMINAO DA MASSA DA AMOSTRA COLETADA, POR DIFERENA;

O MTODO DE DIFRAO DE RAIOS X CONSISTE EM: CALCINAO DOS FILTROS AMOSTRADOS A 800C; DISPERSO DO CALCINADO, EM BANHO UTRASSNICO E ADIO DE PADRO INTERNO; REDEPOSIO DO MATERIAL DISPERSO SOBRE FILTRO ANALTICO; ANLISE QUALITATIVA, POR DIFRAO DE RAIOS X, PARA VERIFICAO DA PRESENA DE SLICA E OUTRAS FORMAS CRISTALINAS INTERFERENTES; ANLISE QUANTITATIVA, POR DIFRAO DE RAIOS X, PARA DETERMINAO DO TEOR DE SLICA PRESENTE EM CADA AMOSTRA.