1. 2 LSE = Limite superior de especifica§£o LIE = Limite inferior de...

download 1. 2 LSE = Limite superior de especifica§£o LIE = Limite inferior de especifica§£o 6ƒ = capacidade do processo Capacidade do Processo

of 63

  • date post

    22-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    112
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of 1. 2 LSE = Limite superior de especifica§£o LIE = Limite inferior de...

  • Slide 1
  • 1
  • Slide 2
  • 2 LSE = Limite superior de especificao LIE = Limite inferior de especificao 6 = capacidade do processo Capacidade do Processo
  • Slide 3
  • 3 1- Processo Vermelho : (C P < 1) 2- Processo Amarelo : (1< C P < 1,3) 3- Processo Verde : (C P > 1,3) Capacidade do Processo
  • Slide 4
  • 4 Funo Perda de Taguchi Quais os valores timos de Cp e Cpk Qual o limite economicamente recomendavel de Cp
  • Slide 5
  • 5 Funo Perda de Taguchi m m + m -
  • Slide 6
  • 6 Funo Perda de Taguchi
  • Slide 7
  • 7 LIELSE mm - m + x Funo Perda de Taguchi Perda causada pelo desvio de x
  • Slide 8
  • 8 Funo Perda de Taguchi
  • Slide 9
  • 9
  • Slide 10
  • 10 Definio de Robustez Estado no qual o desempenho da tecnologia, produto ou processo minimamente sensvel a fatores que causam variabilidade na fabricao ou no uso, ao menor custo unitrio de manufatura.
  • Slide 11
  • 11 Abordagem Tradicional Projeto ProttipoTeste OK? Anlise Manufatura S N
  • Slide 12
  • 12 Eliminar os diferentes sintomas de mau funcionamento Nova postura Concentrarmos naquilo que queremos que o produto/processo realize ao invs de nos preocuparmos com aquilo que no queremos que acontea. Exemplo: Sistema de freio Tradicionalmente procuramos:
  • Slide 13
  • 13 Consideraes de Projeto Geometria de atuao do pedal Parmetros do cilindro Viscosidade do fluido Material Dimenses Perdas mecnicas e hidrulicas Atrito do piso Etc Sistema de Freio Requisitos de Projeto Custo Peso Confiabilidade Mantenabilidade Segurana Dissipao de calor Etc Requisitos de Desempenho Fora de atuao no pedal Distncia de frenagem Rudo audvel Vibrao Etc Abordagem Tradicional
  • Slide 14
  • 14 Questo Chave: Qual a do sistema
  • Slide 15
  • 15 Todo sistema possui uma Funo Bsica Entrada Realizao da funo bsica Sada Clientes Voz do Cliente Geradores de processos
  • Slide 16
  • 16 Medir a funo bsica do Sistema MY Processo Fator de sinal Y M Relao ideal entre M e Y
  • Slide 17
  • 17 Entrada Sistema de Freio Sada Resultado Percebido: Distncia de frenagem Quero parar o carro Funo bsica Desacelerar veculo Fator de Sinal: Fora no pedal Resposta: Torque Y M Fora no pedal Funo ideal
  • Slide 18
  • 18 Variabilidade Funcional Y M Funo ideal
  • Slide 19
  • 19 Transformao de Energia Energia na Entrada Transformao de Energia Energia na Sada Fatores de Rudo Variabilidade Funcional Sintomas de mal funcionamento
  • Slide 20
  • 20 Energia na Entrada Transformao de Energia Energia na Sada Energia til Torque Energia perdida Fatores de rudo MY Transformao de Energia Rudo audvel Vibrao Aquecimento Desgastes
  • Slide 21
  • 21 Tipos de Atitudes Contra o Rudo 1.Ignorar. Ok, se no for importante 2. Eliminar ou controlar. Apertar tolerncias. Usar material mais nobre etc 3. Compensar seu efeito. Feedback control
  • Slide 22
  • 22 Tipos de Atitudes Contra o Rudo 4. Minimizar seus efeitos. Tornar o processo robusto contra os efeitos dos fatores de rudos. Utilizar o Projeto de Parmetros Fazer isso sem aumentar o custo
  • Slide 23
  • 23 Anlise dos Fatores Transformao de Energia Torque Fatores de rudo Rudo audvel Vibrao Aquecimento Desgastes Etc Fora no pedal Fatores de controle Material da pastilha Dimenses da pastilha Temperatura do motor Velocidade do veculo..... > Perda
  • Slide 24
  • 24 Implementar a robustez em um processo encontrar a melhor combinao dos fatores de controle que torne a funo do processo estvel na presena dos fatores de rudo Incorporao de Robustez
  • Slide 25
  • 25 Medida da Robustez Transformao de Energia Energia til Torque Energia perdida MY Rudo audvel Vibrao Aquecimento Desgastes
  • Slide 26
  • 26 Medida da Robustez Y M Y M Baixa S/NAlta S/N
  • Slide 27
  • 27 Benefcio da Robustez Quanto mais reduzirmos a variabilidade funcional, menos energia sobrar para ser perdida em sintomas indesejveis
  • Slide 28
  • 28 Etapas do Processo Robusto 1.Identifique o processo 2. Defina a funo bsica e o resultado 3. Definir o que e como medir 4. Defina a Funo ideal 5. Definir fatores e nveis 6. Formule o experimento 7. Colete os dados 8. Analise os dados Escolha a combi- nao tima 9. Confirme os resultados
  • Slide 29
  • 29 Etapas do Projeto Robusto 1. Identifique o Processo Definir os objetivos Identificar o sistema/subsistema Definir equipe Definir esquema de trabalho Colete dados do processo/produto atual para comparao posterior. Mdia. Variabilidade. ndice de capacidade
  • Slide 30
  • 30 Etapas do Projeto Robusto 2. Defina a funo bsica e o resultado Expresse numa frase a funo bsica do sistema e o resultado desejado 3. Defina o que medir e como medir Para caracterstica dinmica. Definir o fator de sinal M, como medir e controlar. Definir resposta Y e como medi-la. Para demais caractersticas. Definir resposta Y
  • Slide 31
  • 31 Etapas do Projeto Robusto 4. Defina a funo ideal S para caracterstica dinmica 5. Defina fatores e nveis Listar todos os fatores relevantes Separar fatores de controle e rudos Selecionar fatores de controle, definir nveis Selecionar fatores de rudo, definir nveis Definir nveis do fator de sinal
  • Slide 32
  • 32 Etapas do Projeto Robusto 6. Formule o experimento Selecione o arranjo ortogonal ou DoE Atribua fatores de controle s colunas do arranjo Defina a estratgia de rudo. Forar o rudo no experimento. Combinar fatores de rudo. Usar rudo mais forte, se possvel Esboce o layout final do experimento
  • Slide 33
  • 33 Etapas do Projeto Robusto 7. Colete os dados Gere planilhas para as rodadas do experimento Defina responsabilidades e datas Oriente as pessoas envolvidas, ocorrncias especiais devero ser anotadas
  • Slide 34
  • 34 Etapas do Projeto Robusto 8. Analise os dados e escolha a combinao tima Calcular mdia, relao sinal/rudo para cada experimento Construir e interpretar as tabelas de respostas Definir a combinao tima Fazer previso para combinao tima. S/N e mdia Definir experimento confirmatrio
  • Slide 35
  • 35 Etapas do Projeto Robusto 9. Confirme os resultados Realizar o experimento confirmatrio INDISPENSVEL Se a melhoria no for confirmada retornar etapa 5 Comparar os ganhos obtidos. Situao anterior x otimizada Implementar a melhoria e documentar o caso
  • Slide 36
  • 36 Resumo da Etapas do Projeto Robusto Descrever Produto/Processo Definir Funo Ideal Definir Caracterstica a ser medida Listagem dos Fatores 1
  • Slide 37
  • 37 Resumo da Etapas do Projeto Robusto Separar Fatores de Controle e Rudo Selecionar Fatores de Controle Definir Nveis Selecionar Fatores de Rudo Definir estratgia de Rudo Definir Layout do Experimento
  • Slide 38
  • 38 Resumo da Etapas do Projeto Robusto Gerar planilha para coleta de dados Realizar as rodadas do experimento Calcular relao S/N e mdia/sensibilidade para cada rodada Construir tabelas e grficos de respostas
  • Slide 39
  • 39 Resumo da Etapas do Projeto Robusto Interpretar dados Definir Combinao tima Fazer previses para relao S/N e mdia/sensibilidade Definir experimento confirmatrio Realizar experimento confirmatrio
  • Slide 40
  • 40 Resumo da Etapas do Projeto Robusto Implementar melhoria Melhoria confirmada S N 1
  • Slide 41
  • 41 Estudo de Caso: Nissan Devido introduo de tratamento trmico em alta frequncia, tornando o ao mais duro, necessitouse adequar a usinagem Objetivo: Otimizar o processo de usinagem, garantindo as dimenses especificadas, sem aumentar os custos
  • Slide 42
  • 42 Funo Ideal IntentoSinal M Produzir com dimenses especificadas Dimenses do programa CNC Resultado Resposta Y Produto com dimenses corretas Cotas medidas na pea 45 M Y Tg 45 = 1,00
  • Slide 43
  • 43 O que medir? Em vez da pea real, utilizamos uma pea de ensaio Facilidade na medio Vrios nveis de sinal, cobrir uma faixa larga de operao do processo a1 a2
  • Slide 44
  • 44 O sistema de engenharia Dimenses Programa Usinagem Dimenses Pea Fatores de Controle Fatores de Rudo Velocidade Avano Curso ferramenta Dureza ferramenta Profundidade ngulo Dureza do material Desgaste da ferra menta Vida do lubrificante
  • Slide 45
  • 45 Fatores de Controle e Rudo Fator de Rudo Nivel 1Nivel2 N. Dureza do material Menos duro Mais duro Fatores de Controle Nivel 1 Nivel 2 Nivel 3 A.Direo curso ferr p/ cimap/baixo B.Velocidade (m/min) lentanormal rpida C.Avano (m/min) lento normal rpido D.Material ferramenta mais mole normal mais duro E.Rigidez da ferram baixa normal alta F.ngulo 1 ferramenta menor normal maior G.ngulo 2 ferramenta menor normal maior H. Profundidade (mm) menor normal maior
  • Slide 46
  • 46 Nveis do Fator Sinal a1 a2 b1 c1 Fator SinalM1 M2............. M66 Dimenses CNC a1a2 a1-a3................. C3-c4
  • Slide 47
  • 47 Layout do Experimento
  • Slide 48
  • 48 Efeitos dos Fatores de Controle